EURO R$ 6,04 +0,21% DÓLAR R$ 5,34 +0,05% ITUB4 R$ 26,88 -0,26% MGLU3 R$ 79,60 +0,25% BBDC4 R$ 21,94 -2,27% IBOVESPA 99.171,57 pts +0,01% PETR4 R$ 22,21 +0,32% GGBR4 R$ 16,06 +0,06% ABEV3 R$ 14,65 +0,07% VALE3 R$ 56,40 -0,04%
EURO R$ 6,04 +0,21% DÓLAR R$ 5,34 +0,05% ITUB4 R$ 26,88 -0,26% MGLU3 R$ 79,60 +0,25% BBDC4 R$ 21,94 -2,27% IBOVESPA 99.171,57 pts +0,01% PETR4 R$ 22,21 +0,32% GGBR4 R$ 16,06 +0,06% ABEV3 R$ 14,65 +0,07% VALE3 R$ 56,40 -0,04%
Delay: 15 min
Mercado

Grande demais para falir: todo o setor privado dos Estados Unidos

Governo americano redefine a máxima da crise de 2008 ao estender ajuda a inúmeros setores

Um 737 Max dentro de um hangar da Boeing: fabricante de aviões virou símbolo do socorro do governo americano às empresas durante a pandemia. (Jason Redmond/ AFP)
  • Em 2008, apenas os bancos eram grandes demais para falir
  • Socorro oferecido por Donald Trump põe governo americano como fiador de quase todo o setor privado
  • Auxílio anima as bolsas pelo mundo todo e absolve gestões ruins, como a da Boeing

(Matt Phillips, NYT News Service) – Durante a crise financeira de 2008, os bancos de Wall Street e outras grandes instituições financeiras foram consideradas “grandes demais para falir”. A crise desencadeada pela pandemia de coronavírus ampliou esse status de elite para uma faixa significativa do setor privado dos EUA.

Em uma tentativa de amenizar o golpe econômico do coronavírus, o governo norte-americano ampliou sua rede de segurança financeira de empresas estrategicamente sensíveis, a indústrias inteiras, como energia e companhias aéreas, ao mercado de títulos corporativos.

“O ‘grande demais para falir’ que existia para os bancos agora se estendeu a muitas outras empresas”, disse Luigi Zingales, professor de finanças da Universidade de Chicago que estuda há muito tempo a interação entre governo, regulamentação e setor privado.

Há uma década, o Federal Reserve foi fundamental para impedir que o sistema bancário falisse. Desta vez, as ações do Fed são muito mais abrangentes e, essencialmente, sustentaram mercados financeiros inteiros com sua capacidade sem fundo de comprar ativos com dinheiro recém-criado.

Jerome Powell: “Fed fará tudo o que estiver ao nosso alcance”

Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, sinalizou que o banco central continuará a fazê-lo. Na segunda-feira (18), o mercado de ações fechou em alta de 3,2%, reforçado em parte pelos comentários de Powell, que disse que “realmente não há limite” para o que o Fed poderia fazer com suas instalações de empréstimos de emergência.

“A única coisa que posso garantir absolutamente é que o Federal Reserve fará tudo o que estiver ao nosso alcance para apoiar as pessoas que servimos”, disse Powell durante entrevista à televisão transmitida no domingo.

O mercado também teve um aumento na segunda-feira depois que a Moderna, fabricante de uma potencial vacina contra o coronavírus, relatou resultados favoráveis ​​em um teste inicial.

Enquanto o Fed diz que não busca manter os preços das ações em alta, o mercado se recuperou cerca de 30% desde que a instituição iniciou seu gigantesco programa para injetar trilhões de dólares nos mercados financeiros. Ele comprou bilhões de dólares em títulos do Tesouro dos EUA e títulos hipotecários com seguro do governo, mantendo os preços desses títulos em alta e aumentando os rendimentos, que se movem na direção oposta.

O Fed também anunciou recentemente que começaria a comprar fundos negociados em bolsa que possuam uma carteira diversificada, representando grande parte do mercado de títulos corporativos de mais de US$ 9 trilhões e passará a comprar títulos corporativos diretamente “em um futuro próximo”. Como esses títulos servem de base para novos empréstimos, isso reduz o custo de captação de recursos para as empresas que utilizam os mercados de títulos.

“Nesse ciclo, não é uma instituição específica grande demais para falir; é o mercado de títulos com grau de investimento grande demais para falir”, Scott Minerd, diretor global de investimentos da Guggenheim Partners, que tem mais de US$ 200 bilhões sob gestão, escreveu em uma nota recente do cliente.

Um auxílio sob a medida para salvar a Boeing

O governo também destinou enormes somas para certas indústrias. As companhias aéreas poderiam receber cerca de US$ 50 bilhões em empréstimos e auxílio na lei CARES, de US$ 2 trilhões. A lei reservou cerca de US$ 17 bilhões “para negócios críticos para a manutenção da segurança nacional”, um pote amplamente visto como destinado ao gigante aeroespacial e militar Boeing, que estava lutando antes mesmo de o coronavírus interromper as viagens aéreas. (As notícias da retaguarda ajudaram a Boeing a evitar receber dinheiro do governo, pois os investidores estavam mais confiantes em emprestar dinheiro nos mercados de títulos.)

Esse tipo de ação governamental produz sentimentos fortes, especialmente entre aqueles que afirmam que a disciplina de afundar ou nadar de mercados que operam sem o apoio do governo leva a uma economia mais forte e dinâmica. O envolvimento do governo corre o risco de criar uma geração de empresas zumbis muito fracas para ter sucesso sem a ajuda do tio Sam, continua o argumento e interfere no processo de destruição e inovação que torna produtivas as economias capitalistas.

Poderia ser. Mas, para os investidores, esses pontos são em grande parte irrelevantes. Os socorros, batentes ou redes de segurança são uma realidade. Isso sugere que as regras de investimento convencionalmente aceitas estão mudando. Os investidores que esperam que os mercados sigam o dogma do livre mercado logo se sentirão confusos com o movimento dos preços.

Anexo A: o mercado de ações. O recente aumento do S&P 500 parece cada vez mais distante do que geralmente se pensa ser os principais fatores dos preços das ações, lucros corporativos e crescimento econômico. Mas a brincadeira faz sentido se os investidores responderem pelos trilhões de dólares que o Fed criou e injetou nos mercados financeiros nos últimos meses, alguns dos quais acabaram migrando para as ações.

Apoio do governo vem com muitas amarras políticas. Sempre

Isso não quer dizer que o grande apoio só ajudará os investidores. Afinal, o apoio do governo normalmente vem com muitas cordas políticas ligadas.

Depois que a crise financeira de 2008 levou a resgates de grandes partes do setor financeiro, um novo impulso regulatório limitou a capacidade dos bancos de assumir grandes riscos e maximizar os lucros. Isso protegeu os contribuintes, mas abafou as taxas de retorno das ações financeiras.

A recompra de ações com dinheiro dos americanos deixou de ser tabu

Zingales disse que, desta vez, os regulamentos poderão começar a limitar as recompras de ações, que cresceram nos últimos anos e ajudaram a apoiar os preços das ações. Na última década, as empresas americanas emergiram como os maiores compradores líquidos do mercado de ações, fornecendo uma fonte crucial de demanda por ações. As recompras também reduziram a oferta de ações disponíveis para compra por outros investidores. E como os investidores geralmente avaliam ações com base nos lucros por ação, a redução do número de ações facilita a manutenção de números de crescimento por ação altos o suficiente para atrair investidores.

O aumento nas recompras recebeu muitas críticas nos últimos anos, especialmente da esquerda política. Mas Zingales disse que não demonstrava muita simpatia por essas preocupações até recentemente.

Com o governo demonstrando que está disposto a garantir a sobrevivência de algumas empresas, as recompras de ações não são mais um assunto que preocupa a corporação e seus acionistas, especialmente se as mesmas empresas que gastaram grandes quantias de dinheiro em recompras recorrerem aos contribuintes para obter ajuda quando as coisas acontecerem.

Por exemplo, a Boeing, que o governo estava disposto a apoiar com bilhões de assistência, gastou cerca de US $ 35 bilhões para recomprar suas ações entre 2015 e 2019.

“Se você pensa em casos como a Boeing, é meio problemático”, disse Zingales.

Invista com o apoio de assessores especializados. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,04 +0,21% DÓLAR R$ 5,34 +0,05% ITUB4 R$ 26,88 -0,26% MGLU3 R$ 79,60 +0,25% BBDC4 R$ 21,94 -2,27% IBOVESPA 99.171,57 pts +0,01% PETR4 R$ 22,21 +0,32% GGBR4 R$ 16,06 +0,06% ABEV3 R$ 14,65 +0,07% VALE3 R$ 56,40 -0,04%
EURO R$ 6,04 +0,21% DÓLAR R$ 5,34 +0,05% ITUB4 R$ 26,88 -0,26% MGLU3 R$ 79,60 +0,25% BBDC4 R$ 21,94 -2,27% IBOVESPA 99.171,57 pts +0,01% PETR4 R$ 22,21 +0,32% GGBR4 R$ 16,06 +0,06% ABEV3 R$ 14,65 +0,07% VALE3 R$ 56,40 -0,04%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos