ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
Delay: 15 min
Mercado

A razão para companhias aéreas dos EUA gastarem em recompra de ações

Quatro empresa, além da Boeing, pagaram mais de US$ 70 bi nos últimos 5 anos

Trabalhador da fábrica da americana Boeing em Taiwan (Foto: Ritchie B. Tongo/EFE)
  • Por que uma empresa gastaria bilhões para comprar suas próprias ações em vez de usar esse dinheiro para expandir seus negócios?
  • corre o risco de uma ou duas dessas companhias aéreas recusarem os termos de resgate do governo federal, entrar em falência e enviar o preço das ações a zero
  • É hora de sacrificar uma parte significativa de suas ações para fazer os contribuintes felizes em troca de serem socorridos

(Allan Sloan/Washington Post) – Houve muita confusão – pelo menos para mim – sobre o motivo de quatro grandes companhias aéreas e a gigante aeroespacial Boeing gastarem mais de US$ 70 bilhões nos últimos cinco anos para recomprar suas próprias ações. Agora elas pedem dezenas de bilhões de dólares de resgate federal em razão do coronavírus. O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, anunciou na terça-feira (14) que 10 companhias aéreas chegaram a um acordo para aceitar US$ 25 bilhões em subsídios para superar a crise do coronavírus.

Se você é uma pessoa normal – em oposição a um obsessivo de Wall Street – pode se perguntar sobre tudo isso. Por que uma empresa gastaria bilhões para comprar suas próprias ações em vez de usar esse dinheiro para expandir seus negócios? Ou para reduzir sua dívida? Ou enviar maiores dividendos aos seus acionistas?

Vou mostrar a você uma análise que o Zion Research Group – uma empresa de consultoria da cidade de Nova York – fez a meu pedido. Mas antes de começar a contar os números, deixe-me explicar por que tantas empresas gastam tanto dinheiro comprando suas próprias ações no mercado, mesmo que isso reduza a sua força financeira e a deixe muito mais vulnerável a choques ou acidentes fatais de avião mais o Covid-19.

O jogo de Wall Street – e o que é jogado pelos executivos-chefes corporativos e conselhos de administração – não envolve apenas mostrar ganhos altos e sempre crescentes. Envolve mostrar ganhos altos e cada vez maiores por ação – o que não é necessariamente a mesma coisa. Se uma empresa possui, digamos, 2 milhões de ações e obtém lucro de US$ 10 milhões, seus ganhos por ação são de US$ 5. É matemática: US$ 10 milhões divididos por 2 milhões. Digamos que a mesma empresa compra de volta muitas ações próprias, ganha apenas US$ 6 milhões, mas possui apenas 1 milhão de ações em circulação, ou seja, US$ 6 por ação. Isso resulta em uma empresa menor, mas com um preço por ação mais alto do que se seus ganhos fossem de apenas US$ 5 por ação.

Foi por isso que pedi a Dave Zion, chefe da Zion Research, estudar o impacto que cinco anos de recompras da Boeing, Southwest Airlines, United Airlines, Delta Air Lines e American Airlines tiveram nos lucros por ação dessas empresas. A resposta foi “muita” – e uma resposta que justifica o governo federal exigindo e, esperançosamente, obtendo uma grande quantidade de ações em termos que dão aos contribuintes uma parte substancial da vantagem pós-resgate das empresas.

De acordo com os números de Zion, as recompras de ações da Southwest de US$ 8,5 bilhões de 2015 a 2019 representaram quase um terço de sua taxa de crescimento anual composta por lucro por ação nesses cinco anos. O lucro por ação da Southwest cresceu a uma taxa anual composta de 32,6%, diz Zion, mas teria crescido apenas 14,3% sem as recompras. A taxa de crescimento de 32,2% da United teria sido de apenas 21,3% sem seus US$ 8,6 bilhões em recompras. A taxa de crescimento de 56,4% da Delta teria sido de 47,8% sem seus US$ 10,1 bilhões em recompras. No caso da American, seus US$ 11,9 bilhões em recompras diminuíram seu declínio no lucro por ação para 0,7% ao ano, em comparação com o declínio de 10,2%.

A Boeing relatou uma perda em 2019, após lucros nos quatro anos anteriores, então não há como fazer a matemática dos ganhos por ação. No entanto, Zion observa que os US$ 34,6 bilhões em recompras da Boeing reduziram sua contagem de ações em 24,6%. Portanto, quando a Boeing voltar a ganhar dinheiro seu lucro será espalhado por menos ações do que se não houvesse recompras.

Ações para o contribuinte em troca de ajuda

Mnuchin, do Tesouro, tem falado da maneira correta de exigir que os contribuintes obtenham ações das companhias aéreas e da Boeing em troca de socorrê-los. Mas falar é barato, especialmente em Washington. Vamos ver quais são os termos reais do resgate. Vamos também ver se o presidente Donald Trump, obcecado pelo mercado de ações, corre o risco de uma ou duas dessas companhias aéreas recusarem os termos de resgate do governo federal, entrar em falência e enviar o preço das ações a zero.

Finalmente, vamos ver se os democratas estão dispostos a colocar os interesses dos contribuintes acima dos interesses dos sindicatos dos funcionários das companhias aéreas. Se essas empresas não tivessem gastado US$ 73,7 bilhões em recompras, seus ganhos por ação teriam sido menores, mas teriam muito menos dívidas e muito mais poder de endividamento do que têm agora. Isso reduziria bastante o tamanho do resgate necessário para permanecerem vivas.

As empresas optaram por sacrificar uma parte significativa de sua força financeira para fazer os acionistas felizes. Agora, é hora de sacrificar uma parte significativa de suas ações para fazer os contribuintes felizes em troca de serem socorridos.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos