MGLU3 R$ 7,22 +6,96% EURO R$ 6,06 +0,52% ITUB4 R$ 24,46 +0,49% IBOVESPA 112.611,65 pts +1,19% BBDC4 R$ 22,28 +0,50% DÓLAR R$ 5,43 +0,38% ABEV3 R$ 15,40 +2,67% GGBR4 R$ 27,96 +0,29% PETR4 R$ 33,88 +0,03% VALE3 R$ 84,49 +0,23%
MGLU3 R$ 7,22 +6,96% EURO R$ 6,06 +0,52% ITUB4 R$ 24,46 +0,49% IBOVESPA 112.611,65 pts +1,19% BBDC4 R$ 22,28 +0,50% DÓLAR R$ 5,43 +0,38% ABEV3 R$ 15,40 +2,67% GGBR4 R$ 27,96 +0,29% PETR4 R$ 33,88 +0,03% VALE3 R$ 84,49 +0,23%
Delay: 15 min
Mercado

IRB (IRBR3) volta ao radar do mercado. É hora de investir nas ações?

Segundo algumas financeiras, parece ser um bom momento para olhar os papéis com mais interesse

(Fonte: Shutterstock)
  • A companhia divulgou os resultados do segundo semestre deste ano em 17 de agosto e reportou prejuízo líquido de R$ 206,9 milhões. Naquele dia, as ações chegaram a bater a mínima histórica, com queda de 7,5%, a R$ 5,05
  • Porém, com um preço baixo e um horizonte de melhora, esse pode ser um momento oportuno para aquisição
  • Essa foi a decisão do bilionário Luiz Barsi, maior investidor individual brasileiro, que recentemente aumentou sua participação no IRB e responde por 1,5% da companhia

(Por Carlos Pegurski, especial para o E-Investidor) O IRB Brasil REBrasil Resseguros S/A — viveu um enredo digno de novela: com incertezas, boatos, denúncias e troca de cadeira. A companhia divulgou os resultados do segundo semestre deste ano em 17 de agosto e reportou prejuízo líquido de R$ 206,9 milhões. Naquele dia, as ações chegaram a bater a mínima histórica, com queda de 7,5%, a R$ 5,05.

Entenda por que as ações IRBR3 têm chamado a atenção do mercado e analise se os papéis da empresa merecem estar na sua carteira de investimentos nos próximos capítulos.

Conheça mais sobre o IRB e seu setor

Com mais de 80 anos, a IRB é a maior resseguradora do Brasil. (Fonte: Pasuwan/Shutterstock)

A “regra de ouro” de todo investimento é conhecer os fundamentos da empresa e do setor. É isso que permitirá ler com atenção o cenário e optar pelos melhores papéis.

O IRB – Brasil Resseguros S/A – foi criado em 1939 pelo governo Getúlio Vargas e é especializado em resseguros, operação em que uma financeira transfere à outra um risco relacionado a uma apólice. Em termos simples, oferece seguro às seguradoras.

Até 2007, a atividade era monopólio do Estado por meio do IRB; desde então, passou a contar com operações privadas. Hoje, já há mais de 100 empresas que atuam nessa atividade, mas o IRB ainda conta com larga vantagem em relação às suas concorrentes: está entre as principais companhias do setor no mundo, atuando em dezenas de países e liderando com folga o mercado doméstico.

Dez anos após o fim do monopólio, quando fez seu IPO (primeira oferta pública de títulos), 70% do lucro de resseguros do País ainda ficava com o IRB, que também tinha melhor ROE (retorno sobre patrimônio) entre seus pares. A empresa compõe o bloco das financeiras na B3 (que formam o índice IFNC) e ainda é a única resseguradora presente na bolsa.

A abertura de capital foi um sucesso. Em agosto de 2017, mês do seu IPO, as ações eram negociadas a R$ 8 e fecharam o primeiro ano em mais de R$ 10, dando consistência ao valor de mercado. No início de 2020, o valor passaria de R$ 41.

Os resultados da abertura não foram significativos apenas para a empresa, mas também para o País. Segundo Márcia Regina Belmiro Araújo de Souza, mestra em Controladoria e Finanças, foi somente após o IPO do IRB que a penetração do setor de seguros passou a ser relevante no Produto Interno Bruto do Brasil, assim como os impostos sobre o lucro passaram a ser significativos.

Conheça o histórico das ações IRBR3

Pandemia e denúncias de fraude fizeram as ações IRBR3 caírem drasticamente no início de 2020. (Fonte: Google Finanças/Reprodução)

Desde a abertura de capital, os títulos vinham se valorizando significativamente. Depois de um ciclo de valorização de mais de 500% em cerca de dois anos e meio, tudo indicava um período de prosperidade.

Mas o IRB viveu um pesadelo no início de 2020 e desde então os títulos da empresa perderam cerca de 85% do valor. O que explica isso?

O primeiro fator se refere ao efeito pandemia. Nos primeiros meses do ano passado, o mundo percebeu que a covid-19 não era um problema circunscrito à China — um dilema e tanto para uma multinacional.

Como os investidores preferiram ativos mais seguros, a exemplo do dólar, praticamente todos os setores sofreram um baque diante da fuga de capital. A B3 teve seu recorde de circuit breakers em apenas uma semana. Mas o mercado pouco a pouco se recompôs e o Ibovespa conseguiu compensar o prejuízo nos meses seguintes.

Já as seguradoras passam por uma recuperação mais lenta. Seja pela quantidade de sinistros ligados a seguros de vida, seja pelos efeitos da crise econômica causada pela covid-19, o setor ainda amarga resultados negativos.

Mas há fatores internos que explicam os números especialmente desastrosos do IRB. Em fevereiro do ano passado, mesmo mês do efeito covid-19, a gestora Squadra Investimentos, que tem a IRB Brasil em um de seus fundos de investimento, publicou duas cartas a seus acionistas alertando que os resultados do IRB eram frágeis, artificiais e fraudulentos. Antes disso, outros comunicados já haviam questionado a lisura da companhia.

A resseguradora brasileira rebateu as críticas afirmando que segue uma política de integridade rígida e o comunicado seria uma movimentação para lucrar com a oscilação das ações. Mas houve de fato tropeços fiscais. Os balanços de 2018 e 2019 tiveram que ser reanunciados, pois apresentavam mais de R$ 600 milhões de diferença.

Além disso, os executivos teriam embolsado R$ 60 milhões de forma irregular. Diante da pressão, o presidente do Conselho de Administração entregou seu cargo. Esse abalo aumentou a instabilidade dos títulos, que caíram de R$ 41 a R$ 7 em algumas semanas, performando o pior gráfico da B3 no ano passado.

Dias depois do relatório da Square, uma matéria jornalística anunciou que o megainvestidor Warren Buffett havia triplicado sua participação na companhia diante da queda dos títulos. A reportagem foi desmentida pelo bilionário, mas ainda restam dúvidas sobre possíveis movimentos planejados de desvalorização dos títulos IRBR3.

Vale a pena comprar os papéis IRBR3?

O “resumo da ópera” (ou da novela) é que a IRB é uma empresa robusta, com mais de 80 anos, mas que passa por várias dificuldades. A dúvida é: esse é um período interessante para adquirir os títulos subvalorizados ou, em vez disso, a companhia não conseguirá demonstrar uma recuperação mesmo a médio e longo prazo?

Segundo algumas financeiras, parece ser um bom momento para olhar os papéis do IRB com mais interesse. Embora seja necessária alguma cautela, já que o histórico recente foi conturbado, há alguns elementos que sugerem que a aquisição dos papéis agora podem ser um bom investimento.

Em primeiro lugar, houve reações desde o início do ano, quando o cenário ainda era bastante incerto. No mês de maio, o relatório mensal indicou um lucro líquido de R$ 7,5 milhões.

Outro fator que deve ser considerado é que os papéis oscilam em valores relativamente constantes desde março de 2021, quando o movimento de queda livre terminou. As ações flutuaram entre R$ 5,50 e R$ 10 desde então, de forma que R$ 5,50/R$ 6 é o piso que deve se encontrar no próximo período, provavelmente.

Portanto, com um preço baixo e um horizonte de melhora, esse pode ser um momento oportuno para aquisição. Essa foi a decisão do bilionário Luiz Barsi, maior investidor individual brasileiro, que recentemente aumentou sua participação no IRB e responde por 1,5% da companhia.

Tudo isso indica que há bons ventos chegando. A questão é de quanto tempo a empresa precisará para atingir o preço-alvo. Raphael Figueredo, analista-chefe da Eleven, dá um palpite: o investidor que tiver dezoito meses de paciência pode ser recompensado com uma valorização de 100%.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos