MGLU3 R$ 7,22 +6,96% EURO R$ 6,03 -1,35% ITUB4 R$ 24,46 +0,49% IBOVESPA 112.611,65 pts +1,19% DÓLAR R$ 5,41 -0,43% ABEV3 R$ 15,40 +2,67% BBDC4 R$ 22,28 +0,50% GGBR4 R$ 27,96 +0,29% PETR4 R$ 33,88 +0,03% VALE3 R$ 84,49 +0,23%
MGLU3 R$ 7,22 +6,96% EURO R$ 6,03 -1,35% ITUB4 R$ 24,46 +0,49% IBOVESPA 112.611,65 pts +1,19% DÓLAR R$ 5,41 -0,43% ABEV3 R$ 15,40 +2,67% BBDC4 R$ 22,28 +0,50% GGBR4 R$ 27,96 +0,29% PETR4 R$ 33,88 +0,03% VALE3 R$ 84,49 +0,23%
Delay: 15 min
Mercado

Saiba quais são as ações que mais subiram e caíram em novembro

Queda de 1,53% do Ibovespa no mês levou o índice para o menor patamar do ano

Ações que subiram em novembro
O mês de novembro afastou ainda mais a esperança de recuperação dos ativos brasileiros nesta reta final de 2021. (Foto: Envato Elements)
  • A TIM (TIMS3) foi a companhia que teve a maior valorização durante o mês de novembro. Já Natura (NTC03) foi a empresa que apresentou a maior queda
  • As tentativas do Governo Federal de driblar o teto de gastos para financiar o programa Auxílio Brasil por meio da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos Precatórios e a circulação da nova variante da covid-19 foram os principais motivos que puxaram para baixo a performance do Ibovespa

O mês de novembro afastou ainda mais a esperança de recuperação dos ativos brasileiros nesta reta final de 2021. A queda de 1,53% do Ibovespa no acumulado do mês levou o principal índice da bolsa de valores do País para o menor patamar do ano: 101.915,45 pontos.

As tentativas do Governo Federal de driblar o teto de gastos para financiar o programa Auxílio Brasil por meio da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos Precatórios e a circulação da nova variante da covid-19 foram os principais motivos que puxaram para baixo a performance do Ibovespa.

A novela da PEC dos Precatórios que se arrasta há meses ainda aguarda o seu desfecho. Nesta terça-feira (30), a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou a proposta enviada pelo governo e o texto seguiu para o plenário. Caso seja aprovado, a equipe econômica do governo federal prevê abrir um espaço no orçamento público de R$ 106,1 bilhões em 2022.

A medida viabiliza ao Planalto o pagamento do Auxílio Brasil no valor de R$ 400 e posterga o pagamento dos precatórios, dívidas judiciais do governo com os cidadãos.

Helder Wakabayashi, analista de investimentos da Toro, avalia que essa estratégia do Poder Executivo pressiona as contas públicas, o que não gera um ambiente favorável para os negócios. “Ele (governo federal) posterga um problema (o pagamento dos precatórios), mas no curto prazo tenta viabilizar o (programa) Auxílio Brasil. Então, isso aumenta o risco do País”, afirma.

Mário Goulart, analista da O2 Research, aponta também o mesmo problema. Segundo ele, a proposta enviada pelo governo causa uma crise de credibilidade da atual gestão. “A PEC dos Precatórios é um jeito brando de dar um calote. Isso nunca é algo positivo e depõe contra a credibilidade do governo”, ressalta.

O aumento da taxa Selic para 7.75% na última reunião do Copom, no fim de outubro, também contribuiu para o baixo desempenho do Ibovespa em novembro. Segundo Wakabayashi, esse movimento que visa frear a inflação do País incentiva os investidores a realocar os seus aportes para a renda fixa. “Isso pressionou uma venda muito grande de ativos. Muitos fundos tiveram saques. A saída da bolsa (renda variável) pressiona o índice para baixo”, destaca o analista da Toro.

Mas esse não é o único problema. O aumento da taxa básica de juros também impacta nos resultados das empresas. De acordo com Goulart, as empresas com dívidas atreladas à Selic veem suas margens de lucro reduzirem. “Quando a taxa de juros sobe, a empresa gasta mais dinheiro com o pagamento de dívidas. Isso piora o seu resultado e, quando ela tem prejuízo, a perda é ainda maior”, afirma.

Nova cepa da covid-19

A informação de uma nova cepa da covid-19 e o surto de casos da doença em vários países europeus deixaram os mercados globais em alerta para os possíveis impactos de uma nova onda de contágio. Assim como as principais bolsas do mundo, o Ibovespa registrou fortes quedas com as incertezas em relação à nova variante, contribuindo para a baixa performance do índice no fechamento do mês de novembro.

Na última sexta-feira (26), a queda do principal índice da B3 foi de 3,39%. A aversão ao risco que Ômicron pode causar para a economia também contribuiu para o recuo de 0,87% no último dia do mês. “Ainda não se sabe qual é a resistência da vacina em relação a essa nova variante. As próximas semanas que teremos em dezembro devem trazer algumas novidades em relação ao assunto”, avalia Antônio Sanches, especialista de investimentos da Rico.

As 5 ações que mais subiram

EmpresaTicketValorização acumulada no mês
TimTIMS322,9%
LocamericaLCAM317,4%
DexcoDXCO316,2%
EnergisaENGI1114,8%
Suzano S.A.SUZB314%

Fonte: Economatica

A TIM (TIMS3) foi a companhia que teve a maior valorização durante o mês de novembro. De acordo com os dados da Economatica, a empresa registrou uma alta de 22,9% no acumulado do mês. Logo depois, aparecem a Locamerica (LCAM3) com um aumento de 17,4% e Dexco (DEXCO3) com acréscimo de 16,2%.

As 5 ações que mais caíram

EmpresaTicketValorização acumulada no mês de novembro
Grupo NaturaNTCO3-31,3%
LocawebLWSA3-27,9%
Magaz LuizaMGLU3-27,8%
AssaiASAI3-16,6%
Banco PanBPAN4-15,2%

Fonte: Economatica

O grupo Natura (NTC03) foi a companhia que apresentou a maior queda no acumulado deste mês de novembro. De acordo com os dados da Economatica, as ações da empresa caíram cerca de 31,3%. Logo depois, apareceram a Locaweb (LWSA3) e Magazine Luiza (MGLU3) com baixas de 27,9% e 27,8%, respectivamente.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos