Publicidade

Mercado

Como a Petrobras (PETR3/PETR4) saiu de recorde de dividendos para mais uma crise política

Saída de Jean Paul Prates do comando da companhia reacende incertezas do mercado

Como a Petrobras (PETR3/PETR4) saiu de recorde de dividendos para mais uma crise política
Petrobras está entre as companhias mais importantes da bolsa de valores (Foto: Wilton Junior/Estadão)
  • Cogitada desde novembro do ano passado, Jean Paul Prates foi demitido pelo presidente Lula (PT) na noite desta terça-feira (14)
  • Magda Chambriard, ex-diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) durante o governo de Dilma Rousseff, é o nome indicado pelo Planalto a principal cadeira da petroleira

A saída de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR3/PETR4) reacende mais uma vez a crise de governança dentro da estatal. A demissão que ocorreu na noite desta terça-feira (14) já era especulada há meses pelo mercado em meio ao embate político do CEO com o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.

Com a materialização da demissão de Prates, os riscos políticos envolvendo a companhia aumentaram e o receio do mercado é que tenha chegado ao fim a era da empresa como boa pagadora de dividendos.

Com a indicação de Magda Chambriard, ex-diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) durante o governo de Dilma Rousseff, para o comando da empresa, a expectativa do mercado é que a nova gestão atenda a pedidos do Planalto e acelere os planos de investimentos da estatal.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Em novembro do ano passado, quando surgiram os primeiros boatos de uma possível queda de Prates, a Petrobras divulgou o seu Plano Estratégico de 2024-2028 que incluiu US$ 102 bilhões para investimentos. O volume representa um aumento de quase 30% em relação ao plano anterior no capex (recursos voltados para os investimentos).

Na prática, essa expansão dos gastos com investimentos impacta na distribuição dos dividendos aos acionistas que tem sido o grande atrativo do papel na bolsa de valores. Segundo dados da Quantum Finance, os investidores com posição em ações ordinárias da Petrobras (PETR3) receberam cerca de R$ 33,47 por ação em proventos no acumulado de 2018 até agora. Já os papéis preferenciais (PETR4) distribuíram um total de R$ R$ 34,32 durante o mesmo intervalo de tempo.

Ao olhar para o volume pago em cada ano, os meses de 2022 podem até ser considerado como tempos de “ouro” para a história da Petrobras. Ainda segundo a Quantum, a estatal adicionou na conta dos seus acionistas mais de R$ 16 por ação em dividendos. A título de comparação, o valor do pagamento foi superior à soma dos dividendos de todas as ações listadas na B3 juntas, como mostramos nesta reportagem.

Em nível mundial, a Petrobras foi a segunda empresa que mais remunerou os seus acionistas no mundo em 2022. A estatal brasileira ficou atrás apenas da mineradora australiana BHP no índice Global de Dividendos, produzido pela gestora global Janus Henderson.

Veja a distribuição de dividendos da Petrobras desde 2018 

Ação 2018 2019 2020 2021 2022 2023 Parcial de 2024*
PETROBRAS ON  (PETR3) R$ 0,25 por ação R$ 0,50 por ação R$ 0,23 por ação R$ 5,65 por ação R$ 16,74 por ação R$ 7,25 por ação R$ 2,90 por ação
PETROBRAS PN (PETR4) R$ 0,90 por ação R$ 0,94 por ação R$ 0,00 por ação R$ 5,65 por ação R$ 16,74 por ação R$ 7,25 por ação R$ 2,90 por ação
Fonte: Quantum Finance/*Dados até o segundo trimestre de 2023

Será o fim de uma era?

A demissão de Prates nesta terça-feira (14) consolida um temor que havia no mercado desde o fim de 2022 com o retorno de Lula (PT) ao Executivo. O sentimento era baseado na narrativa do petista durante a campanha eleitoral.

Crítico à antiga política de preços da Petrobras, que era estabelecida com base na cotação do petróleo no mercado internacional, e a favor da retomada dos investimentos, o governo de Lula poderia reduzir substancialmente o volume de dividendos distribuídos aos acionistas.

Publicidade

A ameaça ficou ainda mais evidente com as críticas de aliados do governo Lula à forma como a companhia remunerava os acionistas. A presidente do PT, Gleisi Hofmann, por exemplo, defendeu mudanças na distribuição de proventos em fevereiro do ano. Na época, as declarações fizeram o mercado até acreditar na possibilidade da empresa não anunciar nenhuma distribuição de proventos durante a divulgação dos resultados operacionais do primeiro trimestre de 2023 diante posição do novo governo.

O medo não se concretizou. Pelo contrário, a companhia anunciou um pagamento de “superdividendos” de R$ 35,7 bilhões durante a apresentação do seu balanço corporativo.

Outros episódios envolvendo a Petrobras ao longo da gestão de Prates também exigiram atenção dos investidores para o papel. Em 2023, a companhia pôs fim à política de preço de paridade de importação (PPI) e realizou mudanças em sua política de dividendos. Quando as mudanças foram anunciadas,  boa parte das corretoras tinham recomendação de venda ou, ao menos, neutra para os papéis da estatal. Mas, à medida que começaram a sair novas informações, houve uma leitura de razoabilidade para com a nova gestão.

“Apesar de todas as desconfianças iniciais, sua gestão à frente da empresa pode ser considerada muito razoável”, destaca a Genial Investimentos em comentário. Desde então, os papéis da Petrobras subiram muito ao longo de 2023, ajudando inclusive a impulsionar o Ibovespa a um novo recorde histórico. Mas os primeiros meses de 2024 inauguraram uma nova crise na companhia: em 7 de março, ao divulgar o resultado referente ao quarto trimestre de 2023, a petroleira decidiu fixar a distribuição de proventos ao mínimo de 45% do fluxo de caixa livre determinados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Com isso, retia R$ 43,9 bilhões em dividendos extraordinários.

Começava ali uma nova crise e Prates, que teve a saída especulada já em novembro do ano passado, passou por uma nova fritura em meio a embates com o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, nos bastidores. Como mostrou o Estadão, houve “revolta” no Palácio do Planalto depois que o CEO participou de uma reunião que decidiu pela retenção dos dividendos extraordinários da estatal, mas depois se absteve na deliberação do Conselho da empresa sobre o assunto.

No dia 25 de abril, a Assembleia Geral Ordinária (AGO) da Petrobras aprovou a proposta para o pagamento de 50% dos R$ 43,9 bilhões em dividendos retidos pela estatal em março. Prates deixa o cargo 19 dias depois. Agora, com a indicação de  Magda Chambriard, as incertezas são as mesmas que permearam o mandato de Prates: aumento da interferência política, a possibilidade de expansão de investimentos em projetos considerados pouco interessantes por analistas e suspensão do pagamento de dividendos.

“A substituição de Jean Paul Prates por Magda Chambriard, apesar de pacífica, aumenta a incerteza sobre o futuro da empresa. As políticas de Chambriard, sobretudo a de preços, são cruciais para a percepção de risco dos investidores e a mudança abrupta e motivada por pressões políticas pode impactar a confiança na governança”, diz Fabio Murad, sócio da Ipê Investimentos. Por enquanto, a troca de comando da estatal é vista com pessimismo pelos investidores.

Publicidade

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos