EURO R$ 5,23 -0,08% MGLU3 R$ 4,15 +2,97% DÓLAR R$ 5,15 +0,00% ABEV3 R$ 15,50 +0,45% BBDC4 R$ 19,71 +1,60% ITUB4 R$ 27,24 +1,04% IBOVESPA 113.512,38 pts +0,43% PETR4 R$ 32,01 +0,91% GGBR4 R$ 24,43 -2,08% VALE3 R$ 69,95 +2,34%
EURO R$ 5,23 -0,08% MGLU3 R$ 4,15 +2,97% DÓLAR R$ 5,15 +0,00% ABEV3 R$ 15,50 +0,45% BBDC4 R$ 19,71 +1,60% ITUB4 R$ 27,24 +1,04% IBOVESPA 113.512,38 pts +0,43% PETR4 R$ 32,01 +0,91% GGBR4 R$ 24,43 -2,08% VALE3 R$ 69,95 +2,34%
Delay: 15 min
Mercado

Ações da Petrobras (PETR4) sobem após divulgação de balanço positivo

Papéis estão em alta após divulgação de fortes resultados no 1º trimestre de 2021

Ações da Petrobras (PETR4) sobem após divulgação de balanço positivo
Tanques de combustíveis da Petrobras (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)
  • A Petrobras apresentou fortes resultados no 1º trimestre, com lucro líquido recorrente positivo, crescimento do EBITDA e diminuição da dívida
  • Na visão dos especialistas, papéis tendem a rumar de volta aos R$ 29, patamar de antes das interferências do governo na estatal
  • Entretanto, dúvidas sobre interferências futuras ainda não desapareceram

A Petrobras anunciou os resultados do 1º trimestre de 2021 na noite desta quinta-feira (13). Segundo a petroleira, o EBTIDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado recorrente foi de R$ 47,7 bilhões (US$ 8,7 bilhões), um dos maiores da história. O fluxo de caixa livre foi 16,6% maior que o registrado nos três primeiros meses de 2020, passando de R$ 26,6 bilhões para R$ 31 bilhões.

O lucro líquido da Petrobras também veio positivo em R$ 1,1 bilhão, revertendo o prejuízo de R$ 48,5 bilhões do mesmo período ano passado. Os números já impulsionam as ações PETR4, que sobem 4,36% às 12h30 desta sexta-feira (14).

Para Flavio Conde, chefe de análise da Inversa Publicações, a Petrobras obteve um desempenho bastante sólido. Na visão do especialista, os papéis agora tendem a se recuperar da crise instaurada na estatal, após troca de CEOs em função das insatisfações do presidente Jair Bolsonaro com a política de preços dos combustíveis.

Atualmente, quem está na presidência da Petrobras é o general Joaquim Silva e Luna. Seu antecessor, Roberto Castello Branco, foi demitido após altas na gasolina e diesel – medidas impopulares que afetavam grupos importantes para a base eleitoral de Bolsonaro, como os caminhoneiros. “Excelentes resultados. As ações devem subir hoje e rumar aos R$ 29 (PETR4), cotação que estava em 18 de fevereiro de 2021, antes da intervenção do Governo Federal, quando Catello Branco foi “ameaçado” de demissão”, afirma Conde.

Os dados sobre a dívida bruta da Petrobras também surpreenderam positivamente. Houve uma redução de 20,5% na comparação com o 1º trimestre do ano passado, de US$ 89,2 milhões para US$ 70,9 milhões. “Com a redução da dívida bruta, a dívida líquida foi na mesma direção”, ressalta Conde. “O indicador ‘Dívida Líquida/EBITDA ajustado’ [que analisa o nível de endividamento da empresa] atingiu 2,03x em 31 de março de 2021, a melhor marca desde 2012.”

Essa também é a visão de Danilo Luna, consultor de investimentos e diretor de planejamento financeiro da IVEST. “Foram resultados muito fortes, que poderiam ter até sido melhores se não fosse o efeito negativa da variação cambial sobre a dívida da empresa. Eles também tiveram um controle de despesas muito grande, o que dá sinal de uma gestão de custos importante.”

Inseguranças não desapareceram

Os papéis ordinários da Petrobras (PETR4) ainda caem 16% no acumulado de 2021, passando de R$ 29,14 no início do ano para R$ 24,50 no fechamento de ontem (13).

O principal ponto de atenção seria quanto a possíveis desrespeitos à política de preços, já que a ingerência poderia acarretar em prejuízos à saúde financeira da Petrobras. Hoje, os combustíveis são reajustados em função da variação do dólar e da cotação do petróleo no mercado internacional.

“Se a política de reajuste de preços de derivados for mantida, as ações voltarão a subir. Porém, se for mantida, então, porque o presidente da Petrobras foi trocado?”, questiona Conde.

Para Danilo Luna, ainda é cedo para falar em recuperação da estatal e retomada de preço dos papéis. “O último sinal que foi dado com a troca da gestão foi muito negativo e a Bolsa brasileira tem outras empresas de petróleo com gestões privadas”, afirma o especialista. “Fora que a Petrobras tem algo a trabalhar que é se tornar uma empresa de energia, e não só de petróleo. Cada vez mais vemos esse tema de sustentabilidade, não sabemos até quando o petróleo continuará sendo adotado como fonte importante de energia.”

Silva e Luna, CEO da petroleiro, afirmou no relatório dos resultados que a empresa continuará a trajetória de geração de valor. “Gestão pautada na transparência, no diálogo e na racionalidade e com investimentos concentrados nos ativos em que somos reconhecidos como líderes mundiais”, disse o CEO.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos