EURO R$ 5,22 +0,00% MGLU3 R$ 3,74 +0,54% DÓLAR R$ 4,93 -1,13% BBDC4 R$ 19,42 -0,72% ABEV3 R$ 14,11 -0,77% ITUB4 R$ 24,74 -0,64% PETR4 R$ 34,25 +1,93% GGBR4 R$ 27,10 +2,81% IBOVESPA 107.005,22 pts +0,71% VALE3 R$ 79,90 +2,73%
EURO R$ 5,22 +0,00% MGLU3 R$ 3,74 +0,54% DÓLAR R$ 4,93 -1,13% BBDC4 R$ 19,42 -0,72% ABEV3 R$ 14,11 -0,77% ITUB4 R$ 24,74 -0,64% PETR4 R$ 34,25 +1,93% GGBR4 R$ 27,10 +2,81% IBOVESPA 107.005,22 pts +0,71% VALE3 R$ 79,90 +2,73%
Delay: 15 min
Mercado

Governo causa “incontinência fiscal” no Brasil, diz The Economist

Publicação citou algumas promessas de campanha para a econômica que não foram cumpridas

Governo causa “incontinência fiscal” no Brasil, diz The Economist
The Economist critica gestão de Bolsonaro. Foto: Igo Estrela/Estadão
  • De acordo com o The Economist, a gestão de Jair Bolsonaro tem casaudo males econômicos aos brasileiros, como aumento da inflação e baixo crescimento
  • No texto, publicação resgata a promessa do ministro da Economia, Paulo Guedes, de realizar reformas radicais para desinchar o Estado brasileiro
  • No entanto, com pouco mais de um ano para o fim do mandato, Guedes atua na "corrida" para aumentar popularidade de Bolsonaro com foco nas eleições

A gestão do governo do presidente Jair Bolsonaro é destaque na The Economist. De acordo com artigo publicado na revista inglesa na quinta-feira (11), a gestão do chefe do Planalto tem causado o retorno à “incontinência fiscal” e outros males econômicos, como o aumento da inflação e das taxas de juros, além do baixo crescimento. Um dos motivos apontados pela reportagem são as recentes tentativas do Poder Executivo de descumprir o limite orçamentário brasileiro.

A realidade dos últimos meses da gestão de Bolsonaro é contrário às promessas durante o período eleitoral. O texto até cita uma declaração do ministro da economia, Paulo Guedes, de setembro de 2019 para o Congresso. Na ocasião, Guedes havia garantido que poderia “fazer história”, mantendo o orçamento sob controle.

“Agora, Guedes está apoiando uma tentativa dissimulada do governo de contornar o limite constitucional para os gastos públicos estabelecido em 2016, o que foi um passo crucial para endireitar as finanças do País”, destaca  a publicação.

Segundo a The Economist, durante as eleições, Paulo Guedes havia convencido os empresários a apoiarem e votarem em Jair Bolsonaro, candidato de extrema direita. Na época, as promessas governamentais para a área econômica eram voltadas para a execução de uma reforma radical para “desinchar” o estado brasileiro e torná-lo mais eficiente.

“Mas essa promessa resultou apenas em algumas economias úteis em pensões, independência legal para o banco central e pequenas simplificações regulatórias. Agora a campanha de reforma acabou, substituída pela corrida de Bolsonaro por dinheiro para comprar apoio político e popularidade”, ressalta.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos