DÓLAR R$ 4,85 +0,73% MGLU3 R$ 3,73 +0,54% EURO R$ 5,17 +0,01% BBDC4 R$ 20,16 -1,22% ABEV3 R$ 13,98 -1,06% ITUB4 R$ 25,72 -1,72% PETR4 R$ 32,06 +1,46% IBOVESPA 110.273,85 pts -0,28% GGBR4 R$ 28,80 -1,03% VALE3 R$ 84,25 +0,25%
DÓLAR R$ 4,85 +0,73% MGLU3 R$ 3,73 +0,54% EURO R$ 5,17 +0,01% BBDC4 R$ 20,16 -1,22% ABEV3 R$ 13,98 -1,06% ITUB4 R$ 25,72 -1,72% PETR4 R$ 32,06 +1,46% IBOVESPA 110.273,85 pts -0,28% GGBR4 R$ 28,80 -1,03% VALE3 R$ 84,25 +0,25%
Delay: 15 min
Mercado

Guedes e Bolsonaro perderam credibilidade, diz Gustavo Franco

Para o ex-presidente do BC, compromisso do governo com a responsabilidade dificilmente poderá ter reversão

Guedes e Bolsonaro perderam credibilidade, diz Gustavo Franco
Gustavo Franco. Foto: Fabio Motta/Estadão
  • Franco também escreveu que a mudança no teto para financiar o programa Auxílio Brasil tem intenções "claramente eleitoreiras"
  • Para o ex-presidente do BC, a modificação do teto proposta pela PEC dos Precatórios é uma solução "estética e conceitualmente horrorosa"

(Italo Bertão Filho, especial para o E-Investidor) – O ex-presidente do Banco Central e sócio fundador da Rio Bravo Investimentos Gustavo Franco, afirmou, em artigo publicado no relatório mensal da sua empresa, que o governo de Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, perderam credibilidade junto ao mercado pelas alterações no teto de gastos propostas pela PEC dos Precatórios.

“Ficou mais visível e flagrante a precariedade das instituições orçamentárias e sobretudo a perda de credibilidade do ministro (e do governo), que reconheceu que “ficou devendo”, ao aceitar o desenho
final da PEC23. O descompromisso do governo com a responsabilidade fiscal dificilmente poderá ser revertido”, afirma Franco no documento.

Para o ex-presidente do BC, a modificação do teto proposta pela PEC é uma solução “estética e conceitualmente horrorosa” para o que considera um engessamento no Orçamento promovido pelo teto de gastos. “A opção foi por uma pedalada com vistas a estender o prazo de validade [do teto] para mais um exercício”, escreveu Franco.

Franco avalia, no entanto, que a percepção negativa do mercado sobre a política fiscal do governo pode ser passageira. “A mensagem sobre a política fiscal é ruim, como o próprio ministro reconheceu, mas não definitiva. A cada ano teremos uma discussão orçamentária difícil no Parlamento, feito qualquer país normal”.

O ex-presidente do BC ainda avaliou que a tentativa de alterar o teto como forma de também financiar o programa Auxílio Brasil, que substituiu o Bolsa Família, tem intenções “claramente eleitoreiras”, mas que a ampliação de programas sociais é positiva e surge em momento adequado para a economia nacional.

A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira (4) o texto-base da PEC 23/2021, que ficou conhecida como PEC dos Precatórios, que modifica o pagamento dos precatórios devidos pela União com uma mudança de metodologia do teto de gastos. O segundo turno da votação ocorre na semana que vem.

Se o governo concretizar seus planos, o Ministério da Cidadania teria disponíveis cerca de R$ 50 bilhões, segundo a Secretaria Especial do Tesouro e Orçamento, para financiar o programa Auxílio Brasil, que pretende pagar um valor mínimo de R$ 400 o fim de 2022.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos