DÓLAR R$ 5,21 +2,61% MGLU3 R$ 20,56 -5,34% BBDC4 R$ 24,26 -1,66% ITUB4 R$ 30,29 -1,11% EURO R$ 6,19 +2,44% PETR4 R$ 26,85 -3,45% IBOVESPA 121.800,79 pts -3,08% GGBR4 R$ 30,80 -1,91% ABEV3 R$ 16,63 -2,92% VALE3 R$ 109,10 -5,60%
DÓLAR R$ 5,21 +2,61% MGLU3 R$ 20,56 -5,34% BBDC4 R$ 24,26 -1,66% ITUB4 R$ 30,29 -1,11% EURO R$ 6,19 +2,44% PETR4 R$ 26,85 -3,45% IBOVESPA 121.800,79 pts -3,08% GGBR4 R$ 30,80 -1,91% ABEV3 R$ 16,63 -2,92% VALE3 R$ 109,10 -5,60%
Delay: 15 min
Mercado

Vale a pena investir nas ações da Fleury?

Com capital aberto na bolsa de valores desde 2009, a empresa é uma das marcas que compõem o Índice Bovespa (Ibovespa)

Tela exibe informações
Conheça o histórico e o comportamento da Fleury (FLRY3) na bolsa de valores. (Foto: Shutterstock)
  • O Grupo Fleury opera na B3 sob o código FLRY3, sendo que todas as ações emitidas pela empresa são ordinárias, conhecidas por (sob condições) dar direito a voto nas assembleias e também pelo dispositivo chamado tag along
  • Apesar do Grupo Fleury ter sofrido uma queda de desempenho no segundo trimestre de 2020, causada pela política mais rígida de isolamento social, o movimento já foi retomado no terceiro trimestre do mesmo ano, sendo que a empresa chegou a dezembro com conquistas significativas

(Mônica Wanderley da Silva, Especial para o E-Investidor) – Estudar as companhias de capital aberto em busca de boas oportunidades de compra ou venda de ações faz parte da rotina de quem realiza investimentos em renda variável.

Dados como o histórico da empresa, presença em indicadores (como o Ibovespa) e desempenho financeiro ajudam a formar um panorama mais consistente do caminho que o negócio deve seguir e, em paralelo, ajuda o investidor em potencial a tomar uma decisão de compra com maior segurança.

Para quem busca informações sobre o Grupo Fleury (identificado na B3 como FLRY3),  apresentaremos alguns dados sobre a história da companhia, representatividade na Bolsa de Valores do Brasil, resultados financeiros e planos para o curto prazo.

História do Grupo Fleury

A companhia foi fundada em 1926, na cidade de São Paulo, por Gastão Fleury Silveiro. Com formação médica, Silveiro detectou a oportunidade de criar um laboratório de análises clínicas como uma fonte exponencial de renda.

Gradualmente, a companhia ampliou suas operações. Em 1951, a marca se tornou o primeiro laboratório a ter um especialista para cada uma das patologias atendidas; e, a partir da década de 1970, a companhia implementou o conceito de rede de unidades, abrindo novas clínicas com o mesmo nome.

Logo do GrupoFleury exibido em alto-relevo em parede
Fundado em 1926, o Grupo Fleury é especializado em medicina diagnóstica. (Foto: Grupo Fleury/YouTube)

Em 1983, o Grupo Fleury se tornou pioneiro na oferta de soluções de medicina integrada; em 1999, a companhia obteve o ISO 9001 de qualidade na área Medicina Diagnóstica. A partir de 2001, a empresa iniciou seu processo de crescimento inorgânico — nome que se dá à expansão da empresa por meio de aquisições.

Em 2009, a empresa abriu capital na então BM&FBOVESPA (atual B3) e, em 2011, realizou algumas de suas aquisições mais conhecidas, como a da rede laboratorial Labs D’Or, no Rio de Janeiro. Naquele mesmo ano, a empresa lançou a marca a+ Medicina Diagnóstica, voltada para o público intermediário.

Grupo Fleury na bolsa de valores

O Grupo Fleury opera na B3 sob o código FLRY3, sendo que todas as ações emitidas pela empresa são ordinárias, conhecidas por (sob condições) dar direito a voto nas assembleias e também pelo dispositivo chamado tag along. Até 31 de dezembro de 2020, a marca havia emitido um total de 317.366.103 ações e contava com R$ 8,5 bilhões em valor de mercado.


Em 2018, a companhia passou a integrar o Índice Bovespa (Ibovespa), indicador que reúne o desempenho médio das ações com maior volume de negociação na B3. Isso é feito para construir um retrato do comportamento e perfil de negociações do mercado.

O Ibovespa é revisado a cada quatro meses para garantir que o indicador reflita a realidade do mercado. Até o fechamento deste artigo (junho de 2021), os papéis do Grupo Fleury representavam 0,353% da composição total do índice.

A Bradseg, subsidiária do Bradesco Seguros, conta com a maior participação acionária na empresa (22,1%), seguida pela família dos médicos fundadores (20,2%) e demais acionistas (57,7%).

Resultados financeiros e impacto da pandemia

Apesar do Grupo Fleury ter sofrido uma queda de desempenho no segundo trimestre de 2020, causada pela política mais rígida de isolamento social, o movimento já foi retomado no terceiro trimestre do mesmo ano, sendo que a empresa chegou a dezembro com conquistas significativas:

  • R$ 1 bilhão em receita bruta no 4º trimestre (aumento de 28.5% em comparação a 2019);
  • 200 mil consultas de telemedicina, modalidade que representou 7,4% do total da receita bruta (o dobro do apresentado no ano anterior).

O Grupo Fleury fechou 2020 com R$ 3,2 bilhões de receita bruta, Ebtida de R$ 837,5 mi e lucro líquido de R$ 257 milhões.

Pessoa em laboratório trabalha com amostras
Apesar de uma queda de faturamento no 2º trimestre de 2020, o Grupo Fleury fechou o ano com recordes batidos. (Foto: Oleh Slepchenko / Shutterstock)

No cenário atual, o faturamento da empresa é gerado pelas seguintes frentes:

  • 82% vindos das unidades de atendimento;
  • 16% vindos de operações em hospitais;
  • 2% gerados por uso de laboratório de referência.

Desse total, 42% da receita são gerados por empresas da marca Fleury; 18% são provenientes da divisão B2B, que são empresas que contratam esses serviços para oferecê-los aos funcionários; 16% da receita são gerados pelas marcas existentes no Rio de Janeiro; 13%, pela marca a+ São Paulo; e 11%, por marcas regionais, adquiridas pelo Grupo nos últimos anos.

A empresa conta com 25% de market share dentre os laboratórios listados em receita. Para 2021, a companhia informou que tem como meta ampliar o número dos serviços de assinaturas da Saúde iD — plataforma de pagamento mensal que oferta serviços variados, como consultas online, exames e descontos de medicamentos.

A empresa também lançou outras iniciativas para cobrir outras áreas de interesse, como a Pupila, plataforma de educação médica, e o Centro de Medicina Reprodutiva, para atender de forma personalizada a demanda crescente por tratamentos dessa área.

Desse modo, o aumento da digitalização de processos internos, a avaliação de novas aquisições e investimentos em ofertas do segmento genômico (análise de genes para testes de ancestralidade) também estão entre as áreas vistas como prioritárias.

Então, vale a pena investir nas ações do Grupo Fleury?

Como em geral acontece quando se fala em ações, a resposta a essa pergunta é: vai depender do seu objetivo como pessoa investidora. Por seus anos de existência, números e presença no Ibovespa, os papéis da empresa aparecem como uma boa opção para quem deseja investir no setor de saúde e está em busca de marcas consolidadas.

Porém, a escolha dessas ações podem não ser tão válidas para quem busca capitalizar no curto prazo: importante lembrar que, apesar dos números positivos, os papéis do grupo ainda estão se recuperando dos efeitos da queda geral ocorrida durante a chegada do novo coronavírus ao Brasil — em janeiro de 2020, as ações FLRY3 chegaram a R$ 32,36, foram para R$ 19,26 em março e agora estão em cerca de R$ 26.

Por isso, sempre é importante entender o seu perfil de investidor, o resultado que se espera dos investimentos em renda variável e estudar quais são os negócios que apresentam uma probabilidade maior de gerar o efeito esperado.

Fontes: Fleury – Relações com Investidores.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos