Mercado

Resultados da Vale (VALE3) no 1T23 decepcionam. O que dizem os analistas?

Queda no EBITDA ajustado fez mercado considerar os resultados da Vale fracos, mas bancos mantêm call de compra

Resultados da Vale (VALE3) no 1T23 decepcionam. O que dizem os analistas?
A Vale (VALE3) é uma das principais companhias listadas no Ibovespa. (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)
  • A Vale (VALE3) reportou na noite de quarta-feira (26) seu resultado referente ao primeiro trimestre de 2023
  • Os números vieram abaixo da estimativa do mercado, com queda do lucro e do EBITDA ajustado em relação à comparação anual
  • Ainda assim, bancos mantêm a recomendação de compra para VALE3

Depois de resultados recordes em 2021 e 2022, a mineradora Vale (VALE3) iniciou o ano de 2023 com resultados mais fracos. A companhia divulgou ao mercado seu balanço financeiro referente aos meses de janeiro, fevereiro e março na noite de quarta-feira (26), reportando um lucro líquido de US$ 1,837 bilhão. Em comparação aos números do primeiro trimestre do ano anterior, trata-se de uma queda de 58,8%.

O EBITDA ajustado ficou em US$ 3,7 bilhões no 1T23 – uma queda de 42% em relação ao 1T22. Segundo a Vale, o resultado reflete, principalmente, os menores preços realizados de finos de minério de ferro e pelotas, vendas menores deste primeiro grupo, e custos maiores.

Veja detalhes dos números apresentados.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

O resultado do 1T23 da mineradora veio abaixo das expectativas do mercado e foi considerado decepcionante por muitos bancos e corretoras. “Nós já sabíamos que o primeiro trimestre seria ruim há alguns dias atrás, depois do relatório de produção, mas diríamos que esses números estão um pouco mais abaixo”, apontam Leonardo Correa e Caio Greiner, analistas do BTG Pactual.

No último dia 18, a Vale já havia publicado seu relatório de produção de minério de ferro do trimestre. Entre janeiro e março deste ano, foram produzidos 66,74 Mt da commodity, um avanço de 5,8% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, mas uma queda de 17,4% em relação ao quarto trimestre de 2022.

Em relatório, Correa e Greiner destacam que existem alguns fatores exógenos impactando o trimestre da mineradora, mas, ainda assim, foram surpreendidos pela deterioração do desempenho de custo da Vale. A métrica, utilizada para medir a eficiência de uma companhia, também foi apontada como o grande destaque negativo do balanço da Vale pelo Itaú BBA.

“(Houve) Deterioração sequencial de resultados na divisão de ferrosos, enquanto os melhores preços de minério de ferro praticados foram compensados ​​por volumes menores e um custo de entrega na China mais alto”, diz o relatório do banco escrito pelos analistas Daniel Sasson, Edgard de Souza, Marcelo Palhares e Barbara Soares. “É o ponto baixo do 1T23.”

No lado positivo, o Santander destacou o desempenho da mineradora em relação ao fluxo de caixa livre (FCF, do inglês Free Cash Flow), que ficou em US$ 2,3 bilhões.

Publicidade

O valor representa uma conversão de EBITDA em caixa de 62% versus 19% no 1T22, explicada principalmente pela arrecadação de caixa referente às vendas do 4T22 e impostos pagos sazonalmente maiores no 1T22. “Sólido”, diz o relatório do Santander sobre o resultado pontual.

O investidor deve se preocupar?

A VALE3 é uma das ações mais recomendadas por corretoras e bancos nas carteiras recomendadas. Além de ter um grande peso no Ibovespa, o papel da mineradora distribui bons dividendos, o que costuma atrair muitos investidores.

Para esses acionistas, o trimestre fraco não deve ser motivo de grande preocupação, ao menos por enquanto. Nenhum dos bancos consultados revisou sua recomendação para a ação da Vale após a divulgação do balanço – BTG, Santander e Itaú mantêm o call de compra para VALE3.

No BTG Pactual, o preço-alvo para a ação é de US$ 23 (o equivalente a R$ 115 na cotação atual). Em relatório, no entanto, os analistas Leonardo Correa e Caio Greiner destacam que trata-se mais de uma recomendação ligada ao cenário macro do que à tese da Vale neste momento.

No Santander, o preço-alvo é de US$ 19 (perto de R$ 95, na cotação atual). Os analistas Rafael Barcellos e Arthur Biscuola destacam em relatório que esperam uma reação negativa na VALE3 e que, mesmo que mantenham a recomendação de compra, ainda preferem a tese de cobre à do minério de ferro.

Já o Itaú BBA tem US$ 18 como preço-alvo de VALE3 (cerca de R$ 90, na atual cotação).

Publicidade

As ações da Vale encerraram esta quinta-feira (27) com alta de 2,16% na Bolsa, cotadas a R$71,79.

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos