MGLU3 R$ 3,73 +0,54% EURO R$ 5,21 -0,19% DÓLAR R$ 4,93 +0,00% BBDC4 R$ 19,41 -0,72% ABEV3 R$ 14,14 -0,77% ITUB4 R$ 24,82 -0,64% PETR4 R$ 34,17 +1,93% IBOVESPA 107.005,22 pts +0,71% GGBR4 R$ 27,05 +2,81% VALE3 R$ 79,85 +2,73%
MGLU3 R$ 3,73 +0,54% EURO R$ 5,21 -0,19% DÓLAR R$ 4,93 +0,00% BBDC4 R$ 19,41 -0,72% ABEV3 R$ 14,14 -0,77% ITUB4 R$ 24,82 -0,64% PETR4 R$ 34,17 +1,93% IBOVESPA 107.005,22 pts +0,71% GGBR4 R$ 27,05 +2,81% VALE3 R$ 79,85 +2,73%
Delay: 15 min
Últimas notícias

Morgan Stanley: Minério pode ter subido em demasia e recuar adiante

A commodity voltou a ser negociado acima de sua média nos últimos dez anos, de quase US$ 100 a tonelada

Morgan Stanley: Minério pode ter subido em demasia e recuar adiante
Um pedaço de minério de ferro nas mãos de um mineiro. Foto: David Gray/ Reuters

O avanço do minério de ferro, chegando a ser negociado a US$ 125 a tonelada, tem surpreendido o Morgan Stanley. Apesar de ventos contrários com a queda na produção de aço da China, o minério de ferro – que chegou a recuar até US$ 94 a tonelada em setembro – agora volta a ser negociado acima de sua média nos últimos dez anos, de quase US$ 100 a tonelada, destaca o banco americano.

“A história sugere que, no nível atual de produção de aço da China, um preço de menos de US$ 100 a tonelada seria a regra, mas parece que as margens fortes das siderúrgicas da China estão mantendo o preço elevado por ora”, avalia o Morgan Stanley. O banco continua a prever viés de baixa para o minério de ferro – sua commodity menos favorita em um horizonte de seis meses -, dizendo que ele deve acabar por ser levado para baixo pelos fundamentos modestos de oferta e demanda, que incluem um aumento de 4% nos estoques de minério de ferro em portos chineses nas duas últimas semanas.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos