ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
Delay: 15 min
Últimas notícias

Petróleo fecha em baixa, após altas recentes, com dólar forte

Retomada de parte da produção aumentou as perspectivas para a oferta

Máquina realiza extração em poço de petróleo
(Foto: Evanto Elements)

(Estadão Conteúdo) – Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa hoje (17), em sessão na qual a commodity devolveu parte dos ganhos recentes e foi pressionada pelo dólar fortalecido. Além disso, a retomada de parte da produção que foi afetada por eventos climáticos extremos no Golfo do México nas últimas semanas aumenta as perspectivas para a oferta. Ainda assim, a comparação semanal representou ganhos acima de 3% para o barril em Londres e Nova York.

O petróleo WTI para novembro fechou em baixa de 0,76% (US$ 0,55), a US$ 71,82 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro recuou 0,44% (US$ 0,33), a US$ 75,34 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE). Na comparação semanal, o WTI para outubro subiu 3,23%, o para novembro, agora mais líquido, avançou 3,42% e o Brent, 3,32%.

A razão pela qual os preços do petróleo atingiram tais altas nos últimos dias foram claramente as interrupções no fornecimento e reduções nos estoques, então, agora que a produção dos Estados Unidos “está voltando, o petróleo, conforme o esperado, está mais baixo”, aponta a Rystad Energy. Além disso, o movimento ocorre em um momento de valorização do dólar, o que torna o petróleo, cotado na moeda americana, mais caro para os mercados internacionais, conclui a consultoria.

Por sua vez, na avaliação do TD Securities os preços do Brent estão ameaçando escapar de uma tendência de baixa de uma década, à medida que os mercados de energia enviam mais sinais de aperto no horizonte. As cotações continuam a subir, “refletindo uma mobilidade global mais forte, enquanto as preocupações com a oferta começam a se formar”, aponta.

Entre os riscos ao fornecimento que o banco coloca, estão as possíveis interrupções na Líbia, especialmente antes do que deve ser uma temporada eleitoral controversa, e a questão com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). Afinal, embora a Opep+ “planeje aumentar significativamente a produção, os riscos estão ganhando destaque, pois o grupo de não conseguiu manter os aumentos planejados”, conclui.

Na agenda de indicadores, o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA subiu 10 na semana, a 411, informou hoje a Baker Hughes, companhia que presta serviços no setor.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos