Últimas notícias

Bolsas europeias operam sob tensão de ata com pistas sobre corte de juros

Investidores vão acompanhar ainda hoje ata da reunião de março do Banco Central Europeu

Bolsas europeias operam sob tensão de ata com pistas sobre corte de juros
(Foto: Envato Elements)

As bolsas europeias operam sem direção única e perto da estabilidade na manhã desta quinta-feira (4), após a divulgação de dados de atividade econômica e inflação da zona do euro e à espera de ata de política monetária do Banco Central Europeu (BCE). Às 7h26 (horário de Brasília), o índice pan-europeu Stoxx 600 tinha alta marginal de 0,10%, a 510,48 pontos.

Às 7h27 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,44%, a de Paris avançava 0,06% e a de Frankfurt ganhava 0,08%. Já as de Milão e Lisboa caíam 0,05% e 0,17%, respectivamente, enquanto a de Madri exibia alta de 0,73%.

Pesquisa final da S&P Global mostrou, mais cedo, que o Índice de Gerentes de Compras (PMI) composto da zona do euro subiu para 50,3 em março, mais do que inicialmente estimado, ultrapassando a barreira de 50 – que indica expansão – pela primeira vez desde maio de 2023, com a ajuda do setor de serviços.

Na Alemanha, os PMIs compostos e de serviços do mês passado foram revisados para cima. Já os do Reino Unido sofreram revisão para baixo.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Ainda na zona do euro, o índice de preços ao produtor (PPI) caiu 1% em fevereiro ante janeiro e teve queda anual de 8,3%, em um momento em que o BCE monitora de perto a evolução dos preços do bloco para definir o melhor momento de começar a reduzir juros.

O que esperar ainda nesta quinta-feira

Com este tema em mente, investidores vão acompanhar ainda nesta quinta-feira a ata da reunião de política monetária de março do BCE. Na ocasião, a autoridade monetária do bloco deixou os juros básicos inalterados pela quarta vez seguida e sua presidente, Christine Lagarde, sinalizou que junho poderá ser o momento de iniciar o relaxamento monetário.

Nas últimas semanas, Lagarde e outros dirigentes do BCE vêm persistindo que precisam ter mais confiança de que a inflação ao consumidor (CPI) da zona do euro está se movendo de forma sustentável para a meta oficial de 2% antes de considerar a hipótese de redução de juros.

Nos EUA, a agenda traz a participação de várias autoridades do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em eventos ao longo do dia, em meio a incertezas de quando o Fed também poderá começar a cortar juros.