ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
Delay: 15 min
Últimas notícias

Estoque de crédito no Brasil sobe 1,2% em julho, aponta BC

Estoque chega a 4,266 trilhões de reais, impulsionado especialmente pelo apetite das famílias

Sede do Banco Central, em Brasília
Sede do Banco Central, em Brasília (DF). Foto: Dida Sampaio/Estadão

(Reuters) – O estoque total de crédito no Brasil cresceu 1,2% em julho sobre junho, a 4,266 trilhões de reais, impulsionado especialmente pelo apetite das famílias, mostraram dados do Banco Central divulgados nesta sexta-feira (27).

Enquanto entre as pessoas físicas o avanço foi de 1,5%, entre as empresas o aumento foi de 0,8%. Em 12 meses, a expansão da carteira de crédito acelerou para as famílias a 18,2%, de 17,5% em junho, perdendo o ritmo entre as pessoas jurídicas a 13,6%, de 14,8% no mês anterior.

No total, o estoque de crédito passou a responder por 52,6% do Produto Interno Bruto (PIB), mesmo percentual de junho.

Olhando apenas para o segmento de recursos livres, em que as taxas são livremente definidas pelas instituições financeiras, houve elevação de 0,5 ponto nos juros médios anuais, a 28,9% em julho.

O movimento foi puxado pelo encarecimento em 0,9 ponto dos financiamentos para pessoas jurídicas, na comparação mensal, a 15,4% ao ano.

Segundo o BC, o efeito foi disseminado nas principais modalidades de crédito às empresas, com destaque para desconto de duplicatas e outros recebíveis, capital de giro e financiamento às exportações.

Entre as famílias, os juros médios tiveram queda de 0,1 ponto em julho, a 39,8% ao ano, com elevação do custo em cartões e aquisições de veículos de um lado, e barateamento nas condições do crédito pessoal não consignado de outro.

Considerando todo o segmento de recursos livres, a inadimplência subiu a 3,0% em julho, ante 2,9% em junho. Já o spread bancário no mesmo segmento foi a 21,7 pontos percentuais, acima do patamar anterior de 21,5 pontos.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos