Tempo Real

Ibovespa: índice fecha acima de 127 mil pontos com CVC e Pão de Açúcar em destaque

Falas de Jerome Powell, na véspera, foram bem recepcionadas pelo mercado brasileiro

Ibovespa: índice fecha acima de 127 mil pontos com CVC e Pão de Açúcar em destaque
Ibovespa. (Foto: Daniel Teixeira/Estadão)

Ibovespa fechou em alta nesta quinta-feira (2), no primeiro pregão do mês de maio. A volta do feriado refletiu uma melhora no apetite ao risco dos investidores diante da combinação de um discurso mais leve do Federal Reserve (Fed) e da melhora da perspectiva da nota de crédito do Brasil pela Moody’s. A principal referência da B3 terminou o dia em valorização de 0,95%, aos 127.122,25 pontos, variando entre máxima a 127.670,16 pontos e mínima a 125.925,55 pontos.

Na quarta-feira (1°), quando a Bolsa brasileira esteve fechada pelo Dia do Trabalho, o Fed optou por manter a taxa de juros americana na faixa entre 5,25% a 5,50% ao ano, conforme esperado pelo mercado. O presidente da autoridade monetária, Jerome Powell, também discursou no dia e indicou considerar “improvável” que a próxima mudança nos juros nos Estados Unidos seja marcada por uma elevação nas taxas.

Além disso, na data, a agência de classificação de risco Moody’s elevou de “estável” para “positiva” a perspectiva para a nota de crédito do Brasil, citando expectativas favoráveis para o crescimento do País e reformas estruturais como a autonomia do Banco Central e a melhora da governança de empresas estatais.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Com as notícias positivas, a Bolsa brasileira se manteve no campo azul durante todo o pregão desta quinta. “A melhora no cenário se refletiu na queda dos juros futuros e na queda do dólar. O movimento acompanhou ainda as revisões para cima nas perspectivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, que ajudaram na valorização de ações de varejo”, explica Alexsandro Nishimura, economista e sócio da Nomos.

Vale destacar que, nesta quinta, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) melhorou a sua projeção para o crescimento da economia brasileira neste ano. Conforme relatório do organismo internacional,  PIB do País deve ter alta de 1,9% em 2024, acima da estimativa anterior de aumento de 1,8%.

No pregão, a CVC (CVCB3) e outras ações cíclicas – mais sensíveis aos ciclos econômicos –, como Pão de Açúcar (PCAR3) e Magazine Luiza (MGLU3) dominaram o campo azul do Ibovespa. Por outro lado, os papéis do Bradesco (BBDC4) figuraram entre as principais baixas do índice, após o CFO (diretor financeiro) do banco, Cassiano Scarpelli, afirmar que a margem da instituição neste ano deve ficar próxima ao piso das projeções dadas ao mercado, de 3% a 7%. Quem também sofreu no dia foram as ações da Weg (WEGE3), enquanto os investidores digeriam os resultados do primeiro trimestre de 2024 da empresa.

Como é calculado o Índice Ibovespa?

O sistema de pontos Ibovespa busca representar o comportamento dos preços do conjunto de ações nos pregões administrados pela B3. Cada ponto equivale a 1 real. Assim, uma carteira com uma composição idêntica ao do índice custa aproximadamente R$ 120 mil, que é a quantidade de pontos do Ibovespa.

Apesar de a pontuação ser importante para compreender a valorização da Bolsa, a variação de pontos durante um período é uma referência mais relevante para entender e comparar o desempenho das ações e de fundos de renda variável. Dessa maneira, qualquer investimento do tipo deve ter uma rentabilidade maior do que essa taxa para ser considerado bom.

A flutuação do índice reflete a expectativa dos investidores em relação aos ativos e aos cenários interno e externo. Quando a pontuação do Ibovespa sobe, isso significa que, na média, as ações que a compõem se valorizaram. O movimento de queda indica que boa parte dos papéis fechou o dia no vermelho.

Publicidade