Tempo Real

Moedas globais: dólar avança após declarações do presidente do Fed

No discurso de hoje, Jerome Powell não deu muitas pistas sobre cortes de juros pelo Banco Central dos EUA

Moedas globais: dólar avança após declarações do presidente do Fed
Notas de dólar (Foto: Envato Elements)

O dólar avançou contra moedas desenvolvidas nesta terça-feira (9), após o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, não dar muitas pistas sobre cortes de juros durante testemunho no Senado dos Estados Unidos.

No fim da tarde em Nova York, o dólar subia a 161,28 ienes, o euro caía a US$ 1,0816 e a libra tinha queda a US$ 1,2790. O índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de moedas fortes, registrou alta de 0,12%, a 105,129 pontos.

Hoje, Powell endossou seu discurso recente, de que há progresso na inflação, mas ainda é preciso um pouco mais para cortar juros. Ele descartou uma elevação de juros como o próximo movimento do Fed e disse que a inflação não precisa estar em 2% ao ano para começar os cortes, mas sinalizou cautela. Na visão do ING, é preciso mais uma rodada de “boas leituras” inflacionárias para que o Fed se movimente. O banco holandês espera que, durante o simpósio de Jackson Hole, que acontece em agosto, Powell dê sinais mais fortes de que os cortes de juros começarão em setembro deste ano.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Segundo o Bank of America (BofA), a liquidação do dólar vista na semana passada tende a continuar nos próximos dias, apesar da pausa momentânea no início desta semana. A impressão do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) americano de junho, que sai nesta quinta-feira, deve atuar como o catalisador do enfraquecimento da moeda americana, diz o estrategista de câmbio do BofA Vadim Iaralov. Ele pontua também que, apesar da força recente da libra após as eleições em 4 de julho, a moeda do Reino Unido tem espaço para avançar ainda mais nos próximos dias, a menos que o CPI dos EUA surpreenda para cima.

“Dado que o primeiro-ministro trabalhista, Kier Starmer, e a ministra das Finanças, Rachel Reeves, são considerados favoráveis ao mercado, e o resultado das eleições era amplamente esperado, a libra continua apoiada”, afirma o City Index, ao esperar um movimento lateralizado da libra contra o dólar nos próximos dias.

Enquanto as eleições do Reino Unido trouxeram uma vitória do partido trabalhista, já na França, o partido de extrema-direita de Marine Le Pen não conseguiu vencer o segundo turno. Com isso, a Capital Economics pontua que o pior cenário para o mercado financeiro local foi evitado, mas o caminho para a redução do déficit fiscal francês “será mais difícil do que antes da eleição”, com perspectivas políticas mais instáveis. Mesmo assim, as questões políticas francesas não devem impactar o valor do euro contra a moeda britânica tanto quanto se imagina, diz a consultoria.

“A recuperação do euro nas últimas semanas sugere-nos que o risco político não desempenhará o papel principal nas suas perspectivas”, diz a Capital, ao destacar que o diferencial de juros entre as duas economias deve favorecer a zona do euro.