Criptomoedas

Bitcoin alcança a temida “Cruz da Morte” e põe investidor em alerta. Entenda

Analistas explicam por que temem a marca e dizem o que o investidor deve fazer; cripto não alcança os US$ 30 mil

Bitcoin alcança a temida “Cruz da Morte” e põe investidor em alerta. Entenda
O bitcoin é a criptomoeda com o maior valor de mercado (Foto: Envato Elements)
  • Segundo analistas, o evento "Cruz da Morte" acontece quando a média móvel dos 50 dias fica abaixo da média móvel dos 200 dias
  • Quando esse "encontro" acontece, a probabilidade de uma tendência de quedas mais acentuadas aumenta

O bitcoin (BTC) não consegue alcançar os US$ 30 mil desde o dia 23 de julho e a dúvida sobre uma recuperação nas próximas semanas ainda atormenta os investidores. Na manhã desta sexta-feira (8), a maior criptomoeda em valor de mercado estava sendo negociada a US$ 25,9 mil ao registrar uma valorização de 1% nas últimas 24h. O fôlego não foi o suficiente para gerar ânimo, porque o preço do BTC atingiu um indicador técnico conhecido como “Cruz da Morte”. 

Segundo Günay Caymaz, analista do Investing.com, os traders de cripto costumam observar duas médias móveis para a tomada de decisão de investimento: a média móvel (MM) dos 50 dias e a média móvel (MM) de 200 dias. Quando a média móvel de curto prazo (50 dias) fica abaixo da média móvel de longo prazo (200 dias), os especialistas afirmam que a perspectiva de uma rentabilidade atrativa se torna incerta. Por isso, denominam esse evento como de “Cruz da Morte”.

O temido movimento já se concretizou nesta sexta-feira (8). Segundo dados do Investing.com, a atual MM dos 50 dias é de US$ 25.897, enquanto a MM dos 200 dias ficou em US$ 25.913. A diferença, mesmo que pequena, traz um alerta para os analistas sobre uma eventual desvalorização acentuada nas próximas semanas. “Com base em dados históricos em uma possível transição, pode-se pensar que a probabilidade de o preço do Bitcoin cair ainda mais aumentará”, diz Caymaz.

O cenário atual se deve ao contexto macroeconômico, que ainda segue desafiador com a política de aperto monetário nos mercados globais, especialmente a dos Estados Unidos. “O ambiente de juros elevados e um desincentivo para a exposição a risco continua a resultar em baixos volumes de negociação em cripto ativos, principalmente no mercado spot (à vista)”, diz Luísa Pires, head de criptoativos da Levante. 

No entanto, nem sempre a tendência de queda se concretiza quando o BTC alcança o patamar da “Cruz da Morte”. Pires conta que em março de 2020 e junho de 2021, quando houve o registro deste evento no mercado, o BTC apresentou uma alta de 35,5% e de 33,1%, respectivamente, no acumulado de três meses.

Veja a performance do BTC após a “Cruz da Morte”

Data da Cruz da Morte Performance em 3 meses consecutivos Performance em 6 meses consecutivos
28/09/2011 -12,10% 0,4%
07/04/2014 39,20% -24,6%
04/09/2014 -24,20% -44,2%
14/09/2015 91,30% 80%
30/03/2018 -6,50% -3,9%
26/09/2019 -7,20% -16,8%
26/03/2020 35,50% 58,9%
19/06/2021 33,10% 31,6%
14/01/2022 -7,20% -52,2%
Fonte: Levante Crypto

O que os investidores devem fazer?

A tendência de queda no curto prazo para o BTC não afeta os fundamentos de investimento da criptomoeda. Segundo Luísa Pires, head de criptoativos da Levante, há um otimismo geral para o setor com a previsão de eventos importantes para o bitcoin no próximo ano e a perspectiva de melhora no cenário macroeconômico.

“O ano de 2024 aparenta exercer o alinhamento entre grandes eventos benéficos para o bitcoin, sendo eles a inversão da política monetária global, a viabilização da entrada de capital institucional por meio dos ETFs (fundo que busca retorno semelhante a um índice de referência) e o próprio halving (redução planejada de recompensa aos mineradores) do bitcoin”, diz Pires. A concretização desses eventos deve levar o patamar de preço da moeda, tornando a atual faixa de preço uma oportunidade de entrada para os investidores com perspectiva de longo prazo. 

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

No curto prazo, as perspectivas não são boas. “Não há nenhuma sinalização que aponte que há uma oportunidade no curto prazo. A grande maioria das criptomoedas não performou bem neste ano e, no curto prazo, estamos com um volume baixo de liquidez”, diz Tasso Lago, gestor de fundos privados em criptomoedas e fundador da Financial Move.

Pela manhã, por volta das 11h, o BTC apresentou uma alta de 1%. Já durante a tarde, às 14h30, ficou estável com uma leve desvalorização de 0,09%. A tendência de queda também esteve presente no ether, criptomoeda da rede ethereum. No mesmo intervalo de tempo, o ativo caiu 0,27%, sendo negociado a US$ 1,6 mil.

Veja a performance das principais criptomoedas às 14h30

Ativo Ticker Cotação Variação em 24h Variação dos últimos 7 dias
Bitcoin BTC USD 25.808,53 ▼ 0,09% ▲ 1,49%
Ethereum ETH USD 1.627,94 ▼ 0,27% ▲ 1,37%
Tether USDt USDT USD 1,00 ▲ 0,03% ▲ 0,0%
BNB BNB USD 214,07 ▼ 0,34% ▲ 0,93%
XRP XRP USD 0,50 ▲ 0,32% ▲ 1,71%
Fonte: Portal do Bitcoin

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos