EURO R$ 6,06 +0,52% DÓLAR R$ 5,36 +0,32% ITUB4 R$ 26,72 -0,85% MGLU3 R$ 80,66 +1,59% BBDC4 R$ 21,70 -1,14% IBOVESPA 98.970,38 pts -0,19% PETR4 R$ 22,14 +0,00% GGBR4 R$ 16,04 -0,06% ABEV3 R$ 14,58 -0,41% VALE3 R$ 56,72 +0,53%
EURO R$ 6,06 +0,52% DÓLAR R$ 5,36 +0,32% ITUB4 R$ 26,72 -0,85% MGLU3 R$ 80,66 +1,59% BBDC4 R$ 21,70 -1,14% IBOVESPA 98.970,38 pts -0,19% PETR4 R$ 22,14 +0,00% GGBR4 R$ 16,04 -0,06% ABEV3 R$ 14,58 -0,41% VALE3 R$ 56,72 +0,53%
Delay: 15 min
Educação Financeira

Como prorrogar a pausa no financiamento da Caixa

Banco ampliou a interrupção emergencial do pagamento de 90 para 120 dias

O presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, durante entrevista coletiva para anunciar os calendários de pagamentos do FGTS. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
  • Veja quem pode solicitar a pausa emergencial
  • Como solicitar a pausa emergencial sendo pessoa física
  • Como solicitar o cancelamento da pausa emergencial

A Caixa Econômica Federal ampliou, desde a segunda-feira, 18 de maio, a pausa temporária de pagamento das parcelas de financiamentos na habitação, para pessoa física e jurídica, de 90 para 120 dias. A solicitação do benefício, válido para financiamento habitacional e Crédito Imóvel Próprio (Home Equity), pode ser feita por telefone ou pela internet.

O banco público já havia permitido a suspensão por 90 dias, mas decidiu aumentar o período devido ao agravamento da crise causada pela pandemia de covid-19.

Para o professor de finanças Michael Viriato, do Insper, a oportunidade deve ser agarrada por aqueles que não possuem recursos neste momento, já que provavelmente não terão acesso a outra alternativa mais barata, como um empréstimo.

“Se tem o dinheiro paga, pois não tem por que pagar mais juros (posteriormente). Se está apertado, pede o adiamento, pois melhor não pagá-lo agora que deixar de pagar a conta de luz, que tem encargo maior”, exemplifica Viriato.

De acordo com a Caixa, durante o período de pausa, o contrato não está isento da incidência de juros, seguros e taxas. “Os valores dos encargos pausados são acrescidos ao saldo devedor do contrato. A taxa de juros e o prazo contratados originalmente não sofrem alteração”, informa o banco.

Alberto Ajzental, coordenador do curso Desenvolvimento de Negócios Imobiliários da Fundação Getúlio Vargas (FGV), avalia que a medida de pausar o pagamento dos financiamentos do banco público que lidera o crédito imobiliário no País visa tentar “irrigar” a economia, combalida pela pandemia, por meio da transferência de renda.

“A crise que a gente está passando é de liquidez. Todo mundo está perdendo caixa – pessoa física, jurídica e governo. Quando aumenta o prazo, (o governo) está transferindo renda. Você não está dando dinheiro para as famílias, mas está deixando de tirar. Quer dizer, matematicamente, é a mesma coisa”.

Na avaliação do docente, a condição ofertada é importante, por exemplo, para pagar dívidas ou mesmo para fazer uma reserva de segurança, já que os empregos estão sob risco na crise, e a retomada da economia deverá ser lenta.

“Se (a prestação) é 20% da renda mensal, em cinco meses que não é paga, significa um mês de renda (mensal poupada). É 100%. Seis meses (sem pagar), é 1,2 meses de renda mensal. Que dizer, é dinheiro para pagar contas que hoje eu não posso gastar ou até fazer um pouquinho de ‘colchão’ de segurança”, conclui Ajzental.

As pessoas físicas que já tiveram a pausa de 90 dias aprovada terão ampliação de mais 30 dias automaticamente. Os novos requerentes, ao solicitarem o benefício, já terão aprovados os 120 dias de suspensão do pagamento.

Os clientes pessoa jurídica, que já pediram a pausa de 90 dias, precisam solicitar a complementação dos 30 dias adicionais. Já aqueles que ainda não pediram a suspensão poderão solicitar, em uma única vez, o total de 120 dias. A Caixa informa que esta condição é válida para os financiamentos à produção de empreendimentos e para os financiamentos de aquisição e construção de imóveis comerciais – individual.

Quem pode solicitar a pausa emergencial

O benefício é permitido para clientes clientes pessoa física com contratos em dia ou com até 180 dias atraso, bem como clientes que utilizaram o FGTS para abater uma parte da prestação também podem solicitar o serviço. Clientes pessoa jurídica com contratos em dia ou com atraso de até 60 dias (duas prestações).

Como solicitar a pausa emergencial sendo pessoa física

Quem ainda não fez a solicitação, pode requerer o benefício através do aplicativo Habitação Caixa, na opção Pausa Emergencial, ou ligando para 3004.1105 (capitais) ou 0800.726.0505 (demais cidades), opção 7, de segunda à sexta-feira das 8h às 20h. Há também a forma automatizada pelo telefone 0800.726.8068, opção 2 > 4 > 2, de segunda a sexta, em qualquer horário, e aos sábados das 10h às 16h (exceto feriados).

Para aqueles clientes que já fizeram a opção pela pausa de 90 dias, a prorrogação para 120 dias será automática, não sendo necessário efetuar nova solicitação.

Como solicitar a pausa emergencial sendo pessoa jurídica

A pausa para contratos de aquisição e construção de imóveis comerciais (individual) poderá ser solicitada pelo número 0800.726.8068, opções 2 >4, ou requerida ao gerente de relacionamento.

Para contratos de financiamento à produção de empreendimentos, o pedido deve ser feito ao gerente de relacionamento. O banco lembra que contato com o gerente deve ser realizado preferencialmente por meio eletrônico.

Como solicitar o cancelamento da pausa emergencial

A Caixa explica que, caso o cliente com contrato em pausa precise solicitar o cancelamento, ou caso não queira a prorrogação automática por mais 30 dias, poderá efetuar o pedido de cancelamento pelo app Habitação Caixa, no menu Contratos > Serviços > “Cancelar a prorrogação de pausa” ou “Cancelar pausa emergencial”. O cancelamento também pode ser solicitado pelos telefones 3004.1105 (capitais) e 0800.726.0505 (demais cidades), na opção 7, de segunda à sexta-feira, das 8h às 20h.

Invista com o apoio de conteúdos exclusivos e diários. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,06 +0,52% DÓLAR R$ 5,36 +0,32% ITUB4 R$ 26,72 -0,85% MGLU3 R$ 80,66 +1,59% BBDC4 R$ 21,70 -1,14% IBOVESPA 98.970,38 pts -0,19% PETR4 R$ 22,14 +0,00% GGBR4 R$ 16,04 -0,06% ABEV3 R$ 14,58 -0,41% VALE3 R$ 56,72 +0,53%
EURO R$ 6,06 +0,52% DÓLAR R$ 5,36 +0,32% ITUB4 R$ 26,72 -0,85% MGLU3 R$ 80,66 +1,59% BBDC4 R$ 21,70 -1,14% IBOVESPA 98.970,38 pts -0,19% PETR4 R$ 22,14 +0,00% GGBR4 R$ 16,04 -0,06% ABEV3 R$ 14,58 -0,41% VALE3 R$ 56,72 +0,53%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos