MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
Delay: 15 min
Educação Financeira

O que é o come-cotas, imposto “silencioso” que reduz o rendimento dos fundos de investimento

O come-cotas, como o próprio nome indica, faz o número de cotas do investidor diminuir em determinados fundos de investimento

O come-cotas é cobrado duas vezes ao anos: em maio e novembro (Pixabay)
  • O come-cotas é cobrado duas vezes por ano: nos últimos dias de maio e novembro
  • O imposto só atinge os fundos abertos classificados como de curto ou longo prazo
  • É cobrada uma alíquota de 15% para os fundos de longo prazo e 20% para os de curto prazo
O que este conteúdo fez por você?
Me ajudou a ganhar dinheiro Me ajudou a economizar Me ensinou algo que eu não sabia Me livrou de uma roubada

Quem possui dinheiro aplicado em alguns tipos de fundos de investimento já deve ter percebido que duas vezes por ano a quantidade de cotas diminui repentinamente. Essa redução nada mais é do que uma cobrança de imposto chamada de come-cotas.

Ao contrário de outras aplicações, nas quais o investidor só paga imposto de renda no momento em que resgata ou vende um ativo, o come-cotas é cobrado obrigatoriamente a cada seis meses em datas fixas: nos últimos dias de maio e novembro. 

Na prática, as cotas do fundo continuam com o mesmo valor após a cobrança do tributo, porém o número de cotas do investidor diminui, com o imposto sendo calculado de acordo com a valorização do montante entre os dois períodos semestrais, e não sobre o valor investido no período de entrada. Os gestores é quem tem a responsabilidade de fazer o cálculo, deixando os investidores isentos de declarar este imposto especificamente.

Portanto, a principal desvantagem do come-cotas é justamente ter uma incidência tributária obrigatória, quando o dinheiro investido poderia continuar rendendo por anos a fio, apenas sendo tributado no momento de resgate das cotas.

Outros tributos nos fundos de investimento

Apenas fundos abertos classificados como de curto ou longo prazo estão sujeitos ao come-cotas. Estão nessa categoria os fundos de renda fixa, DI, multimercados e cambiais. Os fundos de longo prazo (carteira com prazo médio superior a 1 ano) são tributados por uma alíquota de 15%, enquanto os de curto prazo (carteira com prazo médio inferior ou igual a 1 ano) ficam com um ônus de 20%. Por outro lado, fundos fechados, de ações, de previdência e de debêntures incentivadas estão livres da cobrança periódica do tributo. 

Além do come-cotas, os fundos de investimento de curto ou longo prazo também são atingidos pela cobrança do imposto de renda no momento do resgate da aplicação, com alíquotas que variam de 15% a 22,5%, e de IOF em caso de movimentações inferiores a 30 dias.

Invista com o apoio de conteúdos exclusivos e diários. Cadastre-se na Ágora Investimentos
MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail