Selic sobe para 12,75%: veja quanto rende investir no Tesouro Direto – Investimentos – Estadão E-Investidor – As principais notícias do mercado financeiro
Investimentos

Selic sobe para 12,75%: veja quanto rende investir no Tesouro Direto

Comitê de Política Monetária (Copom) subiu os juros em 1 ponto percentual na reunião desta quarta-feira (4)

Selic sobe para 12,75%: veja quanto rende investir no Tesouro Direto
Tesouro Selic é o título mais beneficiado pela alta dos juros. Foto: Reprodução Tesouro Direto
  • O Comitê de Política Monetária (Copom) subiu a taxa básica de juros da economia pela décima vez seguida, passando de 11,75% para 12,75% ao ano
  • A nova alta do juro impacta diretamente o Tesouro Direto, que ganhou protagonismo a partir da subida dos juros
  • O Tesouro Selic é o título mais beneficiado pela alta da Selic. Acompanhe a simulação com um aporte de R$ 1 mil

O Comitê de Política Monetária (Copom) subiu a taxa básica de juros da economia pela décima vez seguida, passando de 11,75% para 12,75% ao ano. A autoridade monetária havia sinalizado nas últimas semanas que esse aumento de 1 ponto percentual marcaria o fim do ciclo de alta da Selic.

Contudo, grande parte dos agentes econômicos ainda enxerga algum espaço para reajustes. A inflação, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), vem surpreendendo negativamente e já atingiu 3,2% no ano e 12,33% entre março de 2021 e março de 2022.

No Boletim Focus, por exemplo, a mediana das expectativas aponta para uma Selic de 13,25% até o fim de 2022 – o que significa pelo menos mais uma alta. “Ninguém está acreditando (que o ciclo de alta acaba hoje). Acho que nem o presidente do BC, Roberto Campos Neto, está acreditando nisso”, afirma Andre Massaro, analista da consultoria Carteira do Investidor.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

A nova subida do juro impacta diretamente o Tesouro Direto, que ganhou protagonismo a partir da subida dos juros. O número de investidores no programa subiu 73,9% nos últimos 12 meses (março de 2021 a março de 2022), alcançando 17,8 milhões de usuários.

Em março deste ano, as compras de títulos somaram R$ 4,1 bilhões e cerca de 58% deste montante é relacionado ao Tesouro Selic – justamente o título mais beneficiado pelo reajuste na taxa básica da economia. O papel acompanha a variação dos juros e agora também passa render 1 ponto percentual a mais, ou seja, cerca de 12,75% ao ano.

“Se você tem expectativa de que taxa de juros vai continuar subindo, ter ativos pós-fixados como o Tesouro Selic é a melhor opção. Quanto mais as taxas subirem, mais o ativo irá pagar”, explica Ricardo Jorge, sócio e especialista de renda fixa da Quantzed, empresa de tecnologia e educação para investidores.

É importante lembrar que títulos do Tesouro Direto não são livres de Imposto de Renda (IR) e possuem taxa de custódia de 0,20%. No caso do Tesouro Selic, os investidores são isentos da custódia caso tenham até R$ 10 mil investidos.

Veja a simulação feita por Jorge com um investimento de R$ 1 mil:

Publicidade

Posso perder dinheiro?

O Tesouro Selic é o título mais conservador do Tesouro Direto. Ou seja, não há o risco de ‘perder dinheiro’ nessa modalidade. Contudo, fora os indexados à Selic, existem outras duas categorias:

  • Títulos prefixados (Tesouro Prefixado): rentabilidade anual fixa se levada até o vencimento.
  • Títulos híbridos atrelados à inflação (Tesouro IPCA+): rentabilidade é dada pela variação da inflação no período mais uma taxa prefixada.

Ambos sofrem efeitos de marcação a mercado. Isso significa que os papéis desvalorizam conforme as expectativas para os juros. Quando o mercado espera que a Selic suba, quem tem prefixados e IPCA+ na carteira vê esses títulos desvalorizarem. Já quando o mercado espera que a Selic caia, esses títulos se valorizam.

O prejuízo ou os ganhos só são consumados caso o investidor venda os papéis antes do vencimento. Se o resgate for feito na data acordada, a rentabilidade contratada é mantida.

De acordo com Jorge, da Quantzed, isso acontece pela seguinte lógica: imagine que um investidor comprou um prefixado que paga 12% ao ano, só que a expectativa do mercado é que os juros continuem subindo para além disso. Logo, novos títulos prefixados são emitidos - com juros acima desses 12%. O prefixado comprado pelo investidor, portanto, passa a valer menos caso seja vendido antes do vencimento.

“É natural e faz sentido que o ativo que paga 12% valha menos que o ativo que paga mais juros”, afirma Jorge. “Essa desvalorização não acontece de forma imediata à alta da Selic. Acontece de forma antecipada à medida em que a expectativa do mercado sobre as altas vá acontecendo.”

Massaro, da Carteira do Investidor, ressalta que o momento de comprar prefixados é justamente quando o investidor acredita que os juros vão cair. “Para quem está convicto que chegamos ao pico da montanha, ao fim da alta da Selic, seria o momento de comprar prefixados. Agora, se você acredita que os juros continuarão subindo, é ficar distante destes títulos”, diz. “O prefixado é destruído pela inflação.”

Publicidade

No caso dos híbridos indexados à inflação, ainda há a incerteza sobre o IPCA na precificação. “No longo prazo, é a única coisa que protege parcialmente contra a inflação”, afirma Massaro. “Já no curto prazo, muita gente se assusta com esses títulos, porque ele se comporta como um prefixado, perdendo valor (se os juros sobem).”

Essa também é a visão de Jorge. “A desvalorização ou valorização desse título vai acontecer em função da expectativa das altas da Selic e impacto no IPCA. Esse impacto no IPCA é incerto. A gente só vai saber exatamente quanto aquele título vai render em relação à inflação depois que o número oficial for divulgado”, ressalta.

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos