Investimentos

Os Fiagros que pagaram mais dividendos em 2023. Como será em 2024?

Fundos de investimento no agronegócio renderam cerca de 1% ao mês em 2023, mas podem pagar menos em 2024

Os Fiagros que pagaram mais dividendos em 2023. Como será em 2024?
Os fiagros são fundos que financiam as atividades do agronegócio (Foto: Envato Elements)
  • Levantamento mostra que, entre os fundos listados, o maior pagador de dividendos ofereceu retorno de 22,94% no ano.
  • Especialista ressalta que juros mais baixos em 2024 vão reduzir o risco de inadimplência das empresas.

Os Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagros) ofereceram bons dividendos aos investidores em 2023. Ao longo do ano passado, esses produtos conseguiram entregar, em média, retornos acima de 1% ao mês, mesmo com o início dos cortes na Selic. Para 2024, a expectativa é que haja uma redução dos retornos, em razão dos juros, o que pode favorecer a sustentabilidade financeira das empresas.

Um levantamento realizado pela Ável Investimentos mostra que, entre os fundos listados, o maior pagador de dividendos em 2023 foi o HGAG, com 22,94% de dividend yield (retorno em dividendos) no ano. Em seguida, estão o EGAF, com 19,36%, e o LSAG, com 19,28%.

Vitor de Bem, sócio e assessor de investimentos da Ável, explica que como a maioria desses fundos são atrelados ao CDI, os patamares elevados da Selic até agosto favoreceram o pagamento de dividendos. A taxa básica de juros permaneceu em 13,75% durante oito meses e encerrou o ano em 11,75%. O mercado espera novos cortes em 2024, com a taxa encerrando o ano em 9%. “O ano de 2023 foi sensacional porque alguns fundos ofereciam o CDI mais 5% ou o CDI mais 8%. Para 2024, esses fundos tendem a pagar um pouco menos, já que o CDI estará mais baixo. É saudável para as empresas que a dívida seja reduzida, e isso beneficia o investidor, que ganha mais segurança”, explica de Bem.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

O especialista lembra o caso do fundo imobiliário HCTR11, que tinha dívidas atreladas aos índices de inflação IGP-M e IPCA e, com a disparada dos preços, algumas empresas não tinham como pagar os juros aos investidores. Isso levou a uma redução do rendimento mensal distribuído aos cotistas do fundo. Para reduzir os riscos, Vitor de Bem recomenda que o investidor pesquise sobre o histórico da gestora e do fundo e veja no relatório gerencial quais são as dívidas e se são pulverizadas, para reduzir o risco de crédito em caso de inadimplência.

“Dividendos são a última coisa a se olhar, e é sempre importante atentar para aquilo que foge muito da média. Se o dividendo for muito alto, provavelmente o risco é maior também”, alerta.

Confira o ranking dos Fiagros que mais pagaram dividendos em 2023:

HGAG – 22,94%

EGAF – 19,36%

Publicidade

LSAG – 19,28%

GCRA – 18,33%

OIAG – 17,61%

VGIA – 17,53%

RZAG – 17,08%

Publicidade

NCRA – 16,96%

PLCA – 16,89%

CPTR – 16,87%

Web Stories

Ver tudo
<
Como identificar uma nota falsa?
Quanto custa comer na melhor pizzaria da América Latina, que fica em SP?
D.O.M: saiba quanto custa comer em um dos 100 melhores restaurantes da América Latina
Como receber pensão vitalícia na união estável?
Quanto Madonna já ganhou na loteria?
Quanto custa comer no 2º restaurante mais caro do mundo? Descubra
Golpes eletrônicos: confira 7 golpes digitais para roubar o seu dinheiro
Ataque cibernético: relembre 7 sabotagens que afetaram o mercado financeiro
Como investir em IA para ganhar dinheiro?
5 passos para planejar a independência financeira dos seus filhos
Como identificar as notas antigas do real que saíram de circulação?
Reforma tributária: quais alimentos terão imposto zerado ou reduzido? Confira lista
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos