MGLU3 R$ 14,53 +2,54% ITUB4 R$ 24,66 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% GGBR4 R$ 28,22 +0,21% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% PETR4 R$ 29,65 -0,10% ABEV3 R$ 15,45 -0,26% VALE3 R$ 80,32 +1,41%
MGLU3 R$ 14,53 +2,54% ITUB4 R$ 24,66 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% GGBR4 R$ 28,22 +0,21% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% PETR4 R$ 29,65 -0,10% ABEV3 R$ 15,45 -0,26% VALE3 R$ 80,32 +1,41%
Delay: 15 min
Mercado

Entenda quando vale a pena comprar as ações mais caras da Bolsa

Valor elevado não significa alta rentabilidade; veja o que dizem analistas

Fachada da Drogasil em São Paulo
A RaiaDrogasil (RADL3) está entre as ações mais caras da B3 (Foto: Felipe Rau/ Estadão)
  • Especialistas alertam que alto preço das ações não reflete, necessariamente, um bom desempenho da empresa e boas perspectivas para o futuro
  • Maioria dos papéis mais caros da B3 não tiveram um bom desempenho no mês de maio
  • Empresas realizam desdobramento das ações quando seu preço está muito alto

Os preços das ações listadas na bolsa de valores brasileira variam de menos de R$ 1 até mais de R$ 200. O valor dos papéis muitas vezes pode confundir o investidor na hora de identificar os mais caros e os mais baratos. Para saber em quais apostar, você não deve se fixar no valor nominal, e sim no potencial que a ação tem de aumentar seu preço no futuro.

Por exemplo, se uma ação atualmente custa R$ 3, mas não tem espaço para subir mais, ela está cara. Já aquelas no patamar dos R$ 50, mas com capacidade de expandir futuramente, são classificadas como baratas.

“Não tem uma ligação direta entre a ação estar barata ou cara a partir do preço nominal”, diz Gustavo Akamine, analista fundamentalista e gestor de recursos da Constância Investimentos.

De acordo com um levantamento exclusivo feito pela Economatica, a pedido do E-Investidor, das 15 ações mais caras da B3, apenas seis tiveram desempenho superior ao do Ibovespa em maio. No mês, o índice subiu 8,57%. Destas, apenas duas ficaram entre as 10 maiores rentabilidades do mês, segundo dados do Estadão Broadcast.

Confira o ranking:

PosiçãoAçãoClasseCódigoPreço/R$Rentabilidade maio
1Bic MonarkOnBMKS3207,009,17%
2ComgásPNACGAS3164,083,41%
3ComgásOnCGAS5160,005,26%
4Mont AranhaOnMOAR3130,003,99%
5RaiaDrogasilOnRADL3109,754,45%
6B2WOnBTOW391,4025,08%
7ExcelsiorPNBAUH389,990,44%
8Nord BrasilOnBNBR377,790,87%
9TelebrasOnTELB376,76-6,39%
10BahemaOnBAHI370,50-0,57
11CosanOnCSAN368,299,13%
12CebOnCEBR365,0016,81%
13NutriplantOnNUTR365,0012,07%
14Pão de AçúcarOnPCAR364,75-4,05%
15Magazine LuizaOnMGLU363,729,48%

*Levantamento realizado até o fechamento do dia 1º de junho

O analista e gestor da Constância Investimentos explica que existem duas possibilidades para uma ação estar com um valor elevado. A primeira ocorre quando uma empresa apresenta um bom desempenho e, por isso, seus papéis se valorizam. Porém, a alta também pode acontecer devido à baixa oferta de ações que geralmente são controladas por um grupo.

“No segundo caso, o valor alto é um indicativo ruim, pois poucas ações estão concentradas com poucas pessoas e mostra que a empresa não tem mais interesse pela negociação dos ativos e, normalmente, isso faz a ação ter uma rentabilidade menor”, explica Akamine.

José Francisco Cataldo, superintendente de research da Ágora Investimentos, concorda com essa visão. Para ele, uma ação é interessante quando se valoriza graças à boa perspectiva para a empresa.

Segundo ele, muitos dos papéis com alto valor, no entanto, não podem ser justificados pelo seu desempenho.“Muitas vezes um valor alto reflete um número baixo de ações disponível na mão de poucas pessoas”, diz Cataldo.

Quais ações ‘caras’ refletem o bom momento?

Para os especialistas, dentre as 15 ações mais caras apenas quatro justificam o preço alto pelo bom desempenho. São elas, RaiaDrogasil (RADL3), B2W (BTOW3), Pão de Açúcar (PCAR3) e Magazine Luiza (MGLU3).

“São empresas que já estavam em um bom momento e não foram tão prejudicadas pela crise”, afirma Cataldo.

Vale ressaltar que RaiaDrogasil (RADL3), B2W (BTOW3) e Pão de Açúcar (PCAR3) são as únicas do ranking que também estão entre as ações mais indicadas para o mês de agosto, segundo corretoras consultadas pelo E-Investidor.

Dessa forma, Akamine conta que, apesar de caras, as ações de outras empresas não são tão atraentes para o investidor. “Essas empresas costumam ser estatais ou controladas por uma família, não ligando muito para a bolsa.”

Com elas, ele ressalta que o investidor corre o risco de ‘perder tempo’. “Essas têm pouca liquidez e o investidor não consegue realizar o lucro”, diz ele.

A ‘quebra’ do preço de uma ação

Segundo os especialistas, ter papéis com valores altos pode não ser vantajoso para a companhia. “São menos investidores que podem comprar o papel”, afirma Cataldo.

Akamine lembra de um processo muito comum chamado de desdobramento de ações, em que a empresa “quebra” o preço do papel e o divide em mais unidades. “As empresas fazem isso para atrair os investidores e ter um potencial de liquidez maior do que com o preço anterior”, diz o analista e gestor da Constância Investimentos.

Em agosto de 2019, a Magazine Luiza passou por esse processo. Na ocasião, a varejista quebrou seus papéis em uma proporção de oito por um, dividindo uma ação de cerca de R$ 277 para outras oito de R$ 36.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos