MGLU3 R$ 38,00 +1,39% ITUB4 R$ 21,51 +0,51% DÓLAR R$ 5,26 +1,27% IBOVESPA 70.966,70 pts -2,81% GGBR4 R$ 9,76 +1,99% PETR4 R$ 14,40 +0,70% VALE3 R$ 43,54 +0,39% BBDC4 R$ 19,90 -4,19% ABEV3 R$ 11,67 -0,17%
MGLU3 R$ 38,00 +1,39% ITUB4 R$ 21,51 +0,51% DÓLAR R$ 5,26 +1,27% IBOVESPA 70.966,70 pts -2,81% GGBR4 R$ 9,76 +1,99% PETR4 R$ 14,40 +0,70% VALE3 R$ 43,54 +0,39% BBDC4 R$ 19,90 -4,19% ABEV3 R$ 11,67 -0,17%
Mercado

Como o coronavírus travou uma das maiores fintechs do Vale do Silício

Foto: Lucas Jackson/ Reuters
  • Avaliado em US$ 7,6 bilhões, o app Robinhood travou três vezes em meio à volatilidade dos mercados por causa do covid-19
  • Startup fundada em 2013 tem 10 milhões de usuários nos EUA, em sua maioria novatos que enfrentam a primeira crise
  • Episódio reforça histórico recente de falhas tecnológicas e tentativas malsucedidas de ampliar sua área de atuação
O que este conteúdo fez por você?
Me ajudou a ganhar dinheiro Me ajudou a economizar Me ensinou algo que eu não sabia Me livrou de uma roubada

(Bloomberg/Washington Post) – Kyle Gregory mergulhou no mundo dos investimentos em fevereiro, usando a restituição de impostos para abrir uma conta no Robinhood Financial, um dos maiores aplicativos de trading dos Estados Unidos, com sede no Vale do Silício. Depois de um rápido tutorial dos amigos, ele começou a apostar em um dos mais voláteis mercados da história americana, checando no aplicativo uma ou duas vezes por hora o quanto seus investimentos flutuavam.

Algumas semanas atrás, ele vendeu ações de um laboratório médico que pouco depois anunciaria estar trabalhando em uma cura para o coronavírus. Perdeu um lucro potencial de US$ 1 mil. “Me formei na faculdade ano passado, então estou apenas começando. Estava procurando uma maneira de investir e me familiarizar com o mercado,” disse Gregory, que é contador.

No dia 2 de março, o investidor novato enfrentou seu grande desafio até então: apostou que as ações continuariam caindo em níveis recordes. Mas o mercado reagiu, recuperando-se da pior semana em Wall Street desde a crise financeira de 2008, quando Gregory estava no colégio. Então, correu para vender suas posições assim que o mercado abriu, mas o aplicativo Robinhood travou, enviando mensagens de erro a ele e milhões de outros usuários.

“Eu estava paralisado enquanto meu dinheiro desaparecia”, disse Gregory, que estima ter perdido US$ 600 com o travamento.

O Robinhood, um app gratuito para operação na bolsa americana com 10 milhões de usuários, sofreu outras três panes durante as primeiras semanas da histórica turbulência nos mercados. Para os investidores inexperientes, as falhas no aplicativo aumentaram o desafio de navegar em meio ao impacto econômico do covid-19.

Os mercados pelo mundo não dão sinais de estabilização após semanas de volatilidade, em que as ações despencam e o valor das empresas cai bilhões. O índice Dow Jones, composto pelas 30 maiores ações do mercado norte-americano, está mais de 20% abaixo do seu pico histórico de fevereiro.

Os investidores de varejo não estão se escondendo. O You Invest, plataforma de trading lançada há 18 meses, teve, nas últimas semanas, aumento de 340% na abertura de contas e mais de 200% no volume negociado. 

Em meio à volatilidade do mercado, os travamentos recentes do Robinhood levaram usuários a manifestar sua fúria no Twitter, em grupos de Facebook e no Reddit. Um deles contratou uma ação na Justiça. Um perfil de Twitter, que alega estar preparando um processo contra a empresa, atraiu mais de 8 mil seguidores.

Responsável por regular a companhia, a Autoridade Reguladora da Indústria Financeira (Finra, na sigla em inglês) diz estar em contato com o Robinhood e monitorando a situação. “A atitude do Vale do Silício de se mover rapidamente e de forma disruptiva é boa enquanto tudo vai bem. Mas quando envolve seu dinheiro, as pessoas não querem ver as coisas quebrando”, diz Jim Angel, professor da Universidade de Goergetown especializado em regulação global do mercado financeiro.

Robinhood diz que as três panes do início de fevereiro foram causadas por sobrecarga ao sistema e culpou as condições históricas do mercado. “Agora entendemos que a pane foi por stress da nossa infraestrutura, pressionada por um volume sem precedentes de acessos”, disseram os fundadores do app, Baiju Bhatt and Vladimir Tenev, em uma postagem pública.

Em um e-mail para os usuários, o Robinhood disse que agiria individualmente para atender suas preocupações, mas não disse como os recompensaria pelas perdas financeiras. Os membros premium receberiam três meses de isenção do serviço, que custa US$ 15.

 

Publicidade do plano premium do Robinhood: três mensalidades grátis para compensar perdas na bolsa.

O Robinhood não está sozinho a enfrentar problemas técnicos. Chime, uma ascendente startup de serviços financeiros, enfrentou panes no último ano em seu site, o que deixou seus cartões de débito inoperantes por vários dias. Também em 2019, o Wells Fargo, banco com sede em San Francisco, enfrentou problemas de acesso a suas plataformas digitais depois de ter detectado fumaça em um dos seus servidores.

Desde que foi lançado, em 2013, o Robinhood, avaliado em US$ 7,6 bilhões, construiu uma base de seguidores entre jovens e novos investidores com uma boa estratégia de marketing e a promessa de negociações gratuitas de ações.

A estratégia levou a uma revolução no mercado americano de corretoras, ao tornar as negociações mais acessíveis. A empresa de Menlo Park faz parte do esforço do Vale do Silício para o mundo bancário e transforma Wall Street à medida que investidores com conhecimento digital se afastam dos corretores de seus pais e navegam nos mercados em seus telefones celulares. A missão descrita pelos seus fundadores é prover a todos “acesso ao mercado financeiro, não apenas à saúde”.

“Eles usaram a tecnologia para prover um serviço a quem não tinha acesso anterior a este serviço”, disse Angel. 

A startup partiu de 1 milhão de inscritos em 2016 para 6 milhões em 2018. Ano passado, informou ter chegado a 10 milhões. E-Trade, um de seus principais concorrentes, relata ter cerca de 5 milhões de usuários.

Fora do ar na pior hora possível

Quando David Gaeney, do Havaí, mergulhou no mundo dos investimentos há três anos, o aplicativo da Robinhood Financial ofereceu uma introdução fácil de usar. O especialista em logística acabou se migrando para negócios mais arriscados, com as ações dos EUA marcando para recordes e depois caindo quando o coronavírus abalou os investidores.

Quando os bugs do app começaram às 9h33 de 2 de março, minutos após a abertura dos mercados, Gaeney havia logado em seu aplicativo Robinhood e feito um pedido de venda. À medida que os mercados caíam, o aplicativo travou, custando ao investidor US$ 5 mil que ele pretendia usar na transição para uma nova profissão.

“Não foi como se eu tivesse tomado uma decisão ruim; eu tomei a decisão certa”, disse Geaney. “Tentei vender quanto teria um lucro de quase três vezes, mas a tecnologia falhou.” 

O serviço permaneceu inoperante até às 19h30 daquela dia. Até então, os principais índices de ações dos EUA haviam subido acentuadamente. A média industrial da Dow Jones subiu 5,1%, seu maior ganho percentual desde março de 2009.

Adam Donatto estima que perdeu uma pequena quantia – não mais que US$ 100 -, mas ainda quer transferir parte de seu dinheiro do Robinhood. “Foi chato. Eu estava sentando assistindo dólar por dólar indo embora”, disse.

Uma coisa impede Donatto de transferir investimentos de longo prazo para fora do Robinhood: a empresa cobra US$ 75 para mover seu dinheiro para contas externas. “Pedi que renunciassem à taxa”, disse, citando a interrupção. Até meados de março a empresa não havia respondido.

No dia seguinte, 3 de março, as ações caíram novamente e o aplicativo voltou a sofrer uma interrupção, que durou mais de uma hora. Em 9 de março, Dow Jones caiu 7,8%, maior perda desde a crise financeira de 2008. O Robinhood ficou parcialmente fora de operação até meia hora do fechamento do mercado.

Esse tipo de falha pode minar “a confiança do público nos mercados”, disse Tyler Gellasch, diretor executivo da Healthy Markets, grupo de investidores e ex-consultor da Comissão de Valores Mobiliários. “Dada a idade média dos usuários do Robinhood, existe o risco de que esses tipos de eventos os impeçam de se envolver nos mercados no futuro.”

Histórico de problemas

Este não é o primeiro tropeço para Robinhood. Em dezembro, a agência reguladora do setor multou a empresa em US$ 1,25 milhão por não garantir que seus clientes obtivessem o melhor preço possível em suas operações.

“A melhor execução dos pedidos dos clientes é um requisito essencial para a proteção dos investidores”, afirmou Jessica Hopper, diretora sênior de Departamento de Execução da Finra.

Robinhood não admitiu nem negou as acusações.

A startup também tropeçou ao avançar ainda mais no mundo bancário. Em dezembro de 2018, anunciou que ofereceria contas correntes e poupança pagando juros de 3%, um desafio direto para os bancos tradicionais. As contas seriam lastreadas pela Securities Investor Protection Corporation, uma organização sem fins lucrativos que negociava corretores no exterior, informou a empresa. Alguns dias depois, porém, a SIPC negou que tivesse concordado com esse acordo e o Robinhood desistiu da reivindicação.

Na sequência do fracassado esforço da Robinhood, um grupo bipartidário de legisladores, incluindo o senador John Neely Kennedy, pediu que os reguladores “monitorem cuidadosamente as empresas de tecnologia que, intencionalmente ou não, ofuscam produtos financeiros para obter vantagem competitiva.”

Robinhood queria oferecer “um serviço que parecia, cheirava, tinha gosto de banco sem ser banco”, disse Angel, professor de Georgetown.

“Mas eles cometeram o erro clássico da fintech de não entender como são regulamentados. Eles acham que é melhor pedir perdão do que pedir permissão.”

A empresa voltou sua atenção para um novo produto do tipo banco, uma “conta de gerenciamento de caixa” que, segundo ela, inclui um cartão de débito. A taxa de juros da conta seria 0,3%. Logo, havia 1 milhão de pessoas na lista de espera, incluindo Emily Babaian, da Flórida. 

Babaian investiu US$ 60 em uma conta comercial da Robinhood no ano passado, mas movimentou cerca de 80% de suas economias para lá quando se tornou usuário diária do aplicativo, assinando seu serviço premium de US$ 5 por mês, Robinhood Gold. 

Após as interrupções, Babaian diz que está pensando em mudar para uma nova plataforma de negociação e não está mais interessada no cartão de débito Robinhood. “Vendo o que aconteceu, eu nunca confiaria neles”, disse Babaian. “Isso é mais sério para mim do que negociar. Esse é o meu dinheiro… Qualquer tipo de situação de débito, acho que deixaria isso para um banco.”

Invista com informação e assessoria especializada. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail