EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Mercado

Dólar está alto, mas ainda longe de seu recorde real

Levantamento da FGV mostra que pico da moeda aconteceu em 2002

Notas de dólar em casa de câmbio.
Notas de dólar em casa de câmbio. Foto: JF Diorio/ Estadão
  • Apesar de recorde no valor nominal em 2020, valor real da moeda em 2002 foi de R$ 7,64
  • Dólar continua alto e supera valor real da crise de 2015, mas não deve atingir o patamar de começo do século
  • Moeda teve sua mínima real histórica em 2011, quando a cotação nominal foi de R$ 1,53 e a real de R$ 2,15

Nesta quarta-feira (6), o dólar voltou a operar em forte alta e bateu mais um recorde de cotação nominal. Com expectativa de um novo corte na taxa Selic, a moeda americana terminou o dia em alta de 1,96% e subiu para R$ 5,70.

A redução da economia fiscal na Câmara do projeto de socorro para Estados e a mudança do rating brasileiro para “negativa” pela agência de classificação de risco Fitch Ratings também são fatores que contribuíram para o fortalecimento da moeda.

O preço pode assustar, mas ainda está longe do valor máximo real que a moeda já atingiu. No dia 21 de outubro de 2002, a cotação nominal da moeda americana foi de R$ 3,96. Porém, com o poder de compra ajustado, o valor real hoje seria de R$ 7,64.

A pedido do E-Investidor, o Centro de Macroeconomia Aplicada da FGV EESP elaborou um levantamento que aponta o valor nominal e real do dólar desde a criação do Plano Real, em 1994. Enquanto o primeiro é a taxa de câmbio em dado momento da história, o segundo é o preço corrigido pela inflação para valores presentes.

Ou seja, o cálculo leva em conta a inflação brasileira e a americana do período para comparar as cotações passadas com a atual.

O pico, atingido em 2002, ocorreu às vésperas do 2º turno das eleições presidenciais, onde havia grande incerteza sobre qual seria a política econômica do governo Lula, prestes a ser eleito naquela disputa.

“Foi um período de pânico da economia brasileira, com a eleição e com as contas externas em uma situação muito difícil”, diz Emerson Marçal, professor e coordenador do Centro de Macroeconomia Aplicada da FGV EESP.

Mas o dólar está caro ou barato?

Para o professor da FGV, mesmo longe da máxima real histórica, o valor atual ainda é alto.

Como exemplo, Marçal cita o pico da moeda em 2015, onde o valor nominal foi de R$ 4,19, sendo o real de R$ 4,70. “O dólar está mais alto em valores reais hoje do que no período da crise do impeachment da ex-presidente Dilma.”

Apesar disso, ele afirma que dificilmente vamos nos aproximar do pico de 2002, mesmo com a pandemia da covid-19 e o momento político conturbado que o País vive. “O grande medo é o risco político. Mas olhando friamente e, se tudo se mantiver no caminho em que está, o mercado de câmbio deve se acalmar e não vamos ter um novo recorde real.”

Qual será o novo normal do valor do dólar?

Cristiano Lima, superintendente de derivativos da Ágora Investimentos, diz que não existe mais um novo normal para o preço do dólar desde o início do novo governo.

Segundo ele, a grande atratividade para investidores estrangeiros no Brasil sempre foi a taxa de juros. Com a Selic em sua mínima histórica (3% a.a) e a crise da covid-19, no entanto, houve foi uma forte saída de capital.

Neste contexto, o câmbio foi elevado ao atual patamar. “Manter o dólar um pouco mais alto é mais atrativo e ele acompanha o mercado.”

Apesar disso, Lima pondera que a pandemia e o cenário político conturbado fizeram a taxa subir ainda mais.

Ou seja, em sua visão, a tendência é o real se valorizar quando o ambiente político e econômico estiverem mais controlados. “A moeda se estabilizou na última semana por esses dois fatores”, afirma o especialista.

Marçal também concorda que não há um novo normal e de que o dólar está mais alto do que deveria. “O grande medo é o risco político. Então não podemos cravar nada”.

Desde o pedido de demissão de Moro, o governo tem agido mais para tentar apaziguar os ânimos do mercado. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou que Paulo Guedes seguirá no cargo com total autonomia e buscou uma reaproximação com Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados.

Com isso, após atingir seu pico nominal de R$ 5,66, o dólar fechou em R$ 5,49 na semana passada.

Qual foi o menor valor real do dólar?

O ponto mais baixo, em termos reais, da cotação do dólar desde a criação do Plano Real foi em 25 de julho de 2011. No dia, a cotação nominal foi de R$ 1,53. Com o ajuste, o valor seria equivalente a R$ 2,15 hoje.

Segundo o professor da FGV, o real brasileiro estava muito valorizado na época devido à descoberta do pré-sal e ao período de juros reais bem baixos no mundo.

Ele afirma que não devemos esperar que a moeda volte a este patamar. Para ele, o valor não é sustentável e o contexto mundial também é outro. “Estávamos mal acostumados, o dólar não aguenta ficar nem muito alto, como em 2002, nem muito baixo, como em 2011”, diz Marçal.

Invista com o apoio de assessores especializados. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos