MGLU3 R$ 25,99 +1,96% DÓLAR R$ 5,47 +0,00% EURO R$ 6,66 +0,03% BBDC4 R$ 25,01 -1,84% ITUB4 R$ 29,27 -2,14% PETR4 R$ 27,09 -1,67% IBOVESPA 117.380,49 pts -0,80% ABEV3 R$ 15,15 -2,95% VALE3 R$ 93,17 -0,20% GGBR4 R$ 25,36 +1,36%
MGLU3 R$ 25,99 +1,96% DÓLAR R$ 5,47 +0,00% EURO R$ 6,66 +0,03% BBDC4 R$ 25,01 -1,84% ITUB4 R$ 29,27 -2,14% PETR4 R$ 27,09 -1,67% IBOVESPA 117.380,49 pts -0,80% ABEV3 R$ 15,15 -2,95% VALE3 R$ 93,17 -0,20% GGBR4 R$ 25,36 +1,36%
Delay: 15 min
Mercado

Ibovespa em 130 mil? É a aposta de BofA e BB Investimentos

Bancos acreditam que o principal índice da B3 pode alcançar em 2021 o nível mais alto da sua história

Sede da B3
Sede da B3. Foto: Amanda Perobelli/Reuters
  • Visão positiva é sustentada por fortes resultados no 3T20, a retomada da economia e o retorno dos investidores estrangeiros
  • "O mercado doméstico virou rapidamente para cima, com a tempestiva reversão das expectativas adversas", diz o BB
  • “As projeções estão condicionadas a um cenário de que ocorra a volta de uma organização da questão fiscal", diz BofA

O Bank of America (BofA) e o BB Investimentos divulgaram, no começo desta semana, relatórios com suas perspectivas para o Ibovespa em 2021. Para os dois bancos, o principal índice B3 terá boa performance no ano que vem e deve alcançar os 130 mil pontos, o que seria seu patamar mais alto da história. Com base no IBOV desta quarta-feira (3) às 16h30 (111.873,88 pontos), o potencial de valorização é de 16,20%.

Segundo as instituições, a visão positiva é sustentada pela forte temporada de resultados do terceiro trimestre de 2020 e a expectativa da retomada das economias com o avanço de uma vacina contra a covid-19. Além disso, o retorno dos investidores estrangeiros para a bolsa brasileira também é um fator determinante para impulsionar o Ibovespa.

“O mercado doméstico virou rapidamente para cima, com a tempestiva reversão das expectativas adversas que estavam levando à saída recorde de capital estrangeiro da bolsa brasileira ao longo do ano”, diz Victor Penna, analista do BB.

Para que o cenário se concretize, no entanto, o BofA pontua que é necessário o País resolver sua questão fiscal. “As projeções estão condicionadas a um cenário de que ocorra a volta de uma organização da questão fiscal, que é respeitar teto dos gastos, evitar continuidade de despesas que fizeram com que a relação dívida/PIB tivesse esse salto”, afirma David Beker, chefe de economia e estratégia do banco americano.

Invista com o apoio de conteúdos exclusivos e diários. Cadastre-se na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos