EURO R$ 6,22 -0,03% ITUB4 R$ 28,71 +3,75% DÓLAR R$ 5,30 +0,00% ABEV3 R$ 15,88 +0,51% MGLU3 R$ 15,87 -3,30% GGBR4 R$ 27,00 +5,83% BBDC4 R$ 20,72 +4,59% IBOVESPA 114.064,36 pts +1,59% VALE3 R$ 78,91 -0,35% PETR4 R$ 26,84 +4,06%
EURO R$ 6,22 -0,03% ITUB4 R$ 28,71 +3,75% DÓLAR R$ 5,30 +0,00% ABEV3 R$ 15,88 +0,51% MGLU3 R$ 15,87 -3,30% GGBR4 R$ 27,00 +5,83% BBDC4 R$ 20,72 +4,59% IBOVESPA 114.064,36 pts +1,59% VALE3 R$ 78,91 -0,35% PETR4 R$ 26,84 +4,06%
Delay: 15 min
Mercado

Falência de subsidiária da MMX, de Eike Batista, é suspensa pela Justiça

MMX Mineração e Metálicos e MMX Corumbá também tiveram as falências decretadas

Eike Batista em evento de empreendedorismo em Florianópolis, em 2019 (Foto: Fabrício de Almeida/Imagem e Arte/Estadão Conteúdo)
Eike Batista em evento de empreendedorismo em Florianópolis, em 2019 (Foto: Fabrício de Almeida/Imagem e Arte/Estadão Conteúdo)
  • Na última segunda-feira (24), a MMX Sudeste conseguiu a suspensão da falência decretada no início de maio
  • A mineradora alegou não ter tido direito a se manifestar em relação à decisão do Administrador Judicial de converter a recuperação em judicial em falência
  • A MMX Corumbá (outra subsidiária) e a controladora MMX Minerais e Metálicos (MMXM3 e MMXM11) também tiveram as falências decretadas pela justiça na última quarta-feira (19)

A MMX Sudeste conseguiu a suspensão da falência decretada na 1ª Vara Empresarial da Comarca de Belo Horizonte após entrar com recurso. A mineradora alegou não ter tido direito a se manifestar em relação à decisão do Administrador Judicial de converter a recuperação judicial em falência.

A empresa, subsidiária da MMX (MMXM3), não teria cumprido o plano de recuperação judicial da companhia, em um processo que se arrasta desde outubro de 2014, o que motivou a decretação de falência pela Justiça.

Ambas as empresas (controladora e subsidiária) pertencem ao ex-bilionário Eike Batista, já condenado por crimes contra o mercado de capitais.

“A decisão de convolação da recuperação judicial em falência não poderia ter sido proferida sem a prévia manifestação da MMX Sudeste sobre as alegações apresentadas pelo Administrador Judicial acerca de suposto descumprimento do plano de recuperação judicial”, explica a MMX Mineração e Metálicos, em fato relevante.

MMX e MMX Corumbá também tem falência decretada

A MMX Corumbá (outra subsidiária) e a controladora MMX Minerais e Metálicos (MMXM3 e MMXM11) também tiveram as falências decretadas pela justiça na última quarta-feira (19). A decisão foi proferida pela 4ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Rio de Janeiro e chegou como uma bomba às ações da mineradora, que chegaram a cair 30% no pregão.

No dia seguinte, quinta-feira (20), a B3 suspendeu as negociações com os ativos da companhia, que pretende entrar com recurso contra a decisão. Para quem ainda tinha papéis da MMX, a notícia é bastante negativa, já que em uma falência os investidores são os últimos nas prioridades de pagamento e nem sempre são contemplados.

“Um processo de falência é algo longo. A rigor leva muito tempo até a ação ser ‘desligada’”, afirma Mario Goulart, analista CNPI da 02 Research. “O acionista é o último na fila dos credores.”

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos