EURO R$ 5,23 -0,06% MGLU3 R$ 4,15 +2,97% DÓLAR R$ 5,15 +0,00% ABEV3 R$ 15,50 +0,45% BBDC4 R$ 19,71 +1,60% ITUB4 R$ 27,24 +1,04% PETR4 R$ 32,01 +0,91% GGBR4 R$ 24,43 -2,08% VALE3 R$ 69,95 +2,34% IBOVESPA 113.512,38 pts +0,43%
EURO R$ 5,23 -0,06% MGLU3 R$ 4,15 +2,97% DÓLAR R$ 5,15 +0,00% ABEV3 R$ 15,50 +0,45% BBDC4 R$ 19,71 +1,60% ITUB4 R$ 27,24 +1,04% PETR4 R$ 32,01 +0,91% GGBR4 R$ 24,43 -2,08% VALE3 R$ 69,95 +2,34% IBOVESPA 113.512,38 pts +0,43%
Delay: 15 min
Mercado

O que esperar das ações da Azul (AZUL4) após forte desvalorização

Papel deve valorizar no médio e longo prazo, mas por enquanto ainda é volátil, dizem especialistas

O que esperar das ações da Azul (AZUL4) após forte desvalorização
Foto: Sergio Moraes/Reuters
  • Fundada no final de 2008, a Azul conta atualmente com uma malha aérea que atende mais de 100 destinos, tanto nacionais como no exterior
  • Papéis da empresa tiveram forte queda no ano, assim como os de todas as outras do setor por consequência da pandemia de covid-19
  • Especialistas acreditam que AZUL4 deve se valorizar no médio e longo prazo devido ao bom gerenciamento de caixa

Com capital aberto desde abril de 2017, a Azul (AZUL4) viu seu papel ter forte valorização em 2019, encerrando o ano com alta de mais de 50%. Porém, com a pandemia de covid-19, que impôs severas restrições sociais, a ação da empresa despencou, assim como a de todas as outras do setor ao redor do mundo.

Em 2020, o papel acumula queda de 62,99% até o fechamento do mercado desta quinta-feira (20). A desvalorização foi tanta que a alta superior a 160% desde seu IPO até o período pré-crise foi revertida. Atualmente a ação tem baixa histórica de 6,18%.

“A Azul vinha com um crescimento muito forte, mas o cenário de pandemia fez o setor ser um dos mais afetados no mundo, com a demanda por passagens aéreas caindo drasticamente”, diz Flávia Meireles, analista de research da Ágora Investimentos.

Pelo fato do setor aéreo ter sido um dos mais impactados pela crise, o E-Investidor questionou os leitores sobre qual empresa merecia uma análise, e a Azul venceu a enquete com 44,2% dos votos.

Como o mercado analisa a situação da empresa?

A grande preocupação em relação às empresas do setor aéreo no momento da pandemia é o quão bem elas administram seu caixa. Com altos custos para manter a companhia viva e sem sua fonte de renda que são as viagens, a situação do caixa é fundamental para saber se a Azul tem condições de sobreviver ao momento.

“Há uma grande imprevisibilidade sobre a volta da demanda no setor e um bom caixa é fundamental para conseguir atravessar a pandemia, pois se as pessoas não podem sair de casa, quem dirá viajar”, afirma Ricardo Campos, sócio e CIO da Reach Capital.

Neste cenário, os especialistas ressaltam que a Azul fez um bom trabalho de redução de custos para preservar seu caixa e ao que tudo indica a empresa tem capacidade para aguentar a crise até a demanda voltar.

Entre as medidas estão a negociação de cortes salariais, renegociação de dívidas, adiamento da renovação da sua frota e de investimentos não essenciais, entre outros. Ademais, ainda é esperado o pacote de socorro do governo às empresas do setor, que deve fornecer R$ 3 bilhões para a Azul em linha de crédito do BNDES.

“Essas medidas foram boas e o resultado positivo disso nós vemos no balanço trimestral da Azul”, diz Meireles, da Ágora. A empresa encerrou o 2T20 com caixa de R$ 2,3 bi, valor maior do que era projetado.

Segundo a companhia, é esperada a queima diária de caixa no valor de R$ 3 milhões até o final de 2020. “A Azul conseguiu uma boa economia de caixa com as medidas. Com esse equilíbrio, tem capacidade de aguentar mais tempo a pandemia para fazer o negócio voltar”, comenta Campos.

O que esperar da AZUL4?

Apesar de a Azul mostrar uma boa resiliência, a crise continua e a ação ainda deve ter muito volatilidade. “Ninguém sabe até quando a pandemia vai durar, ainda se tem muitas dúvidas em relação ao controle e a eficácia da vacina”, diz o sócio da Reach Capital.

Além disso, os especialistas salientam que a empresa tem grande parte da sua receita atrelada às viagens corporativas, o que pesa como um fator negativo para a companhia na retomada.

“A demanda corporativa vai ser baixa quando tudo voltar, pois a tendência é que muitas reuniões continuem sendo por plataformas on-line e a Azul vai ter que se adaptar ao novo cenário”, afirma Meireles.

Porém, a companhia também tem pontos positivos que a diferencia de seus concorrentes, como a parceria exclusiva com o Mercado Livre para transporte de cargas. “A empresa gera uma receita muito grande disso e deve aumentar a estratégia”, comenta Campos.

Ao que tudo indica, portanto, a Azul deve conseguir superar a crise, mas ainda há riscos para de fato consolidar sua recuperação. “Nossa visão é positiva para o médio e longo prazo, mas lembrando que no curto a companhia ainda pode sofrer”, diz Meireles.

A Ágora Investimentos têm recomendação de compra para AZUL4 e preço-alvo de R$ 23. Atualmente o papel está cotado em R$ 21,57. “Se a empresa atingir o preço, mas continuar mostrando preservação de caixa e o número de voos começar a subir, a gente deve revisar o preço para cima”, ressalta Meireles.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos