MGLU3 R$ 8,06 -7,36% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
MGLU3 R$ 8,06 -7,36% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
Delay: 15 min
Mercado

Setor de educação é ‘reprovado’ e despenca em outubro no Ibovespa

Cogna e Yduqs foram as empresas mais penalizadas no fechamento do mês

Painel exibe Cogna e desdobramentos da empresa
Cogna Educação (Crédito: Arquivo Estadão)
  • A Cogna (COGN3) teve a terceira pior baixa do índice na bolsa, com -17,37%, e a Yduqs (YDUQ3) teve a sexta maior queda (-15,94%) no período
  • Para especialistas ouvidos pelo E-Investidor, o saldo negativo reflete mais a falta de certezas com a pandemia de coronavírus e de novidades do setor, do que a acontecimentos específicos que poderiam ter prejudicado o desempenho
  • A maior desvalorização do Ibovespa em outubro ficou com a CVC, cuja ação CVCB3 caiu 23,81% no período, negociada a R$ 12,29 no final do pregão desta sexta-feira (30). Na sequência, aparecem Lojas Americanas (LAME4-5,67%), com queda de 17,96% e papel negociado a R$ 23,29

O mês de outubro foi de boas notícias para mineradoras e bancos na B3, mas também de resultados ruins para o setor de educação, com duas companhias entre as seis maiores quedas do Ibovespa no mês. A Cogna (COGN3) teve a terceira pior baixa do índice na bolsa, com -17,37%, e a Yduqs (YDUQ3) teve a sexta maior queda (-15,94%) no período. Em outubro, o IBOV recuou apenas 0,69%.

Para especialistas ouvidos pelo E-Investidor, o saldo negativo repete o de meses anteriores e reflete mais a falta de certezas com a pandemia do coronavírus e de novidades do setor do que acontecimentos específicos que poderiam ter prejudicado o desempenho.

“É um nicho que ainda sofre com a pandemia. A expectativa sobre as aulas, como será o ‘novo normal’ e se teremos aula somente on-line são fatores que com certeza impactam o setor”, avalia Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de renda variável e derivativos do BTG Pactual digital.

No encerramento do pregão desta sexta-feira (30), o papel COGN3 foi negociado a R$ 4,28, enquanto a ação YDUQ3 fechou o dia cotada a R$ 23,04.

A falta de grandes novidades foi outro destaque em outubro, segundo Luís Salles, analista da Guide Investimentos. Para o especialista, pesou para as empresas o fato de que o semestre já está “perdido” para as empresas de educação.

“É um setor semestral e este segundo semestre já está perdido. Ninguém vai entrar nas universidades em outubro ou novembro. Apesar da reabertura, o impacto só vai ser sentido no ano que vem”, avalia Salles.

Mesmo com o cenário morno, algumas notícias provocaram algum tipo de estresse, que pode ter sido absorvido pelos papéis. No caso de COGN3, Aline Tavares, especialista em ações da Spiti, lembra da polêmica envolvendo o IPO da Vasta, filial da companhia nos Estados Unidos. Investidores se sentiram frustrados após a divulgação do balanço do segundo trimestre de 2020 e acusam a Vasta de ter omitido informações no seu IPO

No caso da YDQ3, algum ruído pode ter afetado os papéis após a empresa ficar de fora da disputa pela empresa norte-americana Laureate. A Yducs chegou a oferecer R$ 4 bilhões, mas a competição se estendeu apenas com a Ânima (ANIM3) e Ser Educacional (SEER3).

“As pessoas até evitam investir nesse setor por conta dessas disputas. Apesar da Yduqs não estar mais no meio do bolo, ela acabou saindo da briga há pouco tempo. A Cogna está com quedas expressivas há algum tempo, principalmente em função da Vasta. O ambiente se torna negativo”, diz Tavares.

Entre as demais companhias do setor de educação, que não estão na carteira do Ibovespa, só o papel ANIM3 teve alta (6,98%), com cotação de R$ 27,91. A ação da Bahema (BAHi3) caiu 11,21% e fechou o mês negociada a R$ 87,45, e o papel SEER3 caiu 6,07%, cotado a R$ 13,30.

As maiores quedas do mês

A maior desvalorização do Ibovespa em outubro ficou com a CVC, cuja ação CVCB3 caiu 23,81% no período, negociada a R$ 12,29 no final do pregão desta sexta-feira (30). Na sequência, aparecem Lojas Americanas (LAME4), com queda de 17,96% e papel negociado a R$ 23,29.

“Apesar de vermos alguma retomada de viagens corporativas, o setor está mais penalizado, por exemplo, nessa questão de pacotes internacionais. O turismo vai demorar mais para retomar”, analisa Zanlorenzi.

Leia também:Pacote de viagem com preço mágico: vale a pena ou é furada?

No caso de Lojas Americanas, Zanlorenzi avalia que o setor de consumo teve queda, uma vez que o Brasil ainda está em níveis lentos de retomada de crescimento.

“Lojas Americanas tem uma indexação maior às vendas físicas. O que prejudica um pouco”, diz Zanlorenzi.

Confira as dez maiores quedas do Ibovespa em outubro

NomeCódigoRetorno (%)
1CVC BrasilCVCB3-23,81%
2Lojas AmericanasLAME4-17,96%
3CognaCOGN3-17,37%
4B2WBTOW3-16,54%
5IRB BrasilIRBR3-16,42%
6YduqsYDUQ3-15,94%
7EcorodoviasECOR3-15,79%
8UltraparUGPA3-14,74%
9MinervaBEEF3-14,65%
10CieloCIEL3-13,74%

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos