MGLU3 R$ 7,05 +4,29% EURO R$ 6,40 +0,24% BBDC4 R$ 20,76 -0,29% ITUB4 R$ 22,98 -0,35% DÓLAR R$ 5,66 +0,06% IBOVESPA 105.069,69 pts +0,58% ABEV3 R$ 16,00 -0,06% PETR4 R$ 28,76 +1,41% GGBR4 R$ 27,85 +0,69% VALE3 R$ 71,87 -2,20%
MGLU3 R$ 7,05 +4,29% EURO R$ 6,40 +0,24% BBDC4 R$ 20,76 -0,29% ITUB4 R$ 22,98 -0,35% DÓLAR R$ 5,66 +0,06% IBOVESPA 105.069,69 pts +0,58% ABEV3 R$ 16,00 -0,06% PETR4 R$ 28,76 +1,41% GGBR4 R$ 27,85 +0,69% VALE3 R$ 71,87 -2,20%
Delay: 15 min
Mercado

Por que é hora de investir em TAEE11, CESP6 e ENGI11

O segmento de transmissão é considerado o mais resiliente em seus resultados

conta-luz-aneel-energia-eletrica-transmissao
(Foto Marcelo Min/Estadão)
  • O consumo de energia elétrica no país apresentou retração de 11% após a adoção de medidas de isolamento social para combate à covid-19
  • A indústria automotiva se manteve como um dos segmentos com maior queda no consumo de energia
  • Principais recomendações no setor pela Ágora Investimentos: Taesa (TAEE11), Cesp (CESP6), Energisa (ENGI11).

O consumo de energia elétrica no país apresentou retração de 11% após a adoção de medidas de isolamento social para combate à covid-19, de acordo com estudo realizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

O percentual considera a média do Sistema Interligado Nacional (SIN) no período entre 21 de março e 08 de maio deste ano com a mesma base de comparação em 2019.

Quando se compara a média entre as três primeiras semanas de março, antes do início das medidas restritivas, com a média do período após o começo do distanciamento social, a demanda por eletricidade recuou 15%.

Ramos de atividade

Ao se analisar o desempenho do consumo de energia por ramo de atividade, buscamos os dados da indústria para avaliar o comportamento da demanda de energia durante o período da pandemia. A conclusão é que a indústria automotiva se manteve como um dos segmentos com maior queda no consumo de energia.

A média de consumo em abril foi 66% menor em comparação com o mesmo período em 2019. Já a média dos oito primeiros dias de maio verificou queda menor de consumo: 50% ante os mesmos dias de maio do ano passado.

Outro segmento que reduziu a queda de consumo foi o de bebidas, que havia registrado média 33% menor em relação a abril de 2019 e passou para 15% a menos em maio. A indústria têxtil manteve a mesma tendência de queda expressiva: 46% em abril e 48% em maio, ambos os meses comparados com os mesmos de 2019.

Abaixo encontra-se o gráfico com o desempenho dos principais segmentos impactados pela covid-19:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Analisando nossa cobertura, cabe ressaltar que existem três subsetores: transmissão de energia, geração e distribuição. O segmento de transmissão é considerado o mais resiliente em seus resultados, uma vez que a transmissora é remunerada pela disponibilidade da linha e não pela quantidade de energia transmitida.

No caso da geração, o segmento também é menos impactado no curto prazo, mas pode haver uma pressão nos preços de energia, o que pode reduzir a receita das empresas à frente. O segmento mais afetado pela pandemia é o de distribuição, uma vez que este é responsável pela cobrança das tarifas, lidando com aumento da inadimplência e com a perda de energia (perdas técnicas ou não técnicas, os populares “gatos”).

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos