MGLU3 R$ 2,41 +1,68% ITUB4 R$ 23,08 -1,11% EURO R$ 5,43 +0,36% DÓLAR R$ 5,20 +0,31% IBOVESPA 99.621,58 pts -0,96% BBDC4 R$ 17,60 -1,95% GGBR4 R$ 23,14 -1,11% PETR4 R$ 28,08 -0,42% VALE3 R$ 78,79 -1,03% ABEV3 R$ 13,61 +0,00%
MGLU3 R$ 2,41 +1,68% ITUB4 R$ 23,08 -1,11% EURO R$ 5,43 +0,36% DÓLAR R$ 5,20 +0,31% IBOVESPA 99.621,58 pts -0,96% BBDC4 R$ 17,60 -1,95% GGBR4 R$ 23,14 -1,11% PETR4 R$ 28,08 -0,42% VALE3 R$ 78,79 -1,03% ABEV3 R$ 13,61 +0,00%
Delay: 15 min
Mercado

Vale está entre as 10 empresas que mais pagam dividendos no mundo

Índice da gestora Janus Henderson mostra aumento de 7,4% nos dividendos de empresas brasileiras no 1T22

Vale está entre as 10 empresas que mais pagam dividendos no mundo
A Vale é uma das maiores empresas de mineração do mundo (Foto: Denis Balibouse/Reuters)
  • A distribuição de dividendos feita por empresas brasileiras aumentou 7,4% no primeiro trimestre de 2022, mostra a 34ª edição do Janus Henderson Global Dividend Index
  • O relatório da gestora global de investimentos dá destaque especial para a Vale (VALE3), que permaneceu na lista das dez maiores empresas pagadoras de dividendos do mundo no primeiro trimestre do ano
  • Além do desempenho da mineradora, os resultados positivos no Brasil foram impulsionados também pela retomada dos pagamentos aos investidores da Ambev, que distribuiu US$ 1,2 bilhões no 1T22

A distribuição de dividendos feita por empresas brasileiras aumentou 7,4% no primeiro trimestre de 2022. O crescimento é sinal de uma continuidade da recuperação pós pandemia no mercado doméstico, de acordo com dados da 34ª edição do Janus Henderson Global Dividend Index. O relatório da gestora global de investimentos dá destaque especial para a Vale (VALE3), que permaneceu na lista das dez maiores empresas pagadoras de dividendos do mundo no primeiro trimestre e pelo segundo ano consecutivo.

Pressionada pelos preços mais baixos do minério de ferro no final do ano passado, os dividendos da mineradora saíram de US$ 4,0 bilhões no primeiro trimestre de 2021 para US$ 3,6 bilhões no mesmo período deste ano. Mesmo assim, a empresa não perdeu o lugar no top 10 no ranking feito pela Janus Henderson, à frente de gigantes internacionais como a Apple.

Além do desempenho da mineradora, os resultados positivos no Brasil foram impulsionados também pela retomada dos pagamentos aos investidores da Ambev, que distribuiu US$ 1,2 bilhões no 1T22, e acabou compensando um corte nos dividendos do Bradesco no começo do ano.

A boa performance das empresas brasileiras no índice Janus Henderson colaborou para que a distribuição de proventos nos países emergentes aumentasse 45% no primeiro trimestre de 2022, em comparação ao mesmo período de 2021. No relatório, a gestora atribui parte dos resultados dos emergentes à alta proporção de empresas de mineração e energia dentro desses mercados. Em todo o mundo, os pagamentos de mineração subiram 29,7%, enquanto os dividendos das empresas petrolíferas saltaram 31,8%.

Com os resultados de 1T22, a Janus Henderson corrigiu as expectativas quanto à remuneração de dividendos no total do ano de 2022 para US$ 1,54 trilhão – um aumento de 1,3% na última previsão feita há três meses. Mas isso não mudou a visão para os desafios no ano.

“A economia mundial está atualmente assolada por uma série de desafios – a guerra na Ucrânia, tensões geopolíticas crescentes, altos preços de energia e commodities, inflação rápida e um ambiente de taxas de juros crescentes. A pressão descendente resultante sobre o crescimento econômico afetará os lucros das empresas em vários setores”, diz no relatório Jane Shoemake, gerente de carteira de clientes da Janus Henderson.

Primeiro trimestre recorde no mundo

O relatório da Janus Henderson mostra números positivos quanto à remuneração de investidores, principalmente tendo em vista a forma como a eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia, em fevereiro, adicionou volatilidade no mercado no período; o que poderia ter afetado o lucro das grandes companhias pelo mundo.

Apesar das instabilidades, os dividendos globais aumentaram 11%, atingindo US$ 302,5 bilhões, mostra o Índice Global de Dividendos – um recorde de para os três primeiros meses do ano que costumam ser sazonalmente mais tranquilos. Além disso, 94% das empresas que compõem o índice aumentaram ou mantiveram estáveis a remuneração de proventos.

“Parte do motivo dessa força é a normalização contínua dos pagamentos após a interrupção causada pela pandemia. O primeiro trimestre de 2021 viu cortes significativos de dividendos, por isso fornece uma base relativamente baixa para comparação. No entanto, o crescimento também reflete a robusta recuperação econômica pós-covid que ocorreu em grande parte do mundo em 2021 e no início de 2022”, diz o relatório.

Olhando para um recorte regional, o destaque é a América do Norte: os Estados Unidos e o Canadá atingiram o maior recorde trimestral de todos os tempos, com crescimento amplo em todos os setores e 99% das empresas dos EUA aumentando ou mantendo o patamar dos pagamentos.

Confira o top 10 das melhores pagadoras de dividendos no mundo:

Empresa
BHP
Novartis AG
A.P. Moller Maersk AS
Roche Holding AG
Microsoft Corporation
Siemens AG
Exxon Mobil Corp.
AT&T, Inc
Vale S.A.
Apple Inc

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos