EURO R$ 5,98 -0,71% MGLU3 R$ 6,71 -7,06% DÓLAR R$ 5,37 -0,75% BBDC4 R$ 22,60 +1,44% PETR4 R$ 32,54 -3,96% ABEV3 R$ 14,93 -3,05% ITUB4 R$ 24,79 +1,35% IBOVESPA 111.910,10 pts -0,62% VALE3 R$ 83,66 -0,98% GGBR4 R$ 28,07 +0,39%
EURO R$ 5,98 -0,71% MGLU3 R$ 6,71 -7,06% DÓLAR R$ 5,37 -0,75% BBDC4 R$ 22,60 +1,44% PETR4 R$ 32,54 -3,96% ABEV3 R$ 14,93 -3,05% ITUB4 R$ 24,79 +1,35% IBOVESPA 111.910,10 pts -0,62% VALE3 R$ 83,66 -0,98% GGBR4 R$ 28,07 +0,39%
Delay: 15 min
Últimas notícias

BNDES quer oferta da Eletrobras a mercado no começo de 2022

O presidente do banco, Gustavo Montezano reafirmou a data para a concretização da privatização da estatal

Logo da Eletrobras
Logo da Eletrobras (Foto: Brendan McDermid/Reuters)

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, reafirmou há pouco a intenção da instituição de fomento de fazer a oferta de ações que levará à privatização da Eletrobras no início de 2022. O BNDES coordena a estruturação da privatização.

“Estamos trabalhando para que, no começo do ano que vem, possamos trazer para mercado a oferta. Temos as dificuldades de qualquer privatização, mas estamos otimistas de que vamos chegar lá”, afirmou Montezano, em participação durante evento online da consultoria especializada em análise de investimentos Empiricus.

O executivo também aproveitou para reafirmar os prazos previstos para a privatização do Correios – também esperada para o início de 2022 – e reafirmar a estratégia de venda das participações acionárias de grande companhias detidas pela BNDESPar, a empresa de participações do banco de fomento.

“Não é função do banco publico de desenvolvimento ficar carregando R$ 120 bilhões em ações”, afirmou Montezano, repetindo os argumentos já oferecidos pela diretoria, ao defender a venda, como a ideia de que um banco de desenvolvimento não deveria ficar exposto ao risco de participações acionárias de grandes companhias estabelecidas, com pouco efeito sobre o fomento ao desenvolvimento. Disse também que a venda dos R$ 70 bilhões em ações ainda em carteira se daria de forma “parcimoniosa e cautelosa”, como foi no caso dos R$ 65 bilhões já vendidos desde meados de 2019.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos