EURO R$ 6,23 -0,09% MGLU3 R$ 23,74 +1,89% ITUB4 R$ 30,30 +1,13% DÓLAR R$ 5,14 +0,00% BBDC4 R$ 25,76 +0,70% ABEV3 R$ 14,74 +0,27% GGBR4 R$ 23,01 +2,36% PETR4 R$ 27,42 +2,93% VALE3 R$ 81,98 +3,82% IBOVESPA 113.624,88 pts +1,19%
EURO R$ 6,23 -0,09% MGLU3 R$ 23,74 +1,89% ITUB4 R$ 30,30 +1,13% DÓLAR R$ 5,14 +0,00% BBDC4 R$ 25,76 +0,70% ABEV3 R$ 14,74 +0,27% GGBR4 R$ 23,01 +2,36% PETR4 R$ 27,42 +2,93% VALE3 R$ 81,98 +3,82% IBOVESPA 113.624,88 pts +1,19%
Delay: 15 min

Desmistificando o mercado financeiro

Leandro Miranda é responsável pela Ágora Investimentos e diretor-executivo e de Relações com Investidores do Bradesco. Liderou a área de Investment Banking quando o BBI foi escolhido por Euromoney, Global Finance e The Banker como o Melhor Banco de Investimento do Brasil e o Banco de Investimento mais Inovador da América Latina por três anos consecutivos (2016, 2017 e 2018).

Escreve às segundas-feiras, a cada 15 dias

Leandro Miranda

Como investir em ações nos tempos atuais

Você precisa decidir em qual ponto da curva entre valor e crescimento terá mais segurança

Foto: Pixabay
  • O que justifica a subida contínua do preço de algumas ações, bem acima de qualquer padrão de múltiplos encontrado na história?
  • Além da resposta de formação de bolha por excesso de liquidez circulante, pode-se atribuir a um crescimento forte e acelerado da tecnologia que cria mercados em tamanho e velocidade nunca antes imaginados para cada vez mais clientes e preservando altas margens

Estamos vivendo uma pandemia, a economia mundial desacelerou e os governos estão promovendo taxas de juros baixas ou até mesmo negativas, além de injeções seguidas de capital para estimulá-la. Mas, por que há ações cujos preços não param de subir enquanto outras ainda se encontram bem descontadas em relação ao seu preço pré-pandemia? Por que muitas batem recordes sucessivos? Por que várias destas estão acima de todos os níveis históricos? Muitos acreditam em bolhas prestes a estourar, mas outros acreditam que há algo mais e justificável.

O preço de uma ação é função da expectativa de fluxos de caixa futuro, taxa de desconto e crescimento.

Existe um consenso de que, em breve, haverá uma vacina para o vírus que nos assola, mas que as taxas de juros permanecerão em níveis muito baixos por um longo tempo para que a economia possa se recuperar, retomar níveis ótimos de emprego e a partir de então a política monetária voltaria a ficar mais preocupada com controle de inflação e menos com o resgate da economia. Só isso já justificaria um mercado acionário forte por um bom tempo de acordo com os parâmetros históricos.

Mas, o que justifica a subida contínua do preço de algumas ações, bem acima de qualquer padrão de múltiplos encontrado na história?

Além da resposta de formação de bolha por excesso de liquidez circulante, pode-se atribuir a um crescimento forte e acelerado da tecnologia que cria mercados em tamanho e velocidade nunca antes imaginados para cada vez mais clientes e preservando altas margens, ou seja, um crescimento (g) mais longo, forte e acelerado do que jamais registramos.

É por isso que vemos empresas como Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft atingirem múltiplos crescentes, muitas vezes diariamente, em níveis nunca antes obtidos. Elas não só têm lucros cada vez maiores, em velocidade cada vez mais rápida, como ainda possuem a capacidade de gerar novos negócios para mais clientes em seus mercados bem como devem acessar e/ou criar mais mercados no futuro. E, neste caso, sua fatia de mercado, nível elevadíssimo de investimento em tecnologia e posição de liderança as diferenciam de forma privilegiada para criar novas tecnologias, mercados ou para comprar qualquer um que apareça de forma disruptiva para seus negócios, tornando-as ainda mais fortes. E, fazem isto, tomando decisões rápidas e pagando múltiplos altos, pois a liderança isolada em seus segmentos as possibilita atingir múltiplos ainda maiores na sequência num ciclo virtuoso. Basicamente, tem-se a percepção de que seu negócio potencial é múltiplas vezes maior do que o atual e encontra-se, continuamente, em expansão.

No entanto, vale lembrar que são empresas de tecnologia e que a tecnologia se torna obsoleta com o tempo e cada vez mais rapidamente. E a tecnologia delas pode ser substituída por suas próprias inovações ou por terceiros que não sejam comprados e que virem os novos gigantes. Além disso, os múltiplos ultra elevados deixam implícito um fortíssimo e contínuo crescimento de seus lucros, o que não é nada óbvio. Tecnologia é alto risco na essência para um alto retorno esperado e qualquer o preço de qualquer uma dessas ações pode despencar a qualquer momento acentuada e rapidamente. Além disso, como o mercado não está acostumado com esses múltiplos tão altos e que continuam crescendo, num curto prazo, correções são realizadas como as que vimos na quinta-feira, 3/9. Mas, são testes em que o mercado paga pra ver se elas podem retomar preços e seus múltiplos. Se não passarem, haverá correções mais acentuadas. Mas, se passarem, seus preços além de se recuperarem, podem atingir patamares ainda mais altos.

Por outro lado, há empresas cujo produto ou serviço são permanentes ou, ao menos, de longa duração. Comida, bebida, higiene, limpeza, energia, saneamento e imóveis são alguns bons exemplos. Não apresentam o alto crescimento e as altas margens das empresas de tecnologia, mas são empresas de menor risco cujos produtos e serviços são valorizados e quase que perenes para os seus clientes. E, em época de juros baixos, têm boa valorização e pagam bons dividendos se a economia estiver bem. São as chamadas empresas de valor.

Se você conversar com diferentes investidores sobre o que determina o valor dos seus investimentos e suas escolhas em ações, vai ouvir diferentes teorias: (1) o valor presente dos fluxos de caixa de uma companhia; (2) os múltiplos de preço/lucro; (3) o comportamento dos preços no mercado determinados pela oferta e procura, volumes negociados e as linhas de suporte e resistência; (4) recomendações de especialistas; e (5) as suas percepções (feelings). Qual teoria está certa? Todas estão.

O que vale na sua escolha é o seu apetite de risco, suas crenças, por quanto tempo pode manter o seu capital investido e ter disciplina para seguir seu plano à risca. Precisa decidir em qual ponto da curva entre valor e crescimento irá sentir-se confortável e buscar empresas com este perfil.

As empresas, por sua vez, estão adaptando o seu modelo de negócios, para que tenham mais tecnologia e crescimento, bem como mais valor na vida das pessoas e sejam mais permanentes, além de serem percebidas como Empresas Sustentáveis. Observe estes movimentos com atenção e analise também quais as que têm liderança, gestão, vontade, capacidade e velocidade de decisão e implementação para transformar-se na líder e first mover em seu segmento num mundo em rápida e constante mutação. Escolha as que admira, as que você acredita que irão sobreviver e liderar o novo mundo.

No futuro, tudo irá convergir e the winner takes it all.

Fale com o colunista por aqui: miranda.leandro@bradesco.com.br

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos