EURO R$ 6,15 -0,83% DÓLAR R$ 5,22 -0,37% ABEV3 R$ 16,02 -2,62% ITUB4 R$ 28,52 -1,45% MGLU3 R$ 16,62 -2,29% GGBR4 R$ 27,33 -1,20% IBOVESPA 115.062,54 pts -0,96% BBDC4 R$ 21,04 -0,94% VALE3 R$ 91,74 -2,52% PETR4 R$ 26,33 +1,55%
EURO R$ 6,15 -0,83% DÓLAR R$ 5,22 -0,37% ABEV3 R$ 16,02 -2,62% ITUB4 R$ 28,52 -1,45% MGLU3 R$ 16,62 -2,29% GGBR4 R$ 27,33 -1,20% IBOVESPA 115.062,54 pts -0,96% BBDC4 R$ 21,04 -0,94% VALE3 R$ 91,74 -2,52% PETR4 R$ 26,33 +1,55%
Delay: 15 min

Interpretando dados que abalam o mercado

Rafael Paschoarelli é professor de finanças na FEA/USP e INSPER e diretor da ComDinheiro.

Escreve mensalmente, às quartas-feiras

Rafael Paschoarelli

Benefícios e malefícios da massificação de influenciadores de finanças

O maior risco é o de perda de qualidade na informação transmitida

Foto: Pixabay
  • O tema educação financeira passou a ocupar lugar de destaque nas redes sociais com um número significativo de influenciadores digitais, canais no YouTube, Instagram, Telegram e Twitter
  • existem indícios que a massificação da informação financeira esteja dando bons frutos e, numa análise de custo/benefício, concluo que vale a pena viralizar informação, ainda que parte dela seja de qualidade duvidosa
  • Porém, no momento em que as pessoas físicas não sejam capazes de distinguir “um curso de investimentos” da mais deslavada recomendação de investimentos, o órgão regulador deve agir

A internet e as redes sociais são um campo aberto para qualquer um se autodeclarar especialista em algum tema. O mesmo ocorre quando o assunto é educação financeira, investimentos e finanças pessoais.

O tema educação financeira passou a ocupar lugar de destaque nas redes sociais com um número significativo de influenciadores digitais, canais no YouTube, Instagram, Telegram e Twitter.

Entre estes influenciadores existem professores de finanças, investidores milionários e bilionários, autores de livros, gestores de fundos, profissionais de marketing, educadores e a lista não para de crescer.

O lado bom é que mais e mais pessoas são inoculadas com informações sobre investimentos e finanças pessoais em escala nunca vista antes no Brasil. Como todo processo de massificação, existe o risco de perda de qualidade na informação transmitida.

Isto posto, é cabível perguntar se vale a pena massificar a informação mesmo sabendo que sua qualidade provavelmente cairá. Antes de responder à pergunta, queria esclarecer alguns pontos:

1) O processo de viralização da informação por diferentes canais não pode ser controlado;

2) Não passa pela cabeça de ninguém exigir uma certificação ou diploma para cada pessoa que opine sobre investimentos em algum canal do YouTube;

3) Existe o risco de se valer do conceito de “Curso sobre Investimentos” para claramente fazer apologia/recomendação de investimentos;

4) Existe o risco do digital influencer conduzir um efeito manada;

5) A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) não tem braço suficiente para exercer controle sobre tudo o que é dito ou postado.

Na minha opinião, existem indícios que a massificação da informação financeira esteja dando bons frutos e, numa análise de custo/benefício, concluo que vale a pena viralizar informação, ainda que parte dela seja de qualidade duvidosa.

Vejamos:

  • No auge da crise em março/2020, as pessoas físicas não saíram da Bolsa e também não se desfizeram de suas posições em fundos de ações;
  • Este admirável comportamento trouxe resultados concretos para estas pessoas físicas, dado que boa parte desses fundos que sofreram pesadas perdas em março e abril/20 já voltaram aos patamares pré-crise;
  • Foi-se o tempo em que o brasileiro médio apenas considerava produtos bancários (caderneta de poupança, por exemplo) na hora de fazer seus investimentos;
  • Os próprios bancos redesenharam suas grades de produtos, dado que seus clientes passaram a exigir produtos de mais qualidade;
  • As plataformas digitais de investimento, antes restritas ao público entendido de mercado financeiro, continuam a se expandir capturando clientes outrora alienados em termos de educação financeira.

Em resumo, creio que o tsunami de informações sobre investimentos traga mais benefícios que malefícios e, gradativamente, as pessoas aprenderão a separar informações boas das más. No limiar em que as pessoas físicas não sejam capazes de distinguir “um curso de investimentos” da mais deslavada recomendação de investimentos, o órgão regulador deve agir.

Neste ponto, é importante que os órgãos de regulação e controle desenvolvam mecanismos para separar uma opinião sobre um tema de investimentos de uma recomendação, particularmente se esta recomendação for feita por indivíduo sem autorização para tal.

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos