Comportamento

O que grandes investidores disseram sobre a morte de Munger

Diferentes personalidades ressaltaram nas redes sociais o legado do investidor

O que grandes investidores disseram sobre a morte de Munger
Charlie Munger (Foto: REUTERS / Lane Hickenbottom)
  • Charlie Munger, o "braço-direito" do megainvestidor americano Warren Buffett na Berkshire Hathaway, morreu aos 99 anos
  • Detentor de uma fortuna estimada em cerca de US$ 2,3 bilhões no início de 2023, Munger era um dos principais nomes do mercado financeiro
  • Em carta da Berkshire Hathaway, Warren Buffett comentou sobre a morte do amigo

Charlie Munger, o “braço-direito” do megainvestidor americano Warren Buffett na Berkshire Hathaway, morreu aos 99 anos em um hospital na Califórnia, nos Estados Unidos. A informação foi confirmada na tarde desta terça-feira (28) pela própria companhia, que não detalhou a causa da morte.

Detentor de uma fortuna estimada em cerca de US$ 2,3 bilhões no início de 2023, Munger era um dos principais nomes do mercado financeiro, influenciando gerações com sua filosofia de investimento em empresas a longo prazo.

A parceria de mais de seis décadas que manteve com Buffett começou em 1959, quando ambos se conheceram em um jantar. Segunda uma reportagem do Dow Jones Newswires, o megainvestidor apelidou Munger de “abominável homem do não” pela forma como rejeitava potenciais investimentos, inclusive alguns que Buffett, sozinho, poderia ter feito de maneira diferente.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Em carta da Berkshire Hathaway, Warren Buffett comentou sobre a morte do amigo. “A Berkshire Hathaway não poderia ter chegado ao seu status atual sem a inspiração, sabedoria e participação de Charlie.”

Pelas redes sociais, nomes conhecidos do mercado financeiro repercutiram a morte de Munger. No X (antigo Twitter), Sahil Bloom, vice-presidente e consultor da Altamont Capital Partners, fundo de investimento com mais de US$ 3,5 bilhões em capital sob gestão, enfatizou como o legado de Munger ecoará pela eternidade.

“Charlie Munger certa vez ofereceu o que considero o melhor conselho de vida que alguém pode receber: Como encontrar um bom cônjuge? A melhor maneira é merecer um bom cônjuge… Para conseguir o que deseja, você tem que merecer o que deseja”, relembrou Bloom.

No Linkedin, Robert Mangrelli, diretor geral da Chatham Financial, uma das maiores empresas independentes de consultoria e tecnologia em gestão de risco financeiro dos Estados Unidos, também lamentou a morte do megainvestidor.

“Triste ao saber do falecimento do lendário Charlie Munger. Embora sua discussão sobre ‘febezzle’ certamente não seja o que Charlie era mais conhecido, eu sempre achei que era ilustrativo de sua perspicácia e sagacidade”.

Publicidade

Munger cunhou o termo “febezzle” para representar práticas equivocadas de gestão de investimentos que poderiam ocorrer por muito mais tempo do que fraudes diretas. A palavra é derivada de “bezzle”, expressão de John Kenneth Galbraith, consagrado economista norte-americano.

John LeFevre, ex-banqueiro de investimentos do Salomon Brothers e do Citigroup, foi outro que relembrou as lições marcantes do megainvestidor. “A fórmula de Charlie Munger para o sucesso é simples e perfeita: gaste menos do que ganhe, invista com prudência, evite pessoas e atividades tóxicas, adie a gratificação, nunca pare de aprender”, elencou em publicação no X.

Nomes do mercado brasileiro também comentaram a morte de Munger. Tiago Reis, fundador da Suno Research, destacou em postagem nas redes sociais como aprendeu com o megainvestidor, que nomeou como “gênio”. Um dos ensinamentos foi sobre a importância da margem de segurança. “Você só deve investir em um ativo se ele estiver valendo menos do que deveria valer. Precificação é difícil de fazer, mas se você colocar as premissas você chega no valuation correto”, destacou.

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos