DÓLAR R$ 5,37 +0,05% EURO R$ 6,34 -0,05% BBDC4 R$ 21,19 -0,05% MGLU3 R$ 80,60 +0,19% ITUB4 R$ 24,50 +0,00% ABEV3 R$ 13,20 -0,08% IBOVESPA 100.460,60 pts -1,62% GGBR4 R$ 17,83 -0,17% PETR4 R$ 22,71 -0,57% VALE3 R$ 60,60 +0,41%
DÓLAR R$ 5,37 +0,05% EURO R$ 6,34 -0,05% BBDC4 R$ 21,19 -0,05% MGLU3 R$ 80,60 +0,19% ITUB4 R$ 24,50 +0,00% ABEV3 R$ 13,20 -0,08% IBOVESPA 100.460,60 pts -1,62% GGBR4 R$ 17,83 -0,17% PETR4 R$ 22,71 -0,57% VALE3 R$ 60,60 +0,41%
Delay: 15 min
Educação Financeira

Melhor investir em fundos ou CDI? O índice de Sharpe vai te dizer

Indicador ajuda na comparação e escolha de produtos que podem oferecer o maior retorno com o menor risco envolvido

Impostos, contas, calculadora
Foto: Pixabay
  • O índice de Sharpe compara uma opção de investimento de risco (fundo), com outra opção livre de risco (CDI), considerando a volatilidade (oscilação), em um mesmo período de tempo
  • A título de Brasil, costuma-se utilizar o CDI ou a Selic na equação como o ativo com retorno livre de risco
  • As informações sobre o Sharpe costumam estar na lâmina dos fundos. Há também alguns sites gratuitos que fazem esse tipo de comparação

Se a ida do investidor pessoa física para investimentos de risco, como ações e fundos, é um caminho sem volta, só o futuro irá mostrar. Mas como têm crescido o interesse e a predisposição por retornos melhores do que a renda fixa, muito afetada pelos juros baixos, é fundamental que os novos investidores entendam mais sobre os riscos do ambiente onde estão entrando, para tomar decisões minimamente seguras. E quem busca se expor a fundos de ações ou multimercados precisa ser apresentado ao índice de Sharpe.

Esse indicador compara uma opção de investimento de risco (fundo), com outra opção livre de risco (CDI), considerando a volatilidade (oscilação), em um mesmo período de tempo. Quem chegou a essa “medida” foi o economista norte-americano e Prêmio Nobel 1990 William Forsyth Sharpe, através de uma equação.

A conta não é complicada. Consiste em uma subtração do retorno do ativo de risco pelo retorno do ativo sem risco, dividida pela volatilidade. Quanto maior for o resultado, maior é a chance de ter um retorno mais atrativo, em relação ao risco que se tomou. Quanto mais próximo de zero, menos atrativo é a aplicação.

O analista de produtos financeiros da Ágora Investimentos, Pietro Reckman, explica que o índice pode ser visto como um forma de analisar o desempenho do gestor do fundo, responsável por gerir todos os ativos que compõem esse produto. A título de Brasil, costuma-se utilizar o CDI ou a Selic na equação como o ativo com retorno livre de risco.

“É importante ter uma certa similaridade [entre os fundo], para poder usar esse indicador. Geralmente, um fundo de ação vai ter uma volatilidade, um risco muito mais alto do que um fundo multimercados”, destaca o analista da Ágora.

As informações sobre o Sharpe costumam estar na lâmina dos fundos. Há também alguns sites gratuitos que fazem esse tipo de comparação, como Mais Retorno e Vérios. Para os adeptos do papel, caneta, e calculadora, um lembrete fundamental para acertar na conta é usar todos fatores da equação, o retorno de risco (fundo), o retorno sem risco (CDI) e a volatilidade (oscilação), sempre com base no mesmo período de tempo, por exemplo, o último ano.

“Tem que tomar cuidado porque a Selic está em 2,25% ao ano. Mas não é esse valor de hoje que tem que considerar nessa conta. Tem que considerar o dos últimos 12 meses”, exemplifica Pietro.

O sócio-fundador da Veedha Investimentos, Rodrigo Marcatti, explica que é muito importante para os investidores conheceram mais sobre os meandros dos investimentos para melhor tomarem suas decisões.

“Cansei de ver situações que o investidor chega com uma demanda pronta, simplesmente porque fez um filtro pelo melhor retorno no período e escolheu o que teve o melhor retorno no passado. Isso sem entender quais foram os motivos que levaram aquele fundo a dar maior retorno, no caso, qual foi o tamanho do risco que o fundo correu naquele período”, comenta Rodrigo.

O especialista explica que os números podem enganar à primeira. É preciso ter em mente se o retorno compensa o risco assumido. Por isso, é preciso entender o seu perfil de investimento e, para quem tem acesso, consultar um assessor de investimentos.

“O que a gente procura é buscar a fronteira eficiente. Ou seja, mesclar os ativos, fazer uma carteira diversificada, usando várias estratégias possíveis, correndo o menor risco possível na combinação dos ativos, para obter aquele retorno”, resume Rodrigo.

Nossos editores indicam este conteúdo para você investir cada vez melhor:
Bolha ou realidade? O que levou as bolsas americanas aos índices pré-pandemia

Invista com o apoio de conteúdos exclusivos e diários. Cadastre-se na Ágora Investimentos
DÓLAR R$ 5,37 +0,05% EURO R$ 6,34 -0,05% BBDC4 R$ 21,19 -0,05% MGLU3 R$ 80,60 +0,19% ITUB4 R$ 24,50 +0,00% ABEV3 R$ 13,20 -0,08% IBOVESPA 100.460,60 pts -1,62% GGBR4 R$ 17,83 -0,17% PETR4 R$ 22,71 -0,57% VALE3 R$ 60,60 +0,41%
DÓLAR R$ 5,37 +0,05% EURO R$ 6,34 -0,05% BBDC4 R$ 21,19 -0,05% MGLU3 R$ 80,60 +0,19% ITUB4 R$ 24,50 +0,00% ABEV3 R$ 13,20 -0,08% IBOVESPA 100.460,60 pts -1,62% GGBR4 R$ 17,83 -0,17% PETR4 R$ 22,71 -0,57% VALE3 R$ 60,60 +0,41%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos