ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
Delay: 15 min
Investimentos

Quanto devo ter em renda fixa na carteira de investimentos?

Uma carteira de investimento equilibrada  é importante para maximizar os ganhos e reduzir os riscos de perda

(Fonte: Shutterstock)
  • Ter uma carteira de investimentos diversificada é a melhor estratégia para aumentar a possibilidade de lucro e reduzir os riscos de perdas
  • Mas não há uma fórmula ou porcentagem ideal para cada tipo de aplicação. A medida vai depender do perfil do investidor e qual será o seu objetivo
  • Por isso, é importante definir seus objetivos, analisar o cenário econômico e analisar se as suas metas estão adequadas para o seu momento de vida

(Por Aléxis Cerqueira Góis, especial para o E-Investidor) – Uma das principais dúvidas entre os investidores é a escolha entre renda fixa e renda variável. A resposta mais correta é que uma carteira de investimento diversificada, com uma composição equilibrada, é a melhor estratégia para aumentar a possibilidade de lucro e diminuir os riscos de perdas.

Embora a internet esteja cheia de fórmulas mágicas, não existe uma maneira direta de calcular a porcentagem ideal de cada aplicação em uma carteira de investimentos. A decisão de quanto ter em renda fixa depende de inúmeros fatores, incluindo o perfil do investidor, seus objetivos, o prazo de investimento e índices econômicos como taxa Selic e a projeção de inflação.

Como diversificar a carteira de investimentos

Mesmo investidores com maior tolerância ao risco devem manter parte das aplicações em renda fixa. (Fonte: Shutterstock/NicoElNino/Reprodução)

De maneira geral, especialistas recomendam que os investidores mais conservadores, que prezam mais pela segurança, tenham pelo menos 95% de sua carteira de investimentos aplicada em modalidades como poupança, Tesouro Direto, Certificado de Depósito Bancário (CDB), Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Letras de Crédito Agrícola (LCA), Fundos DI, entre outros.

Até mesmo os investidores mais arrojados, que visam um maior lucro e têm maior tolerância aos riscos, devem ter, no mínimo, 35% de seus investimentos alocados em títulos de renda fixa. Isso dá uma segurança em caso de amplas crises econômicas, como houve na pandemia, garantindo uma rentabilidade mínima.

Essas, porém, são recomendações generalistas de quanto ter em renda fixa que desconsideram características pessoais e expectativas sobre o comportamento de mercado que são essenciais para encontrar o caminho mais rentável e seguro para montar uma carteira de investimentos.

Por isso, caso não haja um analista financeiro disponível para montar sua carteira de investimentos, é importante ficar atento às diversas variáveis que podem ser resumidas nos passos abaixo.

1. Identifique o seu perfil de investidor

Antes de realizar qualquer aplicação financeira em renda fixa ou variável, é necessário conhecer o seu perfil de investidor. A tolerância a riscos de pessoa para pessoa varia de acordo com a faixa etária, a estabilidade, o nível de renda, a capacidade de poupar, número de dependentes, objetivos a longo prazo, entre outros.

Isso é tão importante que levou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a estabelecer uma norma para as instituições financeiras verificarem a adequação de seus produtos aos objetivos e perfil de risco de cada investidor, classificados em:

  • Investidores arrojados: visam obter o máximo de lucro possível em curto prazo, sem se importar com os riscos, pois não dependem dos recursos aplicados para sobreviver.
  • Investidores moderados: assumem certos riscos, caso tenham a expectativa de uma valorização a médio e longo prazo.
  • Investidores conservadores: utilizam as aplicações financeiras para construir uma reserva de emergência e precisam de opções mais seguras de investimento.
2. Saiba qual é o atual momento de sua vida

O investidor pode estar em momentos diferentes da vida e isso impacta diretamente na escolha de quais aplicações financeiras realizar. De modo geral, o ciclo financeiro de uma pessoa pode ser dividido em: acumulação, rentabilização ou preservação do patrimônio.

Na juventude, a pessoa tem energia e tempo para acumular riquezas. Neste momento, normalmente se corre mais riscos nas aplicações financeiras, em especial, porque há bastante prazo para recuperar eventuais perdas.
Na meia-idade, os riscos devem ser melhor ponderados, mas, ainda assim, é necessário buscar rentabilidade. Por isso, a diversificação é fundamental para equilibrar os riscos.
Na aposentadoria, o investidor busca preservar e usufruir dos recursos obtidos ao longo da vida. Por isso, aplicações mais conservadoras, como renda fixa, são as mais recomendáveis.
3. Defina o prazo do investimento
O objetivo de um investimento é um fator importante para definir por quanto tempo os recursos devem ficar aplicados. O prazo da aplicação tem um impacto direto na rentabilidade da renda fixa na carteira de investimentos. Confira alguns exemplos:
  • Curto prazo: investimentos que duram até dois anos e são utilizados para sonhos de consumo como uma viagem ou a compra de um computador. Os melhores investimentos para tal são Tesouro Selic, CDB, algumas LCIs e LCAs.
  • Médio prazo: aplicações que duram de dois a cinco anos, a exemplo da maioria das LCIs e LCAs e o Tesouro IPCA+, usados para aumentar patrimônio ou adquirir um bem como uma casa.
  • Longo prazo: investimento com duração superior a cinco anos, com o objetivo de gerar renda recorrente como aposentadoria ou aumentar expressamente o patrimônio. Aqui se destacam o Tesouro IPCA+ e Fundos de Investimento.
4. Analise como está o cenário econômico
A taxa Selic e a inflação têm influência direta nos investimentos de renda fixa. A Selic é a principal referência utilizada para a definição de muitos títulos de renda fixa, como poupança, Tesouro Selic e Fundos DI, além de ter um impacto direto em CDBs e RDBs. Uma taxa de juros maior significa uma rentabilidade maior dessas aplicações.
Por outro lado, a inflação afetará o rendimento real dos investimentos em renda fixa. Uma aceleração inflacionária tende a comprometer a remuneração das aplicações, pois diminui o poder aquisitivo da população. Um mesmo volume de recursos tem um valor real menor quando a inflação está em alta.
Portanto, as metas inflacionárias definidas pelo governo, bem como a tendência de alta ou queda da Selic, devem ser consideradas no momento de se fazer o investimento e na decisão de um aporte maior ou menor em renda fixa no portfólio.

Qual o melhor investimento em 2021?

Carteira de investimento necessita de revisão em cenário de alta da taxa Selic e inflação em crescimento. (Fonte: Shutterstock/Amnaj Khetsamtip/Reprodução)
O cenário atual, com aumentos seguidos da taxa básica de juros, favorece as aplicações de renda fixa. Portanto, especialistas recomendam revisar a carteira de investimentos para avaliar, conforme o perfil do investidor e os objetivos de cada aplicação, se é oportuno aumentar o aporte em títulos mais seguros.
Caso o objetivo com a aplicação seja resgatar os recursos em um curto prazo, o mais indicado para o investidor é procurar títulos de renda fixa com taxas pré-fixadas, como CDBs e RDBs. Isso acontece porque o CDI, índice em que estes papéis estão atrelados, são influenciados pela taxa Selic.
Se o investidor não necessitar de alta liquidez e puder esperar mais um pouco, os títulos públicos pós-fixados de longo prazo, como o Tesouro IPCA+, são uma boa opção. Essas aplicações são corrigidas pela inflação, que também está com tendência de alta, o que resulta em uma taxa de juros real positiva, mesmo em caso de queda de juros no futuro.

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos