EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Mercado

Amazon, Apple e Microsoft sairão da crise ainda maiores

Investidores acreditam que pandemia criou boas condições para as gigantes

Amazon Prime entregas
Um funcionário da Amazon, com máscara para se proteger do coronavírus, despacha caixas em centro de distribuição da empresa: crescimento na pandemia. (Kevin Mohatt/ Reuters)
  • As três maiores empresas dos EUA valorizaram US$ 750 bilhões no último mês
  • Confinamento de milhões de pessoas em casa aqueceu os setores de atuação de Amazon, Microsoft e Apple
  • Empresas menores devem enfrentar elevada taxa de mortalidade durante e após a crise

(Matt Phillips, The New York Times News Service) – Uma crise econômica quase sempre favorece gigantes como Microsoft, Apple e Amazon, as três maiores empresas dos Estados Unidos. Mas a demanda por suas ações só foi ampliada por uma crise que parece quase feita sob medida para seu sucesso futuro.

Mesmo que os analistas reduzam as expectativas para os lucros trimestrais das três empresas, que elas reportarão esta semana, suas ações estão subindo. Seu valor combinado US$ 750 bilhões no mês passado, mais do que o ganho acumulado das 300 primeiras ações da S&P 500. Os investidores estão apostando, em parte, que a crise da Covid-19 acelera o poder já crescente de colossos corporativos da América.

“As empresas que foram os principais responsáveis ​​pela crise também têm os modelos de negócios mais resilientes porque podem fazer tudo online”, disse Thomas Philippon, professor de finanças da Universidade de Nova York. “Acontece que a Amazon tornou-se uma das mais bem sucedidas empresas nos EUA, e em cima disso, eles são os únicos que podem manter a operação funcionando.”

Além de se beneficiarem de seu tamanho gigantesco, Microsoft, Amazon e Apple estão todas sentadas em montanhas de dinheiro que as tornarão imunes ao aperto de financiamento que outras empresas estão enfrentando.

“Os investidores estão dizendo a você que a empresa de balanço maior, mais forte e mais estável vai ganhar em relação a seus pares menores”, disse Stuart Kaiser, chefe de pesquisa de derivativos de ações do UBS.

Mas a profundidade do declínio econômico atual faz com que seja razoável esperar que tais grandes empresas vão surgir em uma posição ainda mais dominante desta vez, disse Philippon, que no ano passado publicou um livro, “A Grande Reversão”, que examina a competitividade da economia dos EUA.

“É provável que este seja muito pior, porque as taxas de mortalidade de pequenas empresas provavelmente serão ainda mais altas”, disse Philippon.

A diferença de expectativas dos investidores para grandes e pequenas empresas é gritante: o Nasdaq 100, índice das maiores empresas de tecnologia que também passará a ser das maiores empresas do país é de 1,2% este ano. O índice Russell 2000, que rastreia pequenas empresas públicas, caiu 23%; mais que o dobro dos 11% em perdas para o S&P 500.

Segundo dados do Goldman Sachs, as 10 principais ações da S&P 500 deste mês representaram aproximadamente 27% do valor total do índice. Isso superou o pico anterior, que ocorreu durante o frenesi das ações de tecnologia no final dos anos 90. Somente as cinco principais empresas – Microsoft, Apple, Amazon, Alphabet e Facebook – são responsáveis ​​por 20% do índice. As ações das cinco empresas aumentaram mais de 20% desde que o mercado atingiu seu nível mais baixo, em 23 de março.

Embora a concentração da riqueza de mercado nas principais empresas tenha atingido um pico nas últimas semanas, tem sido uma tendência de longo prazo nos últimos anos, refletindo, em parte, mudanças na estrutura da América corporativa. Os anos desde a crise financeira de 2008 foram marcados por um aumento na consolidação de alguns setores, como bancos e companhias aéreas.

E, como as empresas maiores cresceram constantemente, elas também conseguiram uma fatia maior dos lucros. Em 1975, as 100 maiores empresas públicas do país assumiram cerca de 49% dos ganhos de todas as empresas públicas. A fatia cresceu para 84% até 2015, de acordo com pesquisa de Kathleen M. Kahle, professora de finanças da Universidade do Arizona, e René M. Stulz, economista da Ohio State University.

O atual aumento das ações da megacap sugere que muitos investidores esperam que as fatias dessas empresas se expandam ainda mais após a implosão econômica atual, na qual se espera que as empresas menores sejam as mais atingidas. Empresas de pequena capitalização, como as incluídas no Russell 2000, possuem mais dívidas, tornando-as vulneráveis ​​a cortes no financiamento pelos mercados de títulos. Eles são menos diversificadas globalmente, tornando-as fortemente dependentes do desempenho da economia nos Estados Unidos, o atual epicentro da crise.

Ao mesmo tempo, as peculiaridades da crise do covid-19 quase coincidem com os pontos fortes dos negócios das grandes empresas que já eram os maiores players da economia dos EUA. A combinação de serviços on-line de varejo e computação em nuvem da Amazon para empresas parece otimizada para uma economia do trabalho em casa.

Os dispositivos da Apple são uma parte crucial da computação móvel e, embora as vendas do iPhone devam desacelerar este ano devido a uma desaceleração das compras nas lojas da Apple, os analistas estão projetando uma forte recuperação da demanda no próximo ano.

Os pacotes de software corporativo da Microsoft, os serviços de computação em nuvem do Azure e os videogames podem se fortalecer em um ambiente de trabalho em casa.

Invista com o apoio de assessores especializados. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos