MGLU3 R$ 14,53 +2,54% ITUB4 R$ 24,66 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% GGBR4 R$ 28,22 +0,21% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% PETR4 R$ 29,65 -0,10% ABEV3 R$ 15,45 -0,26% VALE3 R$ 80,32 +1,41%
MGLU3 R$ 14,53 +2,54% ITUB4 R$ 24,66 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% GGBR4 R$ 28,22 +0,21% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% PETR4 R$ 29,65 -0,10% ABEV3 R$ 15,45 -0,26% VALE3 R$ 80,32 +1,41%
Delay: 15 min
Mercado

Por que Pão de Açúcar (PCAR3), CVC (CVCB3) e Ambev (ABEV3) tiveram os melhores desempenhos do dia na Bolsa

Os três papéis registraram as maiores altas no pregão da B3 desta terça-feira

Loja Pão de Açúcar
Loja do Pão de Açúcar (Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)
  • O Ibovespa encerrou o pregão desta terça-feira (21) em baixa de 0,11%, aos 104.309,74 pontos, e teve giro financeiro de R$ 33 bilhões
  • As três ações que mais ganharam preço foram Pão de Açúcar (PCAR3), CVC (CVCB3) e Ambev (ABEV3)

Depois de vários pregões fechando no azul, o Ibovespa fez pausa na escalada que o trouxe do fundo do abismo de março para níveis mais próximos aos que prevaleciam antes da pandemia, sustentando os 104 mil pontos, sem reação significativa à proposta, amplamente antecipada pelo governo, para a reforma tributária.

Assim, alguns segmentos com ganhos acumulados, como o de varejo (Magazine Luiza | MGLU3 -3,10% na sessão), passaram por realização, enquanto o noticiário corporativo deu direção a papéis como os da Vale | VALE3 (-1,81%), em baixa após a divulgação, ontem à noite, de dados mistos sobre produção e vendas, que também colocaram em terreno negativo as ações de siderurgia (CSN | CSNA3 -1,77%).

Ao final de uma sessão em que oscilou entre mínima de 103.732,33 e máxima de 105.449,23 pontos, o índice de referência da B3 apontava leve baixa de 0,11%, aos 104.309,74 pontos, saindo de 104.426,49 na abertura. O giro financeiro foi de R$ 33 bilhões.

Nas duas primeiras sessões da semana, o Ibovespa avança 1,38%, com perdas no ano a 9,80%. No mês, o Ibovespa sustenta até aqui ganho de 9,74%, acima dos acumulados em junho e maio (8,76% e 8,57%, respectivamente), e não muito distante da força observada em abril (10,25%), no que foi seu melhor resultado para o mês desde 2009 (15,55%).

“O Ibovespa conseguiu atingir alguns alvos importantes e que mostram sua força, considerando que hoje bateu nos 105 mil – agora, só faltam os 107 mil pontos, outro ponto de resistência importante neste momento. Acredito que teremos uma certa lateralização”, diz Fernando Góes, analista gráfico da Clear. “Vejo os papéis de consumo, que já estão subindo há algum tempo, um pouco esticados, e os bancos com performance boa”, acrescenta. “O mercado deve continuar subindo lentamente, e o que devemos ver são algumas altas se intercalando entre setores.”

As três ações que mais ganharam preço no dia foram Pão de Açúcar (PCAR3), CVC (CVCB3) e Ambev (ABEV3).

Confira o que influenciou o desempenho desses três papéis.

Pão de Açúcar (PCAR3): +6,93%

PCAR3 sagrou-se a vencedora do dia, com larga vantagem. De acordo com a analista da MyCap, Júlia Monteiro, os papéis do Pão de Açúcar se beneficiam de um momento de troca de carteira no setor de varejo após o maior receio do mercado em relação à Via Varejo.

“Ontem teve o vazamento de informação da Via Varejo, que vinha com um desempenho muito bom, e pode estar havendo a migração dentro do contexto varejista”, aponta.

Ela cita ainda uma possível taxação do e-commerce, que desacelera a entrada e permanência de investidores nos papéis do segmento. Os papéis ON do Carrefour Brasil seguiram o movimento nos minutos finais do pregão e terminaram a terça-feira com alta de 2,80%, também entre as maiores do índice e na cotação máxima do dia.

Essa também é a visão de Jorge Junqueira, sócio da Gauss Capital. Ele afirma que o movimento é de troca nas carteiras de investidores, de papéis de comércio eletrônico por blue chips que estavam mais “atrasadas” na alta da B3. “Ontem foi impressionante. Tivemos revisões de preços-alvo lá fora, e a Via Varejo divulgando os dados no Twitter. Esses papéis já andaram bem”, comenta.

CVC (CVCB3): +4,76%

As ações de empresas ligadas ao setor de viagens e turismo foram muito bem hoje, sendo que CVC ON, dona do segundo melhor desempenho do pregão, chegou a liderar entre as altas.

Segundo operadores, o movimento é reflexo do alívio financeiro proporcionado pelo acordo fechado por líderes da União Europeia (UE) estabelecendo um fundo de resgate de 750 bilhões de euros para ajudar a região a se recuperar da crise do coronavírus.

Ambev (ABEV3): +3,97%

Os papéis ON da Ambev aceleraram nos momentos finais do pregão desta terça-feira e fecharam em alta de 3,97%, terceira maior do Ibovespa, enquanto os ADRs (American Depositary Receipts) da companhia em Nova York avançaram 7,52%, entre as maiores altas dos papéis brasileiros, acompanhando o movimento do Ibovespa.

Os investidores observam o movimento de reabertura em grandes cidades em meio à pandemia, segundo Julia Monteiro. “Em algumas cidades houve uma manutenção epidemiológica, o que aparentemente sustentaria o não-fechamento de alguns bares e abertura de outros”, afirma.

Em prévias divulgadas nas últimas semanas, grandes bancos apontam que o segundo trimestre para a Ambev pode ser menos negativo do que o esperado. No caso do Citi, a estimativa é de que o volume de cerveja vendido deve ser 12% menor no comparativo anual, ante 30% de queda nas projeções iniciais.

*Com Estadão Conteúdo

Nossos editores indicam este conteúdo para você investir cada vez melhor:
Via Varejo: investidores não podem ser punidos por informação privilegiada via Twitter

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos