EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Mercado

Guerra do petróleo parece ainda longe do fim

Opep tenta mediar acordo de preços entre Rússia, Arábia Saudita e EUA

Perfuração de petróleo no Texas
(Argus Mordant/ Reuters)
  • Reunião do G-20 tenta costurar solução firme para queda de preços iniciada pela disputa entre Rússia e Arábia Saudita
  • Donald Trump defende redução na produção, mas cuida para que corte não gere demissões no setor nos EUA
  • Consumo mundial do petróleo caiu pelo menos 25% com o coronavírus

(Stanley Reed, Clifford Krauss, Andrew E. Kramer e Ben Hubbard, The New York Times News Service) – Geralmente são os principais países produtores de petróleo do mundo que entram em ação quando uma grande queda nos preços deixa o mercado em crise. Mas estes não são tempos normais, e a guerra do petróleo parece longe do fim.

Nesta sexta-feira, 10, um dia após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep+) e outros produtores liderados pela Rússia realizarem sua própria reunião, espera-se que representantes do G-20 (o clube dos principais países ricos e em desenvolvimento) realizem uma conferência virtual para tentar deter a recente queda nos preços do barril.

Os mercados voláteis de petróleo das últimas semanas ameaçam de falência empresas de energia em todo o mundo, causando enormes perdas de empregos e ameaçando instituições financeiras que apoiaram o setor. A pandemia desempenhou um papel crítico nesse drama, mas também existem muitos conflitos entre as três superpotências de petróleo: Arábia Saudita e Rússia – dois “petrorrivais” de longa data – e os Estados Unidos, cuja crescente importância como exportador de petróleo redefiniu a indústria.

Está claro que a reunião do G-20 não acalmará mercados voláteis. Mas o fato de a reunião ocorrer pode sinalizar o início de uma nova abordagem: um primeiro passo para restaurar a confiança.

“Muitos países, incluindo aqueles com fortes crenças e credenciais no mercado livre, parecem estar pensando que o negócio global de petróleo precisa ser gerenciado até certo ponto, pelo menos de tempos em tempos”, disse Bhushan Bahree, diretor executivo da IHS Markit, uma empresa de pesquisa.

Mas os Estados Unidos, a Rússia e a Arábia Saudita estão prontos para concordar? A abordagem incomum evidencia a turbulência nos mercados.

Consumo mundial de petróleo caiu 25%

A demanda por petróleo evaporou-se à medida que as aeronaves comerciais passaram a ficar em solo, o tráfego rodoviário foi bastante reduzido e cerca de metade da população mundial está sob algum tipo de ordem para ficar em casa para impedir a propagação do coronavírus. O mundo está usando cerca de 25% menos petróleo do que normalmente usa, um colapso chocante em um setor conhecido apenas por flutuações graduais na demanda. Mas a luta entre alguns dos maiores produtores agravou a volatilidade.

Em vez de reduzir a produção para atender ao apetite reduzido por petróleo, os sauditas e os produtores aliados aumentaram a produção em um conflito com Moscou, já que um acordo entre a Rússia e a Opep sobre a redução da produção expirou.

Isso ajudou a deixar os preços ainda mais baixos. O West Texas Intermediate, o indicador dos EUA, alcançou o nível de US$ 20 por barril no final de março. Em alguns lugares dos Estados Unidos, caiu bem abaixo de US$ 10 por barril. Os preços nesse nível podem ser catastróficos para a indústria de xisto dos EUA – um objetivo provável dos produtores de petróleo sauditas e russos.

Diante de fortes perdas de empregos em estados petrolíferos como Texas e Oklahoma, o presidente Donald Trump está pressionando a Arábia Saudita e a Rússia a encerrar sua disputa. Os sauditas, preocupados com a pressão política que estão recebendo dos Estados Unidos, estão mostrando sinais de que estão dispostos a tentar encontrar uma solução.

Os sauditas estão pensando: “Temos de sair da linha de tiro em caso de uma reação raivosa dos EUA”, disse Robert McNally, consultor de energia da Casa Branca no governo George W. Bush. Ele acrescentou: “Existe o risco de uma ruptura lá que Riad não pode levar muito a sério”.

EUA tentam reduzir preço do petróleo e salvar empregos

Os analistas de estratégia de petróleo que acompanham a Arábia Saudita disseram que a guerra de preços com a Rússia foi desencadeada por frustração pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, o governante de fato do reino, com os russos por não cumprir acordos anteriores de produção com o objetivo de manter os preços altos. O príncipe herdeiro Mohammed poderia estar procurando outros benefícios também.

A longo prazo, o reino percebe que suas vastas reservas de petróleo podem perder valor à medida que a preocupação com a mudança climática se espalhar, por isso deseja obter o máximo possível de suas reservas para investir em outros setores. O príncipe herdeiro também queria reduzir a participação de mercado dos produtores de xisto dos EUA, cujos custos de produção por barril são muito maiores que os da Arábia Saudita.

É difícil ver como uma solução global pode ser alcançada sem os Estados Unidos, agora uma das três principais potências de petróleo. Os produtores americanos e o governo Trump compartilham um objetivo: equilibrar o mercado para estabilizar os preços do petróleo e salvar o setor de uma onda de falências e da potencial perda de mais de 100.000 empregos.

Mas há pouco campo em comum sobre como fazer isso além do apoio da indústria ao pedido de Trump à Arábia Saudita e à Rússia para reduzir a produção em 10 milhões de barris ou mais. Trump tem sido um crítico da Opep e líder de torcida pelos preços mais baixos da gasolina. Agora, diante de sugestões da coordenação dos EUA com a Opep, ele sinalizou resistência em forçar as empresas americanas a abandonar a produção. Algumas empresas americanas, no entanto, buscam alguma forma de coordenação.

A Pioneer Natural Resources e a Parsley Energy, duas empresas de petróleo de médio porte do Texas, pedem à Texas Railroad Commission, o regulador estadual de petróleo e gás, que imponha grandes cortes de produção em todo o estado, que é de longe o maior produtor dos EUA. A comissão planeja uma audiência sobre os cortes propostos na terça-feira, 7, e uma votação sobre a proposta uma semana depois, logo após a Opep e seus países associados se reunirem.

Apenas um dos três comissários manifestou apoio à medida, à qual a Exxon Mobil e outros grandes produtores se opõem. “O setor está totalmente em desacordo”, disse Scott Sheffield, executivo-chefe da Pioneer Natural Resource.

Mike Sommers, presidente do American Petroleum Institute, principal grupo de lobby de empresas de petróleo, disse que a indústria se opõe às tarifas do petróleo saudita e russo – uma sugestão de alguns republicanos no Congresso – como uma violação à livre empresa e ao livre comércio. Por outro lado, Sommers disse que o excesso atual era “80% uma questão de demanda relacionada ao coronavírus” e que a produção dos EUA diminuiria naturalmente à medida que os produtores cortassem investimentos em exploração e produção.

“A produção já está sendo cercada e eu suspeitaria que muito mais será”, acrescentou.

Cortar 15 milhões de barris de petróleo não fará diferença

Os analistas dizem que os países produtores estão trabalhando no sentido de anunciar cortes na ordem de 10 a 15 milhões de barris por dia. A origem de tais cortes provavelmente será objeto de negociações difíceis.

Podem ser encontrados acordos relativamente diretos entre os membros da Opep e os países afiliados. Nos Estados Unidos, embora cortes coordenados sejam improváveis, a produção pode diminuir com a perfuração mais lenta e as paradas programadas.

A produção de petróleo dos EUA entre janeiro e março caiu 300.000 barris por dia, para 13 milhões de barris, segundo estimativas do Departamento de Energia, e cairá 2 milhões de barris a mais até o final do ano. Mas isso pode não ser suficiente para a Rússia, a Arábia Saudita e seus aliados da Opep.

Na quarta-feira, 8, um porta-voz do Kremlin disse que o declínio natural nos Estados Unidos não deve contar como cortes.

Os cortes em discussão provavelmente causariam apenas um pequeno impacto no excesso de oferta que está enchendo os tanques e petroleiros globais no mar. Mesmo um corte de até 15 milhões de barris “será suficiente para arranhar a superfície”, disse Bjornar Tonhaugen, chefe do mercado de petróleo da Rystad Energy, uma consultoria norueguesa.

Invista com o apoio de assessores especializados. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos