MGLU3 R$ 2,43 -0,40% EURO R$ 5,52 -0,51% ITUB4 R$ 23,58 +0,98% DÓLAR R$ 5,22 -0,26% BBDC4 R$ 18,17 +1,79% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,05 +5,19% GGBR4 R$ 23,50 +1,94% PETR4 R$ 27,98 +6,96% ABEV3 R$ 13,72 +0,95%
MGLU3 R$ 2,43 -0,40% EURO R$ 5,52 -0,51% ITUB4 R$ 23,58 +0,98% DÓLAR R$ 5,22 -0,26% BBDC4 R$ 18,17 +1,79% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,05 +5,19% GGBR4 R$ 23,50 +1,94% PETR4 R$ 27,98 +6,96% ABEV3 R$ 13,72 +0,95%
Delay: 15 min
Mercado

Covid-19 e questão fiscal ameaçam fim de ano do Ibovespa

Novembro será crucial para definir as expectativas para a Bolsa no início de 2021

Covid-19 e questão fiscal ameaçam fim de ano do Ibovespa
Foto: Renato Cerqueira/Futura Press
  • Clima de otimismo por conta dos resultados das empresas no terceiro trimestre foi interrompido pela maior aversão a risco do mercado internacional, diante do avanço do coronavírus na Europa e Estados Unidos
  • Sucessão presidencial dos EUA também deve gerar alguma volatilidade durante o mês de novembro. Mas o fator que realmente ancora as expectativas do Ibovespa é o desenrolar da questão fiscal
  • Fontes ouvidas pelo E-Investidor estimam que o principal índice da B3 terminará o ano entre 100 mil e 110 mil pontos

Um caminho de subida com alguns solavancos bem definidos. É assim que o investidor brasileiro deve esperar os dois últimos meses de 2020 na Bolsa. Analistas vislumbram o Ibovespa fechando o ano acima dos 100 mil pontos; fechou outubro a 93,9 mil pontos. Três episódios devem causar quedas no índice, embora dois deles com potencial para reverter as previsões otimistas.

O primeiro episódio é a eleição norte-americana, nesta terça-feira (3), entre o atual presidente Donald Trump e Joe Biden. Uma vitória do democrata não chega a ser um fantasma nem mesmo para Wall Street, mas sim uma demora na definição do inquilino da Casa Branca nos próximos quatro anos. É este fator que pode causar uma instabilidade mais duradoura. Depois, há muita clareza do que esperar de um ou outro na presidência.

“Trump é mais conhecido, já se sabe o que esperar dele. E um pacote vigoroso de estímulos pelos EUA terá o poder de reduzir o sentimento de aversão ao risco internacionalmente”, afirma José Francisco Cataldo, superintendente de research da Ágora Investimentos. “Biden no poder significa um dólar mais fraco no mundo, o que beneficiará os mercados emergentes e alguns setores, como o de tecnologia”, acrescenta Fernando Borges, gestor de ações da Garde.

Leia também: Trump x Biden: Entenda os dois cenários econômicos e de investimentos nos EUA

Segunda onda de covid-19 ameaça fim de ano do mercado

A segunda ameaça a ficar mais concreta nos próximos dias é a de uma segunda onda de covid-19. Na quarta-feira passada, Alemanha e França anunciaram a retomada de restrições de circulação. O efeito foi de queda nas bolsas do mundo todo. O Ibovespa recuou 4,25%, maior tombo para um único dia desde 24 de abril. Todos os papéis listados no índice fecharam o pregão no vermelho.

“Não se sabe se haverá ou não uma segunda onda, se a infecção gera anticorpos ou é possível contrair o vírus novamente, nem quando haverá uma vacina. Tudo isso gera uma forte aversão ao risco”, diz Júlia Monteiro, analista da MyCap.

Além da questão sanitária em si, o fator coronavírus preocupa porque coloca em risco a continuidade de uma retomada econômica que mal começou. “Havendo um lockdown na Europa e EUA, as fábricas interrompem a produção, o consumidor assustado faz a demanda despencar e, com um novo choque de oferta e demanda, a economia inteira sofre”, explica a analista.

Questão fiscal no Brasil é ameaça de longo prazo

No longo prazo, porém, a maior ameaça a uma virada de ano tranquila é doméstica, a questão fiscal. A necessidade de expandir os gastos para estancar os estragos com a pandemia agravou o desequilíbrio das contas públicas e, com a proximidade das eleições municipais e do recesso de fim de ano, avanços na agenda de reformas se tornam cada vez mais improváveis em 2020.

Outro receio crescente é o término auxílio emergencial, combinado ao fim da estabilidade dos trabalhadores que firmaram acordos de redução de salário e jornada com suas empresas. “Por conta disso, já se prevê que haverá uma onda de quebras de empresas e inadimplência já no primeiro trimestre de 2021”, antecipa a analista da MyCap.

Se esse risco aumentado das empresas já é capaz de produzir um sensível impacto negativo na Bolsa, a situação ficará ainda pior se, em um contexto de maior aversão internacional ao risco, os países emergentes tiverem seu rating revisto e o Brasil for rebaixado. Isso porque muitos grandes fundos internacionais ficam impossibilitados de investir em empresas de países com notas de risco mais baixas.

Novembro definirá se Ibovespa fecha ano acima de 100 mil pontos

Embora todos esses fatores externos e domésticos de incerteza permaneçam no cenário e tenham a capacidade de provocar grandes tombos no índice, neste momento a fotografia da Bolsa ainda é influenciada positivamente pelo entusiasmo com os resultados das empresas no terceiro trimestre. Novembro dirá quais temores irão ou não se confirmar.

“É neste mês que conseguiremos entender o que está por vir nos próximos três meses”, resume Monteiro. “Por enquanto, nossa expectativa é de que o Ibovespa encerre o ano em 110 mil pontos.”

Cataldo, da Ágora, calcula que o principal índice da B3 vá terminar o ano entre os 100 mil e os 107 mil pontos, a mesma faixa em que estava gravitando na semana passada. “Se esses fatores de volatilidade saírem do radar, podemos até ter uma melhora daqui até o final do ano”, diz.

Na visão dele, algumas empresas e setores merecem atenção do investidor neste momento. “Os bancos estão vindo com resultados melhores. Também indico Petrobras, comércio eletrônico, concessões, empresas em momento de crescimento de lucro e algumas exportadoras”, enumera. “A crise propicia movimentos de consolidação, e as empresas consolidadoras (que adquirem outras) também estão no nosso radar.”

Leia também: O que você precisa saber sobre as ações do Grupo CCR

Para Penteado, da Apollo, o momento da Bolsa continua sendo de compra. Ele avalia que os ativos ainda estão descontados, e quedas como a da quarta-feira passada trazem novas oportunidades ao investidor. “Um papel como o da CVC custava R$ 20 e agora caiu para R$ 12, sendo que hoje a percepção de futuro da empresa é bem menos incerta do que era três meses atrás”, pondera.
Ele sustenta que o maior fator de risco para o mercado brasileiro não é a pandemia, mas sim a questão fiscal.
“Não veremos outra sequência de quedas gigantes no Ibovespa, como em março, pois hoje há maior previsibilidade sobre o futuro”, afirma o CEO da Apollo. “Talvez o índice caia para 93 mil ou 90 mil pontos, mas será um erro. Eu vejo o ano terminando entre 100 mil e 105 mil pontos.”

Leia também: WEG, Magalu e Via Varejo são as melhores ações de 2020. Veja o ranking

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos