MGLU3 R$ 2,43 -0,40% EURO R$ 5,52 -0,51% ITUB4 R$ 23,58 +0,98% DÓLAR R$ 5,22 -0,26% BBDC4 R$ 18,17 +1,79% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,05 +5,19% GGBR4 R$ 23,50 +1,94% PETR4 R$ 27,98 +6,96% ABEV3 R$ 13,72 +0,95%
MGLU3 R$ 2,43 -0,40% EURO R$ 5,52 -0,51% ITUB4 R$ 23,58 +0,98% DÓLAR R$ 5,22 -0,26% BBDC4 R$ 18,17 +1,79% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,05 +5,19% GGBR4 R$ 23,50 +1,94% PETR4 R$ 27,98 +6,96% ABEV3 R$ 13,72 +0,95%
Delay: 15 min
Mercado

Ibovespa oscilou mais que índices globais na crise, mas recuperação é parecida

Apesar do saldo negativo no ano, B3 voltou a se equiparar com outras bolsas

Ibovespa oscilou mais que índices globais na crise, mas recuperação é parecida
Foto: Robson Fernandjes/Estadão
  • Apesar da recuperação superior a 60% desde seu pior período, Ibovespa ainda tem queda de 11,29% no ano
  • Baixa no pior momento da crise foi mais acentuada na B3 do que em outras bolsas do mundo. O Ibovespa, no entanto, conseguiu se recuperar e agora está com variação agregada do ano similar aos índices NYSE Composite e Euro Stoxx 50
  • Por fatores distintos, NYSE Composite e SSE Index se destacam com valorização positiva em 2020

Depois de atingir seu patamar mais baixo no ano, o Ibovespa foi alavancado, principalmente, pelas notícias sobre reabertura da economia mundial, avanços de uma vacina contra a covid-19 e a melhora do ambiente interno. Desde o dia 23 de março, quando estava aos 63.569 mil pontos, até o fechamento do mercado desta sexta-feira (17), o índice já se valorizou 61,39% e está aos 102.888,25 mil pontos.

A boa performance, no entanto, ainda não foi capaz de zerar as perdas do agregado do ano e a bolsa brasileira tem queda de 11,29% em 2020. Porém, será que o desempenho da B3 está em sintonia com outras bolsas pelo mundo?

Para responder essa pergunta, o E-Investidor realizou um levantamento aferindo o comportamento do Ibovespa (B3), NYSE Composite (Bolsa de Nova Iorque), Nasdaq Composite (Nasdaq), SSE Index (Bolsa de Xangai) e Euro Stoxx 50 (Índice de ações da Zona do Euro). Para esta comparação, foram observados o desempenho dos índices até o seu pior momento na crise e a recuperação de cada um.

Desempenho dos índices

ÍndicePior momento da crise / Desvalorização até a dataValorização até 17/07Variação do ano
Ibovespa23 de março/-45,03%61,39%-11,29%
NYSE Composite23 de março/-36,91%41,17%-10,94%
Euro Stoxx 5018 de março/-36,35%41,14%-10,16%
SSE Index23 de março/-12,78%20,82%5,38
Nasdaq Composite23 de março/-23,54%53,22%17,16

Por que o Ibovespa foi o que mais caiu?

Segundo especialistas consultados pelo E-Investidor, o Ibovespa foi o índice que mais caiu, porque além da pandemia da covid-19, que derrubou os mercado de todo mundo, o País também lidava com outras crises internas.

“Em momento de crise há uma fuga muito grande de capital de países com maiores incertezas”, diz Gustavo Akamine, analista fundamentalista e gestor de recursos da Constância Investimentos.

Assim, Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos, comenta que “o Brasil é bom em criar problemas”, o que faz com que muitos investidores estrangeiros saiam do país em busca de mercados mais seguros. “Tudo caiu e está barato e ele sabe que a segurança é maior em outros países”.

Ou seja, além da crise que prejudicou as bolsas de todo mundo, as crises internas do Brasil afastaram ainda mais o investidor estrangeiro da B3, e o Ibovespa caiu mais do que outros índices. “Qualquer probleminha a mais dentro de um contexto de crise mundial vira uma catástrofe”, diz Franchini.

Segundo dados da B3, até a quarta-feira (15), os investidores estrangeiros já haviam retirado R$ 82,254 bilhões do mercado acionário brasileiro. Apesar disso, as perspectivas do País melhoraram e junho foi o primeiro mês do ano em que a bolsa registrou um saldo mensal positivo de investimento estrangeiro.

Por que nossa recuperação foi a maior desde o pior momento da crise?

Segundo os especialistas, a alta de mais 60% do Ibovespa está relacionado a dois motivos centrais: à retomada das bolsas mundiais e à própria queda vertiginosa que a bolsa brasileira teve. “A valorização de quem caiu muito sempre é muito maior que a de quem caiu pouco”, afirma Akamine.

Franchini ressalta que o valor mais alto em relação aos outros índices não é um indicativo que a retomada é melhor no Brasil e que o País voltou a ser muito atrativo, mas sim pelo fato do grande valor da queda. “A recuperação foi boa, mas ainda falta muito”, diz o sócio da Monte Bravo.

Porém, as perspectivas por aqui de fato começam a melhorar, segundo os analistas. A economia brasileira está abrindo gradualmente e a agenda de reformas e privatizações voltaram ao debate público, o que também tem contribuído para a alta.

Saldo do ano ainda é negativo

Apesar do bom momento, a Bolsa ainda não foi capaz de anular as perdas do ano. Mesmo assim, conseguiu igualar as perdas do NYSE Composite e do Euro Stoxx 50. “São índices com empresas globais e refletem mais o momento do mundo”, afirma Akamine, da Constância.

Portanto, apesar de negativo, o Ibovespa agora está em linha com outros índices. A dúvida, no entanto, é saber se a bolsa brasileira vai continuar acompanhando as tendências mundiais e se conseguirá zerar as perdas do ano. “Qualquer novo probleminha aqui pode diferenciar o Brasil negativamente de novo”, diz Franchini.

Por que o SSE Index e o Nasdaq Composite já estão positivos?

Segundo os especialistas, os dois índices se recuperaram antes por dois motivos diferentes. No caso do Nasdaq Composite, que tem a variação mais positiva no ano, a alta foi puxada pelo tipo de empresas que compõem uma das bolsas de Nova Iorque. “Ela concentra muitas empresas de tecnologia e elas mais ganharam do que perderam com a crise”, diz Akamine.

Franchini, comenta que em toda a crise há um setor que se destaca, e nessa foi o de tecnologia. Assim, a alta demanda pelos diferentes serviços que as empresas listadas na Nasdaq oferecem impulsionou os papéis e, consequentemente, valorizou o índice.

Algumas das empresas que fazem parte dela são Apple, Tesla, Amazon, Zoom, Facebook e Microsoft. “O mundo necessitou dos serviços delas na crise”, afirma o sócio da Monte Bravo.

Já em relação ao índice da Bolsa de Xangai, os especialistas destacam que o SSE Índex foi um dos que menos sofreram com a crise. Assim, apesar da crise ter começado na China, o país conseguiu administrar bem a doença, reabrindo a economia antes do resto do mundo.

“Tomaram medidas drásticas para conter a doença e já começaram a mostrar resultados não tão ruins mais cedo”, comenta Akamine.

“A China reverteu a quarentena tão rápido quanto implantou”, concorda Franchini. Neste contexto, ele ressalta que o mercado enxergou na bolsa chinesa um bom local de investimentos. Por isso, o índice caiu menos e já está com o desempenho positivo no ano.

“Com a perspectiva que o país fosse melhorar mais rápido que todo o mundo é natural que sua bolsa estaria entre as mais atraentes e valorizaria”, completa o sócio da Monte Bravo.

Nossos editores indicam este conteúdo para você investir cada vez melhor:
Ibovespa vai voltar ao patamar dos 120 mil pontos neste ano?

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos