MGLU3 R$ 8,06 -7,36% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
MGLU3 R$ 8,06 -7,36% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
Delay: 15 min
Mercado

Na contramão do Ibovespa, 5 ações não acompanham alta da Bolsa

Ibovespa já valorizou 57,36% desde março, mas há papéis no negativo no período

Unidade do Atacadão
Unidade do Atacadão. Foto: Eugenio Goulart
  • Ibovespa já se valorizou 57,36% desde seu maior tombo, mas nem todas as ações acompanharam o movimento de alta do índice
  • Três papéis têm variação negativa ou quase não variaram e dois subiram menos que 5%
  • A maior parte dos papéis tem desempenho ruim agora porque não foi tão abalada no momento do tombo do Ibovespa

Enquanto algumas ações aproveitaram a alta recente do Ibovespa e até conseguiram dobrar seu crescimento em relação ao índice, outros papéis foram na contramão deste movimento. Desde seu patamar mais baixo, no dia 23 de março, aos 63.569 mil pontos, o Ibovespa já valorizou 57,36% e encerrou a última sexta-feira (10) aos 100.031 mil pontos.

Apesar disso, das 75 ações que compõem o Ibovespa, 42 delas tem o desempenho inferior ao índice no mesmo período. Dessas, três têm variação negativa ou praticamente zerada: Atacadão (CRFB3), Raia Drogasil (RADL3) e Pão de Açúcar (PCAR3). Outras duas – Vivo (VIVT4) e Embraer (EMBR3) – subiram só 5%. (Confira o ranking no final da reportagem)

O E-Investidor conversou com especialistas para explicar por que os papéis tiveram o desempenho tão abaixo do Ibovespa no período. A maioria, na verdade, não subiu agora porque não foi tão abalada pela crise. Ou seja, esses papéis não haviam se desvalorizado na depressão de março.

“São empresas que não foram tão impactadas e como não caíram muito, também não subiram”, diz José Francisco Cataldo, head de research da Ágora Investimentos.

Ações desvalorizadas ou zeradas

Desde o dia 23 de março são a do Atacadão (CRFB3), Raia Drogasil (RADL3) e Pão de Açúcar (PCAR3), são as ações com o pior desempenho.

Os especialistas explicam que os negócios destas empresas foram menos impactados durante o pico da pandemia. Assim, os papéis não tinham o que recuperar e, por isso, estão com o desempenho ruim mesmo com o bom momento do Ibovespa. “Enquanto a Bolsa derretia eles caíram muito pouco ou até estavam positivos”, diz Rafael Cota Maciel, gestor de renda variável da AF Invest.

Segundo Cataldo, da Ágora, quando o mercado se deu conta de que a crise iria passar antes do previsto e voltou a subir, essas ações ficaram para trás, pois não tinham o que recuperar. “Elas ficaram travadas sem um grande motivo”, afirma Cataldo.

Portanto, o desempenho dessas ações nos últimos meses não significa que estejam em um mau momento. “A grande recuperação aconteceu nos papéis que caíram com mais intensidade”, diz Maciel.

Enquanto o Ibovespa tinha queda 45,03% do começo do ano até o dia 23 de março, o Atacadão (CRFB3) tinha baixa de -2,36%, a Raia Drogasil (RADL3) alta de 2,92% e o Pão de Açúcar (PCAR3) desvalorização de -17,38.

O desempenho delas desde então até a sexta-feira (10) era, respectivamente, de -9,86% (CRFB3), -3,57% (RADL3) e -0,77% (PCAR3).

Papéis com baixa valorização

Entre as ações que subiram menos de 5%, a avaliação é parecida. Em relação à Vivo (VIVT4), os especialistas afirmam que a empresa sofreu bem menos no auge da crise em comparação com a maioria das ações listadas no Ibovespa. Além disso, a companhia de telefonia atua em um setor muito previsível e dificilmente terá grandes altas sem informações muito positivas.

“A ação da Vivo não tem muito volatilidade e só sobe ou desce muito com uma notícia muito importante”, afirma Maciel.

Com isso, o gerente da AF Invest lembra que a Vivo também é uma empresa que deu continuidade ao seu serviço durante a pandemia e acabou virando menos que o índice. “Ela tem um negócio muito sólido e sua variação é mais previsível que o índice no geral”.

Enquanto o Ibovespa caía 45,03% até o dia 23 de março, a queda das ações da Vivo (VIVIT4) eram apenas de 15,37%. Desde então seu papel tem o valorização de 3,56%.

No caso da Embraer (EMBR3), o baixo desempenho é puxado pelo cancelamento do acordo com a Boeing, de acordo com os especialistas. “Por causa da perspectiva pior, sem o acordo, ela ficou para trás e não conseguiu acompanhar a grande retomada das outras empresas do setor aéreo”, diz Maciel, da AF Invest.

“A falha de negociação deixou a Embraer em uma situação mais complicada e impediu o crescimento”, concorda Cataldo, da Ágora.

Desde o dia 23 de março até a sexta-feira (10), as ações da Embraer (EMBR3) tinham alta de 4,13%.

As 5 ações com o pior desempenho desde o maior tombo da B3

EmpresaCotação 23/03Cotação 10/07Variação
Atacadão (CRFB3)R$ 22,41R$ 20,20-9,86%
Raia Drogasil (RADL3)R$ 114,70R$ 110,60-3,57%
Pão de Açúcar (PCAR3)R$ 71,25R$ 70,70-0,77%
Vivo (VIVT4)R$ 47,17R$ 48,853,56%
Embraer (EMBR3)R$ 7,74R$ 8,064,13%

Fonte: Estadão/Broadcast

Nossos editores indicam este conteúdo para você investir cada vez melhor:
As 8 ações que cresceram o dobro do Ibovespa após tombo da B3

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos