Publicidade

Negócios

Como a falência do Silicon Valley Bank poderia ter se alastrado

Análise mostra que uma corrida aos bancos que quebraram poderia ter desencadeado caos econômico nos EUA

Como a falência do Silicon Valley Bank poderia ter se alastrado
Falência de bancos nos EUA poderiam ter afetado todo o sistema financeiro. Foto: Jeff Chiu/AP Photo
  • O resgate do governo americano para dois bancos falidos no mês passado recebeu críticas de alguns legisladores e investidores
  • Novos dados ajudam a explicar por que os funcionários do governo declararam que as falências do Silicon Valley Bank e do Signature Bank eram um risco para todo o sistema financeiro
  • Os resultados mostram o potencial contínuo de danos generalizados por todo o sistema bancário, que viu a situação financeira de muitos bancos se deteriorar conforme o Fed elevava as taxas de juros

O resgate do governo americano para dois bancos falidos no mês passado recebeu críticas de alguns legisladores e investidores, que acusam o governo Biden e o Federal Reserve de socorrer clientes ricos na Califórnia e em Nova York e deixar a conta para os consumidores do restante do país.

Mas novos dados ajudam a explicar por que os funcionários do governo declararam que as falências do Silicon Valley Bank e do Signature Bank eram um risco não apenas para seus clientes, mas também para todo o sistema financeiro.

Os números sugerem que uma corrida bancária a esses dois bancos poderia ter desencadeado uma série de falências bancárias, prejudicando as pequenas empresas e a atividade econômica em muitas partes do país.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

A análise dos riscos geográficos de uma crise bancária, preparada a pedido do New York Times, foi feita por economistas da Universidade Stanford, Universidade do Sul da Califórnia, Universidade Columbia e Universidade Northwestern.

Os resultados mostram o potencial contínuo de danos generalizados por todo o sistema bancário, que viu a situação financeira de muitos bancos se deteriorar conforme o Fed elevava as taxas de juros para conter a inflação. Esses aumentos da taxa de juros reduziram o valor de alguns títulos do governo que muitos bancos têm em suas carteiras.

Embora os danos tenham sido até agora controlados, a pesquisa mostra que ondas de saques maiores a bancos vulneráveis aos aumentos das taxas de juros poderiam levar a uma queda significativa do crédito disponível para donos de estabelecimentos, pessoas que pedem empréstimos para comprar imóveis, entre outros.

Como muitos condados dependem de um número relativamente pequeno de instituições financeiras para depósitos e empréstimos, e com tantas pequenas empresas mantendo seu dinheiro guardado em bancos locais, mesmo uma onda de saques moderada a bancos vulneráveis poderia restringir o acesso ao crédito para comunidades inteiras.

Essa espécie de paralisação de crédito, estimam os pesquisadores, poderia atingir quase metade dos condados do Missouri, do Tennessee e do Mississippi – e todos os condados de Vermont, do Maine e do Havaí.

Publicidade

A análise ajuda a apoiar hipótese levantada por funcionários do governo com base em relatos e dados preliminares que tinham quando orquestraram os resgates aos bancos durante aquele fim de semana de março. À medida que os temores de uma crise financeira mais generalizada aumentavam, o Fed, o Departamento do Tesouro e a Federal Deposit Insurance agiram em conjunto para garantir que os depositantes pudessem ter acesso a todo o seu dinheiro depois da falência dos bancos – mesmo que suas contas ultrapassassem o limite de US$ 250 mil para serem asseguradas pelo governo federal.

Os funcionários do Fed também anunciaram que ofereceriam empréstimos atrativos para bancos que precisassem de ajuda para cobrir a demanda dos depositantes.

Essas ações permitiram que grandes empresas – como a Roku –, que mantinham todo o seu capital no Silicon Valley Bank, fossem completamente protegidas, apesar da falência do banco. Isso provocou críticas de legisladores e analistas que disseram que o governo estava, na prática, incentivando comportamentos de risco tanto dos gestores de bancos como dos depositantes.

Mesmo com essas ações, alertam os analistas, as agências reguladoras não resolveram de forma permanente as vulnerabilidades do sistema bancário. Esses riscos deixam algumas das áreas mais desfavorecidas economicamente do país suscetíveis a incidentes bancários, que vão desde uma retração nos empréstimos para pequenas empresas, que talvez já estejam acontecendo, a novas corridas bancárias que poderiam, na verdade, interromper o acesso fácil ao crédito para pessoas e empresas nos condados de todo o país.

Funcionários do governo e do Fed dizem que as ações tomadas por eles para resgatar os depositantes estabilizaram o sistema financeiro – inclusive os bancos que poderiam ter sido ameaçados por uma corrida bancária.

Publicidade

“O sistema bancário é muito seguro – é estável”, disse Lael Brainard, diretora do Conselho Econômico Nacional do presidente Joe Biden, durante um evento em Washington organizado pelo site de notícias Semafor. “A base do sistema bancário tem muito capital.”

“O que é importante é que os bancos agora viram e os executivos de bancos perceberam alguns dos estresses aos quais os bancos falidos estavam submetidos e estão fortalecendo seus balanços”, disse ela.

Mas os pesquisadores por trás do novo estudo alertam que é historicamente difícil para os bancos fazerem grandes mudanças de forma veloz em suas participações financeiras.

Os seus dados não levam em consideração os esforços que os bancos menores têm feito nas últimas semanas para reduzir sua exposição às taxas de juros mais elevadas. Entretanto, os pesquisadores observam que os bancos menores e regionais encaram novos riscos na atual conjuntura econômica, incluindo uma desaceleração no mercado imobiliário comercial, que poderia levar a uma nova onda de saques.

“Precisamos ser muito cuidadosos”, disse Amit Seru, economista da Escola de Pós-graduação em Negócios de Stanford e um dos autores do estudo. “Essas comunidades ainda são bastante vulneráveis.”

Publicidade

Funcionários do governo Biden estavam monitorando uma lista longa de bancos regionais nas horas seguintes à falência do Silicon Valley Bank em 10 de março. Eles ficaram preocupados quando dados e relatos sugeriram que os depositantes estavam fazendo fila para sacar dinheiro de muitos deles.

Os pesquisadores descobriram que o Silicon Valley Bank estava mais exposto do que a maioria dos bancos aos riscos do aumento rápido das taxas de juros, que reduziam o valor de títulos como os do Tesouro americano, presentes em suas carteiras, criando condições para a insolvência quando os depositantes correram para sacar seu dinheiro do banco.

Mas, usando dados da agência reguladora federal de 2022, a equipe também descobriu que centenas de bancos dos EUA tinham sofrido uma deterioração perigosa em seus balanços no ano passado, conforme o Fed aumentava rapidamente as taxas.

Para mapear as vulnerabilidades dos bancos menores em todo o país, os pesquisadores calcularam quanto os aumentos das taxas de juros do Fed reduziram o valor de ativos de bancos individuais, em comparação com o valor de seus depósitos.

Eles usaram esses dados para estimar de forma eficaz o risco de um banco falir se acontecesse uma onda de saques, o que obrigaria os funcionários do banco a vender ativos por preços menores para levantar fundos. Depois, eles calcularam a parcela de bancos em risco de falência para cada condado do país.

Publicidade

Esses bancos estão localizados desproporcionalmente em comunidades de baixa renda, áreas com alto índice de populações negras e hispânicas e lugares onde poucos residentes têm um diploma universitário.

Eles também são a espinha dorsal econômica de alguns dos estados mais conservadores do país: dois terços dos condados do Texas e quatro quintos dos condados da Virgínia Ocidental poderiam ter um número paralisante de bancos falidos caso uma corrida bancária de tamanho médio acontecesse, calculam os pesquisadores.

Seru disse que as comunidades que eram particularmente vulneráveis tanto a uma desaceleração dos empréstimos como a possíveis corridas bancárias também eram as que mais sofreram na recessão causada pela pandemia.

Ele disse ser pouco provável que as instituições financeiras maiores preencham de forma veloz qualquer lacuna de empréstimos nessas comunidades se os bancos menores falirem. Seru e seus colegas encorajaram o governo a ajudar a resolver as vulnerabilidades dessas comunidades, exigindo que os bancos levantem mais capital para fortalecer seus balanços. “A recuperação nessas áreas ainda não foi concluída”, disse ele. “E a última coisa que queremos são transtornos nelas.”/TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos