MGLU3 R$ 2,46 -0,40% EURO R$ 5,53 -0,29% ITUB4 R$ 23,67 +0,98% BBDC4 R$ 18,24 +1,79% DÓLAR R$ 5,23 -0,21% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,49 +5,19% GGBR4 R$ 23,60 +1,94% PETR4 R$ 28,12 +6,96% ABEV3 R$ 13,80 +0,95%
MGLU3 R$ 2,46 -0,40% EURO R$ 5,53 -0,29% ITUB4 R$ 23,67 +0,98% BBDC4 R$ 18,24 +1,79% DÓLAR R$ 5,23 -0,21% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,49 +5,19% GGBR4 R$ 23,60 +1,94% PETR4 R$ 28,12 +6,96% ABEV3 R$ 13,80 +0,95%
Delay: 15 min
Mercado

Os setores da Bolsa que se beneficiam com a Selic a 10,75%

Apesar do aumento dos juros tirar atratividade da Bolsa, o índice já precificou o cenário

Os setores da Bolsa que se beneficiam com a Selic a 10,75%
Com aumento dos juros, investidores buscam prêmio de risco maior na renda variável Foto: Envato Elements
  • Na quarta-feira (12), o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou mais uma vez a taxa básica de juros (Selic), agora a 10,75% ao ano
  • Especialistas afirmam que o aumento já foi precificado em Bolsa. Por conta disso, essa nova alta não deve puxar o Ibovespa para baixo 
  • Empresas mais suscetíveis às flutuações econômicas podem perder força, enquanto o setor financeiro deve ser beneficiado de juros mais altos

Na quarta-feira (12), o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou mais uma vez a taxa básica de juros (Selic), agora a 10,75% ao ano. Mesmo com a renda fixa nos holofotes e os investidores mais avessos ao risco, especialistas reforçam que a preocupação com os novos ajustes nos juros já foi precificada no Ibovespa. O aumento da taxa, portanto, não deve puxar o índice para baixo, a não ser que o órgão apresente variáveis surpresas.

“A curva de juros já está precificada nos preços dos ativos da Bolsa. Na próxima reunião, esperamos mais uma alta. Se isso acontecer, vai ser bom para a Bolsa porque as ações estão com preços atrativos”, diz Kaue Franklin, especialista em renda variável do Grupo Aplix.

No acumulado do ano, o índice cresce cerca de 7%, uma leve recuperação comparada à queda de quase 12% em 2021. Esse movimento pode ser considerado uma análise técnica, ou seja, compra de ativos com preços considerados  descontados, especialmente para os investidores internacionais. Porém, é necessário ter atenção.

“O investidor não deve comprar qualquer ação da bolsa porque vê um preço barato. É preciso seguir bons analistas e entender quem tem mais chances de ganhos ao longo do tempo”, diz Eduardo Teles, analista de renda variável da Blue3.

Com preços melhores na renda variável, o investimento estrangeiro voltou a ganhar tração no país. Na última segunda-feira (31), investidores estrangeiros ingressaram com R$ 1,88 bilhão nas ações já listadas da B3, dia em que o Ibovespa fechou em alta de 0,21%, aos 112.143,51 pontos.

Fatores externos no futuro dos juros e da Bolsa

Enquanto o Banco Central do Brasil chega à oitava elevação da Selic, o equivalente norte-americano Federal Reserve (Fed) anunciou que deve aumentar os juros do país nos próximos meses. Esse movimento também influencia alguns setores da Bolsa brasileira.

“Quando a curva de juros começar a cair, ela vai acelerar a Bolsa para cima, que já chegou a um patamar atrativo de compra. O grande problema é se isso não acontecer e se os EUA aumentarem mais do que já é projetado”, alerta Franklin, do Grupo Aplix.

Por outro lado, cenários geopolíticos capazes de causar danos à cadeia produtiva podem resultar em aumento ainda maior da inflação, como é o caso da tensão entre Rússia e Ucrânia espelhada nas relações comerciais e, inclusive, bélicas com Estados Unidos e Europa.

Segundo Marcelo Boragini, especialista em renda variável da Davos, o Brasil pode se tornar mais atrativo entre os mercados emergentes pelos preços descontados, assim como a saída de alocação na Rússia por receio das tensões geopolíticas.

Os setores mais impactados com a alta da Selic

Olhando diretamente para os ativos na Bolsa de valores, alguns papéis e setores podem ser penalizados com a alta dos juros. Segundo Leandro Saliba, head de renda variável da AF Invest, o grupo mais castigado são as empresas alavancadas, ou seja, as que possuem dívidas. Isso acontece porque o custo com as despesas cresce, diminuindo os lucros.

Na prática, os setores que dependem de mais renda da população vão sentir mais neste momento. “Com inflação mais alta em alimentos, energia e bem essenciais, as pessoas tendem a comprar menos, o que impacta diretamente no varejo”, indica.

Além disso, à medida que os juros aumentam, as taxas de financiamento de imóveis são elevadas, fazendo com que os brasileiros repensem antes de fechar um contrato, o que reflete na perda de atratividade das empresas de construção civil.

O porta-voz da AF Invest ainda aponta que as boas pagadoras de dividendos, como companhias do setor elétrico, sofrem com a competitividade do retorno dos juros e da inflação. “NEste setor, existem empresas chamadas de proxy bonds, que funcionam como renda fixa. Quando os juros concorrem, há uma migração desse tipo de ação distribuidora de dividendos para a renda fixa”, diz Saliba.

Na outra ponta, com o maior custo de spread bancário, as empresas financeiras também ampliam vantagem por lucrar com o aumento dos juros em empréstimos e financiamentos, por exemplo.

“Nem tudo é tão ruim como parece. O setor bancário consegue capturar ganhos maiores com os spreads bancários, a diferença entre o custo de captação e os juros cobrados do cliente final”, afirma Boragini, da Davos.

5 impactos da Selic na renda variável

Alexandre Brito, sócio e gestor da Finacap Investimentos, lista cinco influências diretas da Selic na Bolsa de Valores.

  • Aumento do prêmio de risco exigido pelos investidores: quem aplicar na renda variável, vai exigir um retorno maior por conta do risco em contraposição à maior segurança da renda fixa
  • Precificação do valor justo das empresas: para definir o valor justo, analistas projetam o fluxo de caixa futuro, trazendo o somatório para valor presente. Para fazer esse valuation, é necessário fazer uma taxa de desconto, ou seja, o retorno que o investidor tem em renda fixa somado ao prêmio pelo risco. Quando aumenta o prêmio pelo risco, o valor justo cai
  • Migração de investidores institucionais e pessoas físicas para a renda fixa, já que ela oferece um risco menor, como um retorno que atenda às necessidades
  • Desaceleração da economia para controlar uma expectativa de inflação futura, fazendo com que alguns setores sintam mais impacto e outros menos
  • Aumento de custo de capital para as empresas: enquanto algumas empresas têm amplo acesso ao mercado de capitais, inclusive aos internacionais, como as blue-chips, as small caps e empresas mais suscetíveis às flutuações econômicas vão sentir mais, como é o caso de varejo, construção civil, tecnologia.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos