Publicidade

Comportamento

Credit Suisse: Lula deverá ser eleito presidente em 2022

Banco ressaltou, entretanto, que uma parcela substancial do eleitorado ainda está indecisa

Credit Suisse: Lula deverá ser eleito presidente em 2022
Para Credit Suisse, Lula deve suspender privatizações e concessões. Foto: Werther Santana/Estadão
  • Para o Credit Suisse, o ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva é o candidato com as maiores chances de vitória nas eleições deste ano
  • Na visão da instituição financeira, Lula deve implementar mudanças no mercado de trabalho, com vistas a promover proteção social e favorecer acordos coletivos. Também são esperadas a suspensão da agenda de privatizações e aumento de carga tributária

Para o Credit Suisse, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é o candidato com as maiores chances de vitória nas eleições deste ano. Nos cenários traçados pelo banco suíço, o petista aparece com ampla vantagem frente aos principais adversários, como o atual presidente Jair Bolsonaro (PL), o ex-juiz Sérgio Moro (Podemos) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

O relatório sobre a corrida eleitoral brasileira foi publicado na última quinta-feira (17) e aponta o que o mercado deve esperar de um terceiro mandato do fundador do Partido dos Trabalhadores.

Na visão da instituição financeira, Lula deve implementar mudanças no mercado de trabalho, com vistas a promover proteção social e favorecer acordos coletivos.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

A suspensão da agenda de privatização e concessões, além do aumento de carga tributária e participação das empresas estatais no mercado, são outras medidas que devem estar no radar dos investidore, caso a vitória se confirme. Na educação, saúde e meio ambiente, a prioridade seria reestruturar órgãos governamentais que foram modificados pelo atual governo.

Por outro lado, Bolsonaro seguiria uma postura oposta, prosseguindo com a agenda de privatizações e concessões, assim como flexibilização das regras trabalhistas e redução do uso de estatais.

“Alguns pontos, no entanto, tendem a convergir entre os dois candidatos: benefícios para reduzir a pobreza e a desigualdade de renda devem ser mantidos ou mesmo ampliados, e o quadro tributário deve ser alterado com a criação de um imposto sobre lucros e dividendos”, ressaltaram Solange Srour e Lucas Vilela, que assinam o relatório.

Mesmo com a ampliação dos benefícios sociais, o Credit Suisse acredita que nenhum dos candidatos será capaz de abandonar completamente a agenda fiscal. Até porque, caso o fizessem, o resultado seria uma recessão mais profunda do que a que deve ocorrer em 2022 – reduzindo, assim, o índice de aprovação do presidente e sua capacidade de governar.

No final, o banco suíço adverte que ainda há uma parcela importante do eleitorado indecisa. Tais votos podem ser crucial para definir a corrida eleitoral e, por isso, o avanço das pesquisas deve ser observado com atenção.

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos