MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
Delay: 15 min
Investimentos

Ações ou fundos de ações: confira as vantagens de cada aplicação

Alta da Bolsa no início da semana anima investidores

Mulher observa oscilação das ações da B3, em São Paulo. Foto: Amanda Perobelli/Reuters
  • Na renda variável, você pode ser o responsável por administrar sua carteira ou deixá-la sob supervisão de um gestor
  • Investir diretamente em ações é mais recomendado aos arrojados e com mais experiência no mercado
  • Fundos de ações trazem mais segurança ao investimento, mas o investidor não tem gerência sobre a aplicação
O que este conteúdo fez por você?
Me ajudou a ganhar dinheiro Me ajudou a economizar Me ensinou algo que eu não sabia Me livrou de uma roubada

Os sinais de recuperação da economia chinesa e a desaceleração da propagação do novo coronavírus pelo mundo impulsionaram as principais bolsas globais no início desta semana. O Ibovespa, por exemplo, subiu 6,52% na segunda-feira (6) e, nesta terça-feira, encerrou o dia em alta de 3,08%, aos 76.358 pontos. Se a tendência se confirmar nas próximas semanas, este pode ser um momento de oportunidade para os investidores que querem voltar para a renda variável. Porém, é natural ter uma dúvida: é melhor apostar diretamente em ações ou escolher os fundos de investimentos?

A resposta não é tão simples. No primeiro caso, o investidor é o responsável por comprar e vender os papéis, fazendo suas próprias análises para administrar a carteira. No segundo, um gestor contratado gerencia todo o processo.

“Quem não tem tempo e não quer se preocupar investe em fundos. E quem está disposto a se dedicar diariamente e a gerenciar tudo sozinho investe diretamente em ações. Depende do perfil e do objetivo do investidor”, diz José Francisco Cataldo, head de Research da Ágora Investimentos.

Rafael Panonko, chefe de análises da Toro Investimentos, também lembra que não há estratégia melhor ou pior: “É uma questão de perfil, do que a pessoa quer para o momento”.

Ou seja, as duas opções têm pontos positivos e negativos. Para ajudar a minimizar erros e aumentar suas chances de sucesso, o E-Investidor conversou com três especialistas no assunto e resumiu, nos tópicos abaixo, o que você deve saber sobre cada tipo de aplicação antes de entrar na Bolsa.

Ações

Esse tipo de investimento é mais recomendado aos arrojados e com mais experiência no mercado. É preciso não só aceitar como conhecer bem os riscos da aplicação.

Aplicando diretamente em ações, o investidor tem total liberdade para escolher os papéis. Ele pode comprar e vender ações da forma que julgar mais conveniente. Além disso, não precisa pagar taxas de administração ou performance.

O investidor pode ir do céu ao inferno e vice-versa. É possível ter rentabilidade mais elevada que a média das aplicações, como também os maiores prejuízos. Então, para ter mais lucro, ele deve ter a disponibilidade de acompanhar continuamente o valor dos ativos investidos, além do noticiário e os demais fatores que podem afetar os preços.

Fundos de ações

Os fundos de ações são mais indicados para conservadores, ou seja, aqueles que priorizam a segurança e a estabilidade em detrimento da possibilidade de altos lucros.

Aplicando em fundos de ações, o investidor tem a vantagem de contar com gestão profissional de seus ativos na tomada de decisões. Com mais experiência, os gestores tem mais informações do mercado e sabem quais dados são mais relevantes e, consequentemente, trazem mais segurança ao patrimônio do investidor.

O lado bom é ficar responsável, basicamente, por depositar o dinheiro e escolher quando sacar. Porém, há um preço: as taxas cobradas, como a de administração e de performance sobre o que superar o benchmark do fundo, que costuma ser o Ibovespa. Com isso, a rentabilidade do valor investido acaba sendo menor.

Outros pontos a serem considerado ao investir em um fundo é o prazo de retirada das aplicações. Controlado por terceiros, o fundo terá um prazo de resgate, que costuma ser em torno de 30 dias. Ou seja, o investidor só receberá o dinheiro depois do prazo pré-estabelecido.

Combinação dos dois

Para os três profissionais, o investidor deve escolher o tipo de aplicação que acredita ser o mais adequado ao seu perfil e ao seu objetivo. Apesar disso, eles lembram que um não exclui o outro. 

“São estratégias complementares. Se ele tiver condição de ter os dois, é o ideal”, afirma Rodrigo Franchini, sócio e head de produtos da Monte Bravo.

Invista utilizando as melhores plataformas de negociação. Cadastre-se na Ágora Investimentos
MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
MGLU3 R$ 63,90 +0,31% BBDC4 R$ 19,85 +4,75% ABEV3 R$ 12,62 +0,16% DÓLAR R$ 5,39 +0,93% IBOVESPA 88.620,10 pts +1,39% ITUB4 R$ 23,71 +0,21% GGBR4 R$ 13,57 +0,37% PETR4 R$ 20,36 +0,15% VALE3 R$ 53,38 -0,07%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail