EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Mercado

Como algoritmos e a China precipitaram o novo boom de commodities

Cobre e minério de ferro disparam antes da hora nos mercados globais

minério de ferro Porto de Dalian
Uma montanha de minério de ferro é manejada por um guindaste no Porto de Dalian, na China. (Muiu Xu/ Reuters)
  • Matérias-primas tiveram recuperação acelerada ao passo que a economia global reabre aos poucos
  • Retomada da produção industrial da China é parte da explicação
  • Repetição de padrões em itens que definem preço levou algoritmos de negociação a acelerar a alta

(The Economist) – Cedo demais. Esse é o julgamento que muitos investidores aplicam ao recente aumento geral nos preços dos ativos. Pois não é apenas o mercado de ações que se recuperou. Os preços das matérias-primas industriais também aumentaram bastante nos últimos meses. O minério de ferro aumentou de US$ 80 a tonelada para mais de US$ 100. Os preços do cobre também aumentaram 25%. Isso é notável. A economia global está apenas reabrindo. Parece um pouco cedo para um boom de commodities.

É tentador ver parábolas aqui. Talvez a recuperação dos metais seja um modelo para a economia pós-vírus, em que os gargalos da oferta elevam os preços à medida que a atividade volta a funcionar. Talvez isso mostre como o oceano de liquidez criado pelo Federal Reserve e pelo Banco Central Europeu foi levado a mercados financeiros de todos os tipos. Para a escola “muito cedo”, é um sinal de que o otimismo está superando a realidade. Talvez seja. Mas grande parte da história das commodities parece ser sobre a China.

China segue sendo o maior comprador mundial de commodities

O papel da China é curioso e óbvio. É curioso porque a economia da China deve se tornar mais dependente dos gastos dos consumidores e menos da construção de booms financiados por montantes cada vez maiores de dívidas. É óbvio porque, apesar desse objetivo declarado, a China ainda é o maior comprador mundial de commodities industriais. Quase todo o comércio marítimo de minério de ferro vai para lá. Se os preços do metal estão subindo, é uma aposta justa que algo esteja acontecendo na China.

E assim é. As siderúrgicas estão funcionando bem. Na primeira semana de junho, os altos-fornos de aço da China estavam operando com 92% da capacidade. Isso é muito acima das taxas de 80 a 85% consideradas normais. Grande parte do aço fabricado na China é para edifícios e infraestrutura, como pontes, ferrovias e linhas de metrô.

Com certeza, os indicadores da atividade de construção parecem fortes. As vendas de escavadeiras aumentaram um quinto até agora este ano, em comparação com o ano anterior. Um pipeline de pedidos já estava sendo construído antes da pandemia. Como resultado, a construção recebeu um impulso extra pelos esforços do governo para estimular a economia. Especialistas em China dizem que lições foram aprendidas. Houve um foco maior do que no passado na seleção de projetos que valem a pena, diz Sean Darby, analista de Hong Kong do Jefferies, um banco de investimento.

Austrália retomou a produção de minério de ferro. No Brasil, produção diminuiu

A resposta do suprimento foi liderada pela Austrália, o maior exportador mundial de minério de ferro. O país rapidamente tomou medidas para conter o vírus desde o início. Conseguiu, ao mesmo tempo, manter suas minas na região rica em minério de Pilbara. As exportações de minério aumentaram este ano. Isso contrasta com o Brasil, onde a disseminação do vírus prejudicou a produção. Esses gargalos são uma das razões para preços mais altos. E há uma imagem maior. A indústria de mineração sofreu um ajuste brutal em 2014-16, depois de um boom de uma década alimentado, sim, pela China. O investimento foi cortado; minas foram fechadas; dívidas foram pagas. O resultado é que o setor não possui a capacidade excessiva crônica de muitos outros ciclicamente sensíveis – pense em bancos europeus ou montadoras globais.

Algoritmos de negociação induzem preços altos das commodities

Também há um elemento especulativo no aumento dos preços do metal. Comprar ou vender futuros de cobre é uma maneira popular de expressar uma visão sobre a economia mundial. De fato, o cobre pode ter tudo a ver com crença, diz Max Layton, do Citigroup. Muitas das apostas são feitas por algoritmos de negociação, que respondem mecanicamente a sinais financeiros que funcionaram bem no passado. O dólar, que caiu 6% em relação a uma cesta de moedas desde março, geralmente faz parte do semáforo. Um dólar mais fraco permite termos de financiamento mais suaves nos mercados emergentes. Qualquer coisa que ajude as economias de mercados emergentes geralmente é boa para os preços das commodities. Então os algoritmos compram.

O complexo de mudanças de preço se torna retroalimentado. Preços mais altos de minério trazem produtores de custo mais alto de volta ao mercado. Porém, suas margens de lucro são reduzidas à medida que a moeda local se aprecia, porque isso aumenta o custo do trabalho em dólares, nos quais as mercadorias são precificadas. Para restaurar margens, os preços devem subir. Além disso, os custos marginais aumentam quando os preços do aço (usado para peças de mineração) e do petróleo (usado para energia e produtos químicos) sobem. Esses custos mais altos elevam ainda mais os preços, diz Layton.

Um padrão nos mercados é que muitas coisas acontecem rotineiramente. A resposta da China a uma economia fraca é construir; a resposta dos investidores à flexibilização do Fed é comprar ações; a resposta dos algoritmos a um dólar mais fraco é comprar mercadorias. Preços mais altos geram preços mais altos. Os céticos, muito cedo, observam que isso também funciona ao contrário. Sim. Mas o momento está agora com os crentes.

© 2020 The Economist Newspaper Limited. Direitos reservados. Publicado sob licença. O texto original em inglês está em www.economist.com

Invista com o apoio de assessores especializados. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos