EURO R$ 6,41 -0,16% MGLU3 R$ 7,30 +3,55% BBDC4 R$ 21,20 +2,12% DÓLAR R$ 5,69 +0,00% ITUB4 R$ 23,25 +1,17% PETR4 R$ 28,89 +0,45% ABEV3 R$ 16,08 +0,50% IBOVESPA 106.858,87 pts +1,70% GGBR4 R$ 28,50 +2,33% VALE3 R$ 75,77 +5,43%
EURO R$ 6,41 -0,16% MGLU3 R$ 7,30 +3,55% BBDC4 R$ 21,20 +2,12% DÓLAR R$ 5,69 +0,00% ITUB4 R$ 23,25 +1,17% PETR4 R$ 28,89 +0,45% ABEV3 R$ 16,08 +0,50% IBOVESPA 106.858,87 pts +1,70% GGBR4 R$ 28,50 +2,33% VALE3 R$ 75,77 +5,43%
Delay: 15 min
Mercado

Como o mercado é beneficiado com a manutenção dos juros nos EUA

Com juros americanos perto de zero, o efeito é o maior apetite para ativos de risco no mercado doméstico

Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed) (Foto: Yuri Gripas/Reuters)
  • O impacto da decisão foi visto de forma positiva para o mercado brasileiro. O Ibovespa subiu logo após a divulgação
  • Com a baixa nos juros americanos, o Brasil deve fechar 2021 com a Selic por volta de 7% ao ano
  • Como a subida dos juros americanos deve ocorrer apenas em 2023, o mercado nacional pode ser mais vantajoso para investidores

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) decidiu manter a taxa de juros perto de zero na quarta-feira (28), o que representa um tom “dovish” da política monetária americana. O impacto da decisão foi visto de forma positiva para o mercado brasileiro, percebido com a alta do Ibovespa logo após a divulgação.

O principal índice brasileiro fechou a sessão de ontem em alta de 1,34%. Nos Estados Unidos, o Nasdaq cresceu 0,70%, enquanto Dow Jones e S&P 500 caíram 0,36% e 0,019%, respectivamente.

Em discurso, o presidente do Fed, Jerome Powell, destacou a decisão do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) de manter a taxa básica de juros dos Estados Unidos entre 0% e 0,25%.

Como o movimento de juros baixos nos EUA, espera-se que a moeda brasileira consiga ganhar força. Em contrapartida à baixa nos juros americanos, o Brasil deve fechar 2021 com a Selic por volta de 7% ano ano.

Thomás Gibertoni, analista da Portofino Multi Family Office, explica que, como a subida dos juros americanos deve ocorrer apenas em 2023, o mercado nacional pode ser mais vantajoso para investidores. “Especialmente com os juros brasileiros mais atrativos e uma bolsa bastante defasada”, diz.

Ele destaca outra consequência do posicionamento do Fed: o maior apetite para ativos de risco, que acontece devido a diminuição do medo do “enxugamento de liquidez”.

“Não só no Brasil, mas as moedas de outros países mostraram uma tendência de alta, assim como as bolsas de valores”, comenta Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos. Segundo ele, o mercado colocou no radar o posicionamento do Fed sobre a possibilidade de tapering, ou seja, desacelerar as compras de títulos do Fed.

O head da mesa de câmbio e operações PJ da Wise Investimentos, Gustavo Gomiero, comentou para o Broadcast que a decisão representa um quadro benigno para a economia. “A perspectiva é para estabilidade e até queda do dólar no curto prazo”, afirma Gomiero.

Apesar do aumento de casos da variante Delta ter preocupado o mercado, o que foi visto no pregão do dia 20 de julho com uma queda das bolsas mundiais, a aparente baixa do índice de mortalidade amenizou a apreensão do mercado, mas ainda foi destaque na fala de Powell.

Segundo relatório da Ágora Investimentos, a decisão de não alterar os juros já era esperada. O relatório de fechamento do mercado da gestora ressalta o tom mais suave de Powell em relação à inflação, deixando a percepção que o BC americano não parece ter pressa para iniciar a retirada de estímulos monetários, embora o tema esteja sendo discutido.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos