ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
Delay: 15 min
Mercado

Ibovespa: As ações que decepcionaram nos últimos 10 meses

IRB, Embraer e CVC amargaram quedas acima de 69% no acumulado do ano. Veja o ranking

Parede com a a logo do IRB Brasil estampada: IRB em verde com fundo branco e Brasil RE em branco sobre um retângulo verde com uma borda em amarelo.
(Foto: Aline Bronzati/Estadão Conteúdo)
  • Desde que a pandemia de coronavírus fez o Ibovespa amargar queda de 30% em março, aos 73.019 pontos, o índice entrou em trajetória de recuperação
  • Agora, a bolsa brasileira enfrenta uma montanha russa: desde agosto tem patinado entre os 90 e 100 mil pontos
  • O pior retorno no acumulado do ano ficou com o IRB Brasil (IRBR3), com queda de 82,79% no período

Desde que a pandemia de coronavírus fez o Ibovespa amargar queda de 30% em março, aos 73.019 pontos, o índice entrou em trajetória de recuperação. Agora, a bolsa brasileira enfrenta uma montanha russa: desde agosto tem patinado entre os 90 e 100 mil pontos.

“Todo mundo se perguntou como seria a recuperação pós-pandemia: se seria em V, em W e etc. Agora o mercado está brincando que a recuperação está em K, ou seja, alguns segmentos se recuperaram muito, enquanto outros continuam caindo. Se você tira meia dúzia de ativos com as maiores valorizações, o Ibovespa fica com queda de quase 30%”, afirma João Beck, especialista em investimentos e sócio da BRA.

Fora as particularidades de cada setor, que contribuíram para o zigue-zague do índice, incertezas relacionadas ao cenário doméstico e externo também fazem com que a carteira teórica não se sustente no patamar de 100 mil pontos. Por aqui, o fator que preocupa os investidores são as dúvidas em relação à seriedade com que o Governo encara o teto de gastos e, consequentemente, a trajetória da dívida pública.

Leia também:Weg, Magalu e Via Varejo são as melhores ações de 2020. Veja o ranking

Para o E-Investidor, os especialistas fizeram um balanço da performance dos ativos com as piores rentabilidades no acumulado do ano. O levantamento das ações foi feito pela plataforma Economatica. Veja o ranking completo:

Os piores do ano

NomeCódigoRetorno (%)
1IRB BrasilIRBR3-82,79
2EmbraerEMBR3-69,34
3CVC BrasilCVCB3-69,01
4Cogna ONCOGN3-62,82
5Azul S.A.AZUL4-59,85
6CieloCIEL3-59,11
7BR Malls ParBRML3-54,37
8GolGOLL4-54,02
9BRF SABRFS3-51,7
10Yduqs PartYDUQ3-49,92
11Cia HeringHGTX3-49,18
12IguatemiIGTA3-42,73
13MultiplanMULT3-42,27
14PetrobrasPETR3-41,16
15BrasilBBAS3-39,21
16BradescoBBDC3-38,39
17PetrobrasPETR4-38,14
18CCR SACCRO3-36,9
19EcorodoviasECOR3-36,81

*O levantamento considera o retorno entre 31 de dezembro de 2019 e 28 de outubro de 2020

Piores desempenhos: restrição de circulação

O pior retorno no acumulado do ano ficou com o IRB Brasil RE (IRBR3). Vítima de escândalos que envolveram a descoberta de uma fraude de R$ 60 milhões, processo contra executivos da companhia e contestação de números em balanços, as ações do ressegurador estão em queda de mais de 80% no ano.

Quem tinha ativos do IRB na carteira desde o início do ano, viu o patrimônio derreter junto com o preço das ações: em janeiro, os papéis estavam no patamar de R$ 30, contra R$ 6 na última semana. Depois de tantos problemas, Beck, da BRA, ainda não vê uma luz no fim do túnel para a ex-queridinha da Bolsa. “Evitamos olhar para companhias em que a análise depende de você estar dentro da empresa para conseguir saber o que está acontecendo”, afirma Beck.

Já Hasegawa tem uma visão mais positiva. “A nova equipe está fazendo um ótimo trabalho interno, principalmente com a parte comercial. Acredito que ainda não é o momento de comprar, mas ela vai voltar a ter rentabilidade”, diz.

Com exceção do ressegurador, cujo principal fator para baixa foi a governança, na sequência dos piores retornos estão setores muito atingidos pelo isolamento social causado pela pandemia. Aéreas e empresas relacionadas ao turismo, como Embraer (EMBR3), CVC (CVCB3), Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4), amargam quedas que variam entre 50% e 70% nos últimos dez meses.

O segmento de shoppings também está entre os piores desempenhos, junto com os players de educação. “O setor aéreo e shoppings tiveram suas atividades completamente paralisadas por vários meses”, recorda França. “Esses players já estão em recuperação, mas a retomada mais consistente mesmo vem só com a chegada da vacina.”

No ano, os papéis do Iguatemi (IGTA3), Multiplan (MULT3) e BR Malls (BRML3) caem 42,73%, 42,27% e 54,37%, respectivamente. Os representantes de educação são a Cogna, com 62,82% de queda e Yduqs, com 49,92% de encolhimento nos preços. Mas não foram só esses setores que despontaram negativamente, os bancos tradicionais, entre eles Bradesco e Banco do Brasil, também marcam presenta na lista de piores retornos.

“Os bancões decaíram por motivo simples. O mundo estava dando preferência por empresas de tecnologia em vez de valor e qualidade”, diz Hasegawa. “Com a Selic baixa, muitos acreditam que eles não terão a mesa rentabilidade de antes, o que eu discordo.”

Na visão de França, fatores de crédito também encurtaram os retornos das instituições financeiras tradicionais. “Houve uma grande preocupação sobre o impacto da crise nos grandes indicadores de crédito, como inadimplência, e esses bancos de forma acertada aumentaram as provisões. Isso gerou uma preocupação nos investidores com os resultados dessas empresas.”

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos