MGLU3 R$ 8,39 +4,09% DÓLAR R$ 5,59 -0,39% EURO R$ 6,30 -0,86% ITUB4 R$ 22,99 +0,79% BBDC4 R$ 20,60 +0,88% PETR4 R$ 29,25 +2,74% IBOVESPA 103.792,04 pts +1,53% GGBR4 R$ 26,17 +2,43% ABEV3 R$ 16,67 -0,12% VALE3 R$ 70,38 +2,53%
MGLU3 R$ 8,39 +4,09% DÓLAR R$ 5,59 -0,39% EURO R$ 6,30 -0,86% ITUB4 R$ 22,99 +0,79% BBDC4 R$ 20,60 +0,88% PETR4 R$ 29,25 +2,74% IBOVESPA 103.792,04 pts +1,53% GGBR4 R$ 26,17 +2,43% ABEV3 R$ 16,67 -0,12% VALE3 R$ 70,38 +2,53%
Delay: 15 min
Mercado

Como o 1º trimestre de 2021 impactou as ações na Bolsa de Valores?

Apesar de um período com muito mais dificuldades do que o esperado, analistas apostam em resultados positivos nos próximos trimestres

Números são exibidos em tela em ambiente noturno
Balanço de grandes empresas trouxe otimismo. (Foto: Shutterstock)
  • Os três primeiros meses de 2021 foram bem desafiadores para quem acompanha o mercado brasileiro e tem ações na Bolsa de Valores
  • Com a temporada de balanços do primeiro trimestre encerrada, já é possível ter uma percepção mais clara dos setores que estão conseguindo retomar os bons resultados e as áreas que ainda estão sofrendo com os impactos da crise

(Mônica Wanderley da Silva, Especial para o E-Investidor) – Os três primeiros meses de 2021 foram bem desafiadores para quem acompanha o mercado brasileiro e tem ações na Bolsa de Valores. Em janeiro, houve um clima de incerteza sobre questões como o auxílio emergencial e o início da vacinação em outros países. Em fevereiro, o mercado ficou apreensivo com a intervenção em estatais (que resultou nas trocas de comando da Petrobras e do Banco do Brasil); Em março, o aumento de quase três vezes no número de mortes causadas pela covid-19 acendeu um alerta vermelho.

Com essa sucessão de temas delicados e de alto impacto no ambiente monetário, era de se esperar que o balanço financeiro do primeiro trimestre fosse impactado. Porém, contrariando as expectativas, o prejuízo causado na Bolsa de Valores foi considerado pequeno: o Ibovespa, indicador que reúne o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Valores, estava em 118.854 pontos em 4 de janeiro e caiu para 116.633 em 31 de março.

Como a queda foi pequena e, no início de maio, o indicador chegou a bater o recorde do ano, as apostas são de que um período mais promissor se descortina nos próximos meses.

Esse otimismo ganhou força após a rodada de anúncios dos balanços financeiros do primeiro trimestre, ocorrida em março. Apesar de alguns setores ainda estarem muito afetados por conta do distanciamento social causado pela covid-19, empresas do setor de construção e e-commerce, por exemplo, trouxeram números bem positivos.

Mão segura celular frente ao símbolo do Magalu
Magazine Luiza foi uma das empresas que tiveram um primeiro trimestre muito bem-sucedido. (Foto: Rafapress /Shutterstock)

Resultados gerais

Com a temporada de balanços do primeiro trimestre encerrada, já é possível ter uma percepção mais clara dos setores que estão conseguindo retomar os bons resultados e as áreas que ainda estão sofrendo com os impactos da crise.

Construtoras, mineradoras e siderúrgicas

O mercado de construção está em ritmo de recuperação operacional: apesar de o número de lançamentos ter diminuído 60,4% nesse período, a Cyrela, por exemplo, divulgou em seu balanço a marca de R$ 192 milhões de lucro no primeiro trimestre de 2021. O valor é 588% maior do que os R$ 28 milhões registrados no mesmo período de 2020.

No campo das mineradoras, é impossível não citar os resultados da Vale, que sempre impressionam. No primeiro trimestre, a empresa surpreendeu a Bolsa de Valores ao anunciar R$ 30,5 bilhões de lucro líquido, valor maior do que os R$ 26,7 bilhões registrados em todo o ano de 2020. A crise, nesse caso, passou longe.

O momento também se encontra feliz para as siderúrgicas. Enquanto a Gerdau reportou lucro líquido de R$ 2,4 bilhões no primeiro trimestre, valor bem maior do que os R$ 221 milhões registrados no mesmo período de 2020, a Usiminas saiu do prejuízo de R$ 424 milhões apresentado nos três primeiros meses de 2020 e anunciou lucro de R$ 1,2 bilhão neste ano.

Setor elétrico

Companhias cuja produção depende da geração hidrelétrica, como AES Brasil, Cesp e Engie tiveram resultados impactados pela falta de chuvas. Por outro lado, as empresas com foco na geração, distribuição e transmissão apresentaram resultados bem mais favoráveis — a Eletrobras, por exemplo, registrou lucro líquido de R$ 1,6 bilhão, 31% maior do que o do mesmo período do ano passado.

Fachada de loja da Renner
Assim como outras empresas do varejo de roupas, a Renner apresentou resultados negativos nos três primeiros meses de 2021. (Foto: Casa da Photo/Shutterstock)

Varejo

Quando falamos em alimentação, marcas como Assaí e Carrefour tiveram resultados positivos, em parte impulsionados pelo maior consumo de produtos em casa, devido ao distanciamento social. O Carrefour, por exemplo, fechou o primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 420 milhões, crescimento de quase 5% na comparação com 2020.

No setor de vestuário, o momento ainda é de recuperação na Bolsa de Valores. As lojas C&A registraram um prejuízo de R$ 138,5 milhões (150% maior do que 2020) e queda de 20,6% na receita líquida, segundo os mesmos dados do ano passado.

A situação da Lojas Renner também é similar: prejuízo líquido de R$ 147,7 milhões (em frente a um lucro de R$ 7,1 milhões em 2020) e receita líquida de R$ 1,36 bilhão, queda de 12% na comparação anual.

No comércio eletrônico, o destaque na Bolsa de Valores ficou com a Magazine Luiza, que fechou o trimestre com uma alta de 739,7% no comparativo com 2020, e R$ 258,6 milhões de lucro líquido.

A Via Varejo, que detém o controle das varejistas Casas Bahia e Ponto Frio, anunciou lucro líquido de R$ 180 milhões entre janeiro e março, alta de 1.284,6% quando comparado com os R$ 13 milhões no mesmo período em 2020.

Porém, a empresa esclareceu em seu comunicado à Bolsa de Valores que “no trimestre, o incentivo de subvenção [incentivo público] totalizou R$ 150 milhões, dos quais R$ 117 milhões se referem a efeito de anos anteriores e R$ 33 milhões ao primeiro trimestre de 2021”.

Já a B2W, dona das Lojas Americanas e Submarino, terminou o 1º trimestre com prejuízo líquido de R$ 163,6 milhões, alta de 51,5% em comparação ao prejuízo de R$ 108 milhões de 2020. Já a receita líquida ficou em R$ 2,9 bilhões, crescimento de 73,5%.

Setores que devem prosperar na Bolsa de Valores

Para o curto prazo, especialistas acreditam que os seguintes segmentos da indústria terão maior destaque:

  • Bancos, pela retomada da economia que vem apoiada pelos índices gerais e desempenho de muitos negócios na Bolsa de Valores;
  • Empresas com foco em soluções e comércio digital (e-commerce), tanto pelo aumento do comércio digital como pelas medidas restritivas, que devem perdurar no Brasil em todo o 2021;
  • Varejistas do setor de alimentos, que apostaram em tecnologias para facilitar a experiência de compra digital durante a pandemia. Com a perspectiva de que a pandemia continue pelos próximos trimestres, o aumento na demanda tende a se refletir nos resultados financeiros.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos